Tateando poesia, hoje, estética, democracia: uma conversa com Sousa Dias

Luis Maffei

Resumo


Poesia é uma ideia que não se pode pronunciar sem que se abra um território de sentidos vasto e problemático. Pensá-la, num determinado momento histórico e em determinado lugar, é uma tarefa que escorrega entre a estética e a política. No Portugal da nossa contemporaneidade, um dos pensadores mais agudos entre os que frontalmente se dedicam a refletir sobre a poesia, e a arte em geral, é Sousa Dias. Em textos como “Poesia, arte bilingue” e “A experiência poética”, Sousa Dias se mostra um profícuo interlocutor para assuntos que interessam sobremaneira a este ensaio, como a possibilidade de, no universo do que se convencionou chamar de poesia, serem desencadeados processos políticos de desierarquização e democracia. Torna-se inevitável refletir, logo, sobre a relação entre estética e ética e sobre o que se pode considerar uma colonização conteudística em tempos de excessiva comunicação. A esta reflexão, além de Sousa Dias, outros pensadores e críticos serão convidados a expor suas vozes, além de poetas, é claro. 

Palavras-chave


Sousa Dias; Poesia; Estética; Democracia

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1980.

BELO, Ruy. Na senda da poesia. Maria Jorge Vilar de Figueiredo (org.). Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Emanuel Paulo Ramos (ed.). Porto: Porto, 1978.

CRUZ, Gastão. Os poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka – por uma literatura menor. Trad. Cíntia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

DIAS, Sousa. A experiência poética. O que é poesia? Lisboa: Documenta, 2014. pp. 31-39.

DIAS, Sousa. A metáfora para lá da metáfora. O que é poesia? Op. cit. pp. 49-70.

DIAS, Sousa. Poesia, arte bilingue. O que é poesia? Op. cit. pp. 11-29.

DIAS, Sousa. Pré-Apocalypse now – diálogo com Maria João Cantinho sobre política, estética e filosofia. Lisboa: Documenta, 2016.

LERNER, Ben. Ódio à poesia. Trad. Daniel Jonas. Amadora: Elsinore, 2016.

MAFFEI, Luis. Dois ou três possíveis para a poesia brasileira. Zunái. v. 3, n. 1, junho 2016. Disponível em: http://zunai.com.br/post/145779495408/perisc%C3%B3pio-2-dois-ou-tr%C3%AAs-poss%C3%ADveis-para-a.

NANCY, Jean-Luc. Resistência da poesia. Trad. Bruno Duarte. Lisboa: Vendaval, 2005.

SALLES, Luciana. Inspecionando as chagas uns dos outros: diálogo e testemunho em Jorge de Sena. Ler Jorge de Sena. Disponível em http://www.lerjorgedesena.letras.ufrj.br/ressonancias/pesquisa/ufrj/3-inspecionando-as-chagas-uns-dos-outros-dialogo-e-testemunho-em-jorge-de-sena/.

SENA, Jorge de. Poesia 1. Jorge Fazenda Lourenço (ed.). Lisboa: Guimarães, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2018v36p31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco