Crenças, pressupostos e conhecimentos de professores em serviço sobre língua(gem) em um curso de formação continuada

Ana Cristina Biondo Salomão, Carla Mayumi Meneghini

Resumo


O cenário atual de globalização e comunicação intercultural traz impacto significativo para a maneira como entendemos a relação entre língua e sociedade. Gera, também, para o ensino de línguas, a necessidade de o professor compreender suas crenças, pressupostos e conhecimentos (WOODS, 1996) em relação à língua que ensina, uma vez que ele é um importante agente na orquestração da interação de várias histórias de vida e horizontes de entendimento por meio de sua prática pedagógica. Neste artigo, apresentamos e discutimos os resultados de duas pesquisas de doutorado (SALOMÃO, 2012; MENEGHINI, 2013), conduzidas em um mesmo contexto de um curso híbrido (presencial/virtual) de formação continuada, em relação às crenças dos professores sobre as variedades geolinguísticas do espanhol. Ponderamos que a questão da escolha por uma variedade está muitas vezes relacionada às concepções estruturais de língua, assim como está imbricada por uma tessitura de fatores que demonstram falta de consciência das vozes das quais os professores se apropriam para justificar suas opções teórico-metodológicas. O desafio que se coloca para a formação de professores, então, nos parece ser o de auxiliá-los no desenvolvimento de consciência crítica, promovida pela reflexão sobre suas crenças sobre língua(gem), a partir de experiências que possam levá-los a (re)conhecer suas escolhas por determinada variedade linguística. Palavras-chave: Crenças de professores de línguas. Variedades linguísticas. Reflexão.

Palavras-chave


crenças de professores de línguas; variedades linguísticas; reflexão

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2237-4876.2014v17n1p272



Signum: Estudos da Linguagem
Telefone: (43) 3371-4428
E-mail: signum@uel.br
ISSN: 2237-4876