Espaços e travessias na constituição da identidade

Roseane Oliveira de Araújo Félix, João Batista Cardoso

Resumo


Este estudo teve como objetivo investigar as relações entre o sujeito migrante e os espaços de sua travessia, bem como a postura deste sujeito diante do desconhecido. Para tanto, utilizamos como corpus de análise os capítulos intitulados: “Essa terra me chama” e “Essa terra me enxota” do romance Essa Terra (1976), de Antônio Torres. O objetivo é refletir sobre um momento histórico em que a falta de perspectiva e a ameaça à sobrevivência no meio rural fizeram aumentar a migração para as cidades. Como suporte histórico-crítico nos embasamos nas contribuições e reflexões de Borges Filho (2005), Bhabha (1998), Bezerra Júnior (2014), García Canclini (2008), entre outros.

Palavras-chave


Deslocamentos; Análise espacial; Topoanálise; Essa Terra

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Trad. Antônio da Costa Leal, Lídia do Valle Santos Leal. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BEZERRA JÚNIOR, Heleno Álvares. Para além do trauma intransponível: novas reflexões sobre a diáspora em ficção contemporânea. Paulo César Oliveira, Shirley de Souza Gomes Carreira, orgs. Diásporas e deslocamentos: travessias críticas. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila et al. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BORGES FILHO, Ozíres. Em busca do espaço perdido ou espaço e literatura: Introdução a uma Topoanálise. Ozíres Borges Filho, Maria Aparecida Junqueira Veiga Gaeta, orgs. Língua, Literatura e Ensino. Franca: Ribeirão, 2005. 85-130.

CAMPOS, Luciene Lemos de, Luciano Rodrigues. Migrantes e migrações: entre a história e a literatura. Albuquerque: Revista de História, Campo Grande, v. 3, n. 5, p. 33-49, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufms.br/index.php/AlbRHis/article/view/3968.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Ana Regina Lessa, Heloísa Pezza Cintrão. 4ª. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.

GONÇALVES, Rogério Gustavo. A instabilidade no universo ficcional de Essa Terra, de Antônio Torres. Signótica, Goiânia, v. 30, n. 3, p. 434-449, jul./set. 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sig/article/view/46091.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 12ª. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

SILVA, Amanda. São Paulo não é o que se pensa: uma leitura da trilogia torresiana. Cláudio Clédson Novaes, Roberto Henrique Seidel, orgs. Espaço nacional, fronteiras e deslocamentos na obra de Antônio Torres. Feira de Santana: UEFS Editora, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. Tomaz Tadeu da Silva, 0rg., Stuart Hall, Kathryn Woodward. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9ª. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. 73-102.

TORRES, Antônio. Essa Terra. 8ª. ed. São Paulo: Ática, 1988.

VICENTINI, Albertina. O sertão e a literatura. Sociedade e Cultura, Goiânia, vol. 1, n. 1, p. 41-54, jan/jun. 1998. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/1778.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2020v39p12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco