Diana Caçadora, a resistência feminina na heroína problemática de Márcia Denser

Enedir Silva Santos, Kelcilene Grácia-Rodrigues

Resumo


O intuito deste artigo é estudar a personagem protagonista Diana Marini como heroína problemática das narrativas que integram Diana caçadora (2003). A heroína problemática difere-se dos heróis clássicos apontados por Lukács (2000) e Goldmann (1967), por possuir e defender valores autênticos num mundo degradado. A protagonista criada por Márcia Denser manifesta nas vivências sexuais a resistência feminina ante a sociedade que assimilou e, como manifestação de violência simbólica, naturalizou valores patriarcalistas. Nos resultados das pesquisas de Regina Dalcastagnè (2012), depreende-se que o espaço para a literatura produzida por mulheres é diminuto num mercado editorial dominado por autores do sexo masculino, fator que, de acordo com Ruth Silviano Brandão (1989), faz com que a mulher se veja pelos olhos dos homens. Desse modo, a transgressividade da heroína problemática de Denser soma-se a outras personagens da narrativa de autoria feminina brasileira das décadas de 1970 e 1980 e evidenciam, de acordo com Nelly Novaes Coelho (1993), uma mudança no perfil das mulheres, logo, tais personagens influenciam diretamente na questão representacional feminina.

Palavras-chave


Narrativa feminina; Ficção brasileira contemporânea; Heroína problemática; Resistência

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Escala Educacional, 2008.

BOSI, Alfredo. Narrativa e Resistência. Itinerários: Revista de Literatura. v. 10, pp. 11-27, 1996. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/2577/2207, acesso em 20 set. 2017.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. de Maria Helena Kuhner. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRANDÃO, Ruth S.. Passageiras da voz alheia. Lúcia Castello Branco & Ruth S. Brandão (orgs.). A mulher escrita. Rio de Janeiro: Casa Maria, LTC, 1989, pp. 17-20.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. A personagem de ficção. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976, pp. 51-80.

COELHO, Nelly N. Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. São Paulo: Escrituras, 2002.

COELHO, Nelly N. A literatura feminina no Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993.

COLASANTI, Marina. A moça tecelã. Um espinho de marfim e outras histórias. Porto Alegre: LP&M, 1999, pp. 9-12.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DENSER, Márcia. Diana caçadora & Tango fantasma: duas prosas reunidas. Cotia: Ateliê Editorial, 2003.

GOLDMANN, Lucien. Sociologia do romance. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas cidades, 2000.

NIGRO, Cláudia M. C. Introdução. Cláudia M. C. NIgro & Juliane Chatagnier (orgs.). Literatura e gênero. São Paulo: Cultura Acadêmica,2015, pp. 15-22.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e personagem. A personagem de ficção. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976, pp. 9-50.

SCHMIDT, Rita T.. Recortes de uma história: a construção de um saber fazer. Cristina Ramalho (org.). Literatura e feminismo: propostas teóricas e reflexões críticas. Rio de Janeiro: Elo, 1999.

STUDART, Heloneida. O estandarte da agonia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

TELLES, Lygia F. As meninas. 5. ed.. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2018v35p84

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco