“Talvez o mundo pare de acabar tão depressa”: sobre um poema de Filipa Leal

Viviane Vasconcelos

Resumo


A reflexão para a escrita deste artigo tem início no manifesto escrito pela poeta portuguesa Filipa Leal. A partir da defesa dos leitores de poesia, a poeta parece, ironicamente, contestar a posição dos leitores dos romances. No entanto, podemos observar que alguns críticos notam a presença de uma narratividade nos poetas contemporâneos. Essa característica parece confirmar que a ausência de um gênero mais presente, que não é uma novidade da poesia contemporânea, se confirma como uma possibilidade de falar sobre um tempo que produz suas especificidades. Um exemplo está presente no poema que dá título ao livro, “Vem à quinta-feira”, que é uma referência a um poema de Mário de Sá-Carneiro. Em outros livros de Filipa Leal, podemos notar a presença de uma reflexão sobre a liquidez da contemporaneidade, uma possível chave de leitura para a confirmação da tese benjaminiana de que a narração seria uma forma genuína manutenção da experiência. Logo, ocorre um princípio da narração que parece ser relevante para a experiência.


Palavras-chave


Poesia contemporânea, Filipa Leal, Mário de Sá-Carneiro, Experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Ida. Poesia portuguesa contemporânea e a opção pela narratividade. Alea (Rio de Janeiro), v. 3, n. 2, pp.57-66, jul-dez 2001. Disponível em https://tinyurl.com/y4wg3a2m.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. Obras escolhidas. Vol 1. São Paulo: Brasiliense, 1994, pp. 114-119.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas de Baudelaire. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000, pp. 103-149.

HELDER, Herberto. Os passos em volta. Lisboa: Cooperativa Editora e Livreira, 1994.

FERREIRA, Pedro. A poesia que dispensa gravata. Esquerda.net, 2016. Disponível em: http://www.esquerda.net/artigo/poesia-que-dispensa-gravata/43312.

HOBSBAWM, Eric. Tempos Fraturados. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LEAL, Filipa. Cidade líquida & outras texturas. Porto: Deriva, 2006.

LEAL, Filipa. Pelos leitores de poesia. Lisboa: Abysmo, 2015.

LEAL, Filipa. Vem à quinta-feira. Lisboa: Assírio & Alvim, 2016.

MAFFEI, Luís. Para quem escreve quem hoje escreve? Convergência Lusíada (Lisboa), n. 33, pp. 77-87, jan–jun de 2015. Disponível em http://rgplrc.libware.net/ojs/index.php/rcl/article/view/54/52.

MARTINS, Fernando Cabral. O modernismo em Mário de Sá-Carneiro. Lisboa: Estampa, 1997.

SÁ-CARNEIRO, Mário de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

SÁ-CARNEIRO, Mário de. Poemas completos. Fernando Cabral Martins (org.). Lisboa: Assírio & Alvim, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2018v36p54

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco