Obscuridade e Fragmentação: um caminho para Budapeste

Rosilene Silva da Costa

Resumo


Este ensaio tem como objeto de estudo o romance Budapeste, de Chico Buarque. Serão discutidos alguns aspectos específicos da cidade moderna, como a fragmentação discursiva, e a obscuridade como espaço de constituição dos sujeitos modernos.

Palavras-chave


Cidade; Modernidade; Fragmentação; Obscuridade

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. “Paris capital do século XIX.” Flávio Kothe, org. Walter Benjamin. São Paulo: Ática, 1985a. 30-43.

BENJAMIN, Walter. “A Paris do Segundo império em Baudelaire.” Flávio Kothe, org. Walter Benjamin. São Paulo: Ática, 1985a. 44-120.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Cia das Letras, 1986.

BHABHA, Hommi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

BOLLE, Wille. Fisiognomia da metrópole moderna. São Paulo: Edusp, 1994.

BUARQUE, Chico. Budapeste. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2008v12p79

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco