Homem da multidão e o flâneur no conto “O homem da multidão” de Edgar Allan Poe

Sérgio Roberto Massagli

Resumo


Este artigo analisa, através da leitura de Walter Benjamin, a diferença entre o flanêur e o homem da multidão, no conto “O Homem da Multidão”, de Edgar Allan Poe, bem como a constituição do flanêur como observador privilegiado da vida moderna e a flanêurie como meio de apreensão e representação desse novo espaço.

Palavras-chave


Modernidade; Estética urbana; Espaço

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDELAIRE, Charles. “O pintor da vida moderna.” Sobre a modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

BENJAMIN, Walter . Obras escolhidas III: Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. 3a. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Rio de Janeiro: Global, 1985.

FRIEDMANN, G. La crise du progrès, Paris, 1936.

MORSE, Margaret. “An ontology of everyday distraction: The freeway, the mall, and television.” Patricia Mellencamp, ed. Logics of television: Essays in cultural criticism. Bloomington: Indiana University Press, 1998. 193-221.

POE, Edgar Allan. Os melhores contos de Edgar Allan Poe. Trad. Oscar Mendes e Milton Amado. 3. ed. São Paulo: Globo, 1999.

WHITE, Edmund. O Flanêur. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

WILSON, Elizabeth. “The Invisible Flanêur.” New Left Review 191 (Feb 1992).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1678-2054.2008v12p55

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  


ISSN: 1678-2054

QUALIS - CAPES 2013-2016: Letras/Linguística: B1 ; Educação: B2

Os artigos têm Identificador de Objeto Digital (DOI). 
 
Índice de Citações dos artigosGoogle Acadêmico

a) índice h1 - (>2016) - 11
b) índice i10 - (>2016) - 14

MIAR - ICDS (2021) - 6.3

Fale conosco