Reflexões sobre a velhice e a morte em As intermitências da morte, de José Saramago

Carolina de Aquino Gomes, Ana Marcia Alves Siqueira

Resumo


Em As intermitências da morte (2005), José Saramago nos convida a refletir sobre as consequências de uma vida sem a morte. Esse desejo antigo dos seres humanos é posto em perigo, ao vislumbrarmos o caos ocasionado pela greve de uma morte que reivindica a sua importância na vida dos homens. Com base na primeira intermitência dessa morte-personagem, propomos uma reflexão sobre o tema da morte e da velhice, de modo a compreender como se dá o seu distanciamento das preocupações cotidianas na contemporaneidade. Nesse processo, observamos a interdição da morte ocasionada pela intensa medicalização da vida e por um movimento de setores mercadológicos que se ocuparam da tarefa de lidar com um fato tão assustador. Nas reflexões ora propostas, reconhecemos que o romance de Saramago parte do insólito desaparecimento da morte para transcender a realidade, atuando de forma a extrapolar a ordem natural da existência, algo que nos leva à reflexão, impelindo-nos a pensar mais na nossa finitude, para, por fim, compreender o seu afastamento, que reflete muito mais o nosso medo e incapacidade diante da morte.

Palavras-chave


Velhice; Morte; José Saramago

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Sociologia. São Paulo: Ática, 1994.

AGUILLERA, Fernando Gomes, org. As Palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras: 2010.

ARNAUT, Ana Paula. José Saramago. Lisboa: Edições 70, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Cegueira moral: a perda da sensibilidade na modernidade líquida. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2014.

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos, seguido de Envelhecer e Morrer. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

LUKÁCS, G. História e consciência de classe: estudos de dialética marxista. Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl. ENGELS, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Penguin, 2012. [1848].

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios: Que filosofar é aprender a morrer e outros ensaios. Trad. Júlia da Rosa Simões. Porto Alegre: L&PM, 2016. [1595].

SARAMAGO, José. As intermitências da morte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2020v39p48

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco