A antielegia ou a perda do sentido do futuro

Alamir Aquino Corrêa

Resumo


Discussão sobre as marcas da elegia moderna ou antielegia, como atitude melancólica a permear gêneros literários e artísticos. Aponto, seguindo a lição de Jahan Ramazani (1994), a resistência à consolação como principal qualidade da antielegia a lidar com o conjunto de percalços incompreensíveis na modernidade. A antielegia está marcada pela impossibilidade de preservação em separado de um espaço intocado, ideal como o mundo bucólico pastoral, em razão da velocidade e da pressão da vida moderna; também não se busca a supressão do enlutamento, aquela saudável transição do vínculo com o morto para o vínculo com os outros também ainda viventes, pois o espaço de luto também serve como locus de ironia e mofa, pelo excesso de sua apresentação mediática. Finalmente, entendo que nossa era da catástrofe encontra a sua expressão na elegia como uma pornografia do luto anunciado, pois cada vez mais queremos nos afastar de um luto futuro, apesar de sua inexorabilidade.

Palavras-chave


Antielegia; Elegia moderna; Morte; Luto; Culpa

Texto completo:

PDF

Referências


BLOOMFIELD, Morton W. The Elegy and the Elegiac Mode: Praise and Allienation. Barbara K. Lewalski, org. Renaissance Genres: Essays on Theory, History and Interpretation. Cambridge: Harvard UP, 1986. 147-157.

CORRÊA, Alamir A. A mesa posta: elegia enquanto gênero. Calíope, Rio de Janeiro, v. 24, p. 9-30, 2012.

CORRÊA, Alamir A. Lamentos, queixas, choros, mortes e perdas: os gêneros elegíacos. Emanoel Cesar Pires de Assis; Solange Santana Guimarães Morais, orgs. A pesquisa em Letras. São Luís: EDUEMA, 2017. 15-38.

FUZA, Patrícia Josiane Tavares da Cunha. A esperança em tempos sombrios : a produção poética brasileira da primeira metade do século XX. Tese de doutoramento (PPG em Letras), Universidade Estadual de Londrina. Londrina: 2014. http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000193770.

LAGE, Rui Carlos Morais. A elegia portuguesa nos séculos XX e XXI: Perda, luto e desengano. Tese de Doutoramento (Doutorado em Literaturas e Culturas Românicas), Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto: 2010. https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/50420/2/tesedoutruilage000112866.pdf

MOURA, Murilo Marcondes de. “Três poetas brasileiros e a segunda guerra mundial – Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles e Murilo Mendes”. Tese de Doutoramento (PPG em Teoria Literária e Literatura Comparada), Universidade de São Paulo. São Paulo: 1998.

PFAU, Thomas. Mourning Modernity: Classical Antiquity, Romantic Theory, and Elegiac Form. Karen Weisman, org. The Oxford Handbook of The Elegy. New York: Oxford UP, 2010. 546-564.

RAE, Patricia. Mourning and Modernism. Lewisburg: Bucknell UP, 2007.

RAMAZANI, Jahan. Poetry of Mourning: The Modern Elegy from Hardy to Heany. Chicago: U of Chicago P, 1994.

RAMAZANI, Jahan. Elegy and Anti-Elegy in Stevens’ “Harmonium”: Mockery, Melancholia, and the Pathetic Fallacy. Journal of Modern Literature, Bloomington, v. 17, n. 4 p. 567-582, Spring, 1991. https://www.jstor.org/stable/3831364.

RICOEUR, Paul. De l’Interprétation: essai sur Freud. Paris: Seuil, 1965.

SACKS, Peter. The English Elegy. Baltimore: Johns Hopkins UP, 1985.

SHAW, W. David. Elegy and Paradox: Testing the Conventions. Baltimore: Johns Hopkins UP, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2020v39p71

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco