Vozes femininas e étnicas: a narrativa enquanto expressão da vida

Maria Aparecida de Barros

Resumo


A memória de duas mulheres afro-descendentes, uma pertencente ao século XIX, conto A Escrava, de Maria Firmina dos Reis, e outra ao século XXI, depoente que integra nossa pesquisa de Mestrado, é ponto angular deste trabalho. Aproximar essas vozes, permeadas pelos saberes da cultura africana, que mesmo separadas no tempo e no espaço, revelam o que é ser mulher negra numa sociedade excludente, constituiu nosso objeto de estudo.

Palavras-chave


Benzimento; Memória; Religiosidade; Voz feminina

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. 1994. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense.

BOSI, Ecléa. 2004. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 12ª ed. São Paulo: Companhia das Letras.

DUARTE, Eduardo de Assis. 2007. “Literatura Afro-brasileira: um conceito em construção.” N. Barbosa Afolabi & E. RIBEIRO, orgs. A Mente afro-brasileira. Treton-EUA/Asmara-Eritréia: África Word Press. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 15/6/2009.

DUARTE, Eduardo de Assis. Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção Afro-brasileira. Disponível no sitio: http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 18/6/2009.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. 2002. Entre histórias e tererés: o ouvir da literatura pantaneira. São Paulo: UNESP.

GOMES, Heloísa Toller. “Visíveis e Invisíveis Grades”: Vozes de Mulheres na Escrita Afro-descendente Contemporânea. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/artigoheloisa.pdf, acesso em 16/8/2009.

HALBWACHS, Maurice. 1990. A memória coletiva. 2ª ed. Trad. Laurent Leon Schaffter. São Paulo: Vértice.

IANNI, Octavio. 1988. “Literatura e consciência.” Revista do Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Edição Comemorativa do Centenário da Abolição da Escravatura, n. 28. São Paulo: USP.

LOBO, Luiza. 2007. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Garamand.

LOBO, Luiza. 1993. “Auto-retrato de uma pioneira abolicionista.” Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo do. 2006. Feitio de viver: memórias de descendentes de escravos. Londrina: Eduel.

ONG, Walter. 1998. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas, SP: Papirus.

REIS, Maria Firmina dos. Dados biográficos. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 18/6/2009.

REIS, Maria Firmina dos. 2004. Úrsula; A escrava. Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas.

SOUZA, Florentina. 2007. “Memória e performance nas culturas afro-brasileiras.” Representação performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. ALEXANDRE, Marcos Antônio (org). Belo Horizonte: Mazza Edições.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2009v17p29

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco