O senhor dos anéis e o cânone

Desiree Bueno Tiburcio, Luiz Carlos Migliozzi Ferreira de Mello

Resumo


Há cerca de mais de oitenta anos J. R. R. Tolkien publicou a primeira obra que viria a compor todo um universo mítico. A partir dessa primeira publicação, a literatura tolkieniana consagrou-se dentre seu público leitor e impulsionou um novo segmento mercadológico. O senhor dos anéis é obra integrante desse universo mítico e uma de suas obras mais populares, além de ser referência para a literatura de fantasia. Todavia, desde sua primeira publicação, Tolkien é desprezado dentre a comunidade acadêmica, que preconiza pelo estudo de obras canônicas. O cânone literário tem o poder de consagrar determinadas obras, porém ao mesmo tempo em que o cânone inclui e legitimiza determinadas obras, ele também acaba por excluir muitas outras, como é o caso de O senhor dos anéis. Sob essa perspectiva, o presente trabalho propõe-se a analisar a relação entre o cânone e O senhor dos anéis, tendo em vista a representatividade da obra perante o jovem leitor e sua importância dentre o gênero ao qual se inscreve.


Palavras-chave


Cânone; Escola; Tolkien; Crítica

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ABREU, Márcia. Cultura Letrada: Literatura e leitura. São Paulo: UNESP, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BLOOM, Harold. O cânone ocidental: Os livros e a escola do tempo. 2. ed. Trad. Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

BLOOM, Harold. 35 milhões de compradores de livros podem estar errados? Wall Street Journal, 2/11/2000. Trad. Danielle Crepaldi Carvalho, do artigo “Can 35 Million Book Buyers Be Wrong? Yes”. Disponível em Acesso em 06 mai. 2018.

BLOOM, Harold, (org.). Bloom’s modern critical interpretation: J. R. R.Tolkien’s The Lord of the Rings. New York: New Edition, 2008.

BORGES, Jorge Luis. Esse ofício do verso. Trad. José Marco Macedo. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

DURÃO, Fábio Akcelrud. A crítica literária como questão. O que é crítica literária? São Paulo: Nankin, 2016, pp. 10-21.

FRANCHETTI, Paulo. Crítica e saber universitário. Alcides Cardoso Santos (org.). Estados da crítica. Curitiba: Editora da UFPR, 2006, pp. 48-61

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1996.

GIRON, Luís Antônio. Elas não são idiotas. Entrevista: Harold Bloom. Época (São Paulo), n. 243, 03 fev. 2003. Disponível em . Acesso em 05 mai. 2018.

MICHAELIS. Moderno dicionário. Dicionário brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2018. Disponível em

brasileiro/Cl%C3%A1ssico/>. Acesso em 21 mai. 2018.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas: Escolha e valor na obra crítica de escritores modernos. 2. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. O lugar do crítico. Texto, crítica, escritura. 2. ed. São Paulo: Ática, 1993, pp. 15-34.

PEREIRA, Andréa Kluge. Biblioteca na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

SANTIAGO, Silviano. Literatura e Cultura de Massa. Novos Estudos CEBRAP, vol. 38, pp. 89-98, 1994. Disponível em . Acesso em 21 mai. 2018.

SPINELLI, Miguel. O conceito epicurista de kritêrion vinculado ao de enargéias e de kanôn. Kriterion: Revista de Filosofia, v. 53, 2012, p. 59-80, 2012. Disponível em . Acesso em 21 mai. 2018.

TAYLOR, L. Roger. Arte, inimiga do povo. Trad. Maria Cristina Vidal Borba. São Paulo: Conrad, 2005.

TODOROV, Tzvetan. A Literatura em Perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

TOLKIEN, J. R. R. Árvore e folha. Trad. Ronald Eduard Kyrmse. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2017

VOCABULARY. Vocabulary.com Dictionary. Disponível em: . Acesso em 18 jun. 2018.

WELLEK, Rene. Termo e conceito de crítica literária. Conceitos de crítica. São Paulo: Cultrix, 1963, pp. 29-41.

WHITE, Michael. J. R. R. Tolkien: O senhor da fantasia. Trad. Bruno Dorigatti. Rio de Janeiro: DarkSide, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2019v37p104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco