A ironia romântica como fio condutor para a interpretação do romance "Desonra"

Eunice Terezinha Piazza Gai, Daniela Freitas Torres

Resumo


Neste artigo, apresentamos uma proposta interpretativa para o romance Desonra, de J.M. Coetzee, à luz da ironia romântica. Através dela, remetemos aos possíveis conhecimentos gerados e veiculados pela obra a partir da leitura realizada. A hipótese norteadora é a de que se trata de uma narrativa literária que apresenta problemas contundentes do mundo contemporâneo, tais como mudanças socioculturais significativas e situações específicas inerentes à condição humana. Abordamos a questão da ironia romântica considerando-a como a perspectiva filosófica que possibilita nossa proposta interpretativa.

Palavras-chave


Desonra; Narrativa; Ironia romântica

Texto completo:

PDF

Referências


BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

COETZEE, J.M. Desonra. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CUNHA, Cilaine Alves. Peregrinações da ironia romântica de Machado de Assis. Ângulo. 2008 (abr./jun.), n. 113, pp. 35-43.

DUARTE, Lelia P. Ironia e humor na literatura. São Paulo: Alameda, 2006.

HUTCHEON, Linda. Teoria e política da ironia. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

KIERKEGAARD, Sooren A. O conceito de ironia: constantemente referido a Sócrates. 2. ed. Bragança Paulista: Editora Universitária, São Francisco, 2005.

MUECKE, D.C. Ironia e o irônico. São Paulo: Perspectiva, 1995.

SCHLEGEL, Friedrich. O dialeto dos fragmentos. São Paulo: Iluminuras, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2014v27p27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco