Neofascismo como objeto de estudo: contribuições e caminhos para elucidar este fenômeno

Leonardo Carnut

Resumo


Este estudo tem como objetivo identificar os/as pesquisadores/as brasileiros/as que estão tomando o ‘neofascismo’ como objeto de estudo, analisando em que disciplinas ancoram suas análises e quais contribuições eles têm feito para apontar caminhos na elucidação deste fenômeno. Logo, foi realizado um mapeamento, de abordagem qualitativa, descritivo-exploratória sobre o tema ‘neofascismo’ no Currículo Lattes de pesquisadores doutores que se dedicam sobre o tema no Brasil. Usou-se a palavra-chave ‘neofascismo’ no campo principal da ‘busca simples’, cujo modo de busca utilizado foi ‘assunto (título ou palavra-chave na produção)’. Identificou-se que, dos 100% (21) dos pesquisadores encontrados, 71,5% (15) são homens, e, dos 100% (108) das citações do termo ‘neofascismo’, 34,5% (37) concentram-se em uma única pesquisadora. A área de História Geral ou Especializada é a principal disciplina de ancoragem. As produções científicas sobre o neofascismo puderam ser divididas em quatro blocos: “os trabalhos que procuram uma delimitação da categoria neofascismo”; “os que historicizam o uso da categoria neofascismo”; “os que aplicam o neofascismo a uma conjuntura doméstica” e “os que identificam/descrevem grupos e práticas neofascistizantes”. Por fim, são delimitadas as diferenças entre as ‘práticas conservadoras’ das ‘práticas neofascistizantes’ e são identificadas algumas características da retórica neofascista.

Palavras-chave


Fascismo; Estado; Política; Ciências Sociais; Pesquisadores

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, T. F. Entrevista com César Guimarães. Revista Estudos Políticos, Niterói, v. 9, n. 1, p. 5-19, 2018.

ALMEIDA, F. C. A 'nova' extrema-direita: o caráter grupuscular das organizações neofascistas em Portugal e na Argentina. Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 18, p. 187-208, 2012.

ALMEIDA, F. C. A serpente na rede: extrema-direita, neofascismo e internet na Argentina. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 9., 2008, Porto Alegre, RS. Anais [...]. Porto Alegre: IFCH-UFRGS, 2008. p. 1-10. Disponível em: https://bit.ly/2yPBrS0. Acesso em: 13 out. 2019.

ALVES-CEPÊDA, V. A nova direita no Brasil: contexto e matrizes conceituais. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 23, n. 2, p. 40-74, 2018.

ALVIM, M. Quem são e o que pensam os brasileiros que acreditam que a Terra é plana. BBC Brasil, São Paulo, 16 set. 2017. News Brasil. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-41261724. Acesso em: 10 out. 2019.

ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Governo eleito de extrema-direita tende a mirar “inimigo simbólico” e a criminalizar movimentos sociais, aponta debate de 6/11. São Paulo: Adusp, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2M9N2Oy. Acesso em: 10 ago. 2019.

BARRETO LIMA, M. M. Novo fascismo; conhecida política. Jornal GGN, São Paulo, 17 fev. 2020. Artigos. Disponível em: https://jornalggn.com.br/artigos/novo-fascismo-conhecida-politica-por-martonio-montalverne-barreto-lima/. Acesso em: 2 maio 2020.

BAUMAN, Z. A modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEINSTEIN, J. Neofascismo e decadência: o planeta burguês à deriva. Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB). Florianópolis: Instituto de Estudos Latino-Americanos –IELA: Universidade Federal de Santa Catarina –UFSC, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2yJqZeA. Acesso em: 10 ago. 2019.

BOITO JÚNIOR, A. O neofascismo já é realidade no Brasil. Brasil de Fato, São Paulo, 19 mar. 2019. Opinião. Artigo. Disponível em: https://bit.ly/2XLHqQ0. Acesso em: 2 maio 2020.

BOLSONARO: guia para o esclarecimento político sem fake news. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2ZLHguN. Acesso em: 23 set. 2019.

BORTONE, E. A. Frações do empresariado em campanha pró-bolsonaro. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2019, Niterói, RJ. Anais [...]. Niterói: Universidade Federal Fluminense: NIEP-Marx, 2019. MC19-58. Disponível em: https://bit.ly/2ZQq6fC. Acesso em: 10 ago. 2019.

BRAY, M. Antifa: o manual antifascista. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.

BRITO, R. Q.; SOUSA, J. R.; SILVA, J. P. F. Fascismo e neofascismo: da tragédia à farsa tropical. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE TEORIA POLÍTICA DO SOCIALISMO, 8.; COLÓQUIO INTERNACIONAL GRAMSCI, 2., 2019, Marilia, SP. Anais [...]. Marilia: UNESP, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3cafSsQ. Acesso em: 2 maio 2020.

BULL, A. C. Neo-fascism. In: BOSWORTH, R. J. B. (ed.). The oxford handbook of fascism. New York: Oxford University Press, 2012. Doi: 10.1093/oxfordhb/9780199594788.013.0032.

CALDEIRA-NETO, O. Frente nacionalista, neofascismo e “novas direitas” no Brasil. Faces de Clio, Juiz de Fora, v. 2, p. 20-36, 2016.

CALIL, G. Dez notas iniciais depois da eleição de Bolsonaro. Esquerda Online, Rio de Janeiro, 29 out. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2Ane9mC /. Acesso em: 2 maio 2020.

CARNEIRO, H. S. Introdução: as raízes do neofascismo no século XXI. In: TROTSKY, L. Como esmagar o fascismo. São Paulo: Autonomia Libertária, 2018.

CASTRO, R. F. Frente única antifascista: manifesto de fundação (2 de julho de 1933). Marx e o Marxismo, Niterói, v. 3, p. 333-338, 2016.

CECCON, R. F.; MENEGHEL, S. N. Fascismo de gênero: controle, opressão e exclusão de mulheres. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 19, n. 46, p. 449-458, 2019.

COCCO, G. Entre cinismo e fascismo: depois de junho de 2013, narrativas e constituição. Rio de Janeiro: Autografia, 2019. v. 1.

COUTINHO, C. N. O estruturalismo e miséria da razão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

CRUZ, N. R. A modernidade e a pós-modernidade como gênese do fascismo: o caso dos velhos e novos integralistas brasileiros. Outros Tempos, São Luiz, v. 13, n. 22, p. 26-48, 2016.

DEMIER, F. A. Quando a burguesia opta pela força: considerações de Trotsky sobre bonapartismo e fascismo. Esquerda Online, Rio de Janeiro, 26 set. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2Xg8wj6. Acesso em: 2 maio 2020.

DIAS, B.; DELUCHEY, J-F. Contra o fascismo, ocupar a República. Justificando: Mentes inquietas pensam Direito, São Paulo, 13 dez. 2016. Artigos. Disponível em: https://bit.ly/2ZOCpsF. Acesso em: 2 maio 2020.

DORNELLES, J. R. W. Direitos humanos em tempos sombrios: barbárie, autoritarismo e fascismo do século XXI. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Marília, v. 5 n. 2, p. 153-168, 2017.

EVANGELISTA, J. E. Crise do marxismo e irracionalismo pós-moderno. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

FONSECA, F.; NEBOT, C. P. Las expresiones de la derecha en Brasil y en España: conservadurismo, neoliberalismo y fascismo. Oxímora: Revista Internacional de Ética y Política, Barcelona, v. 16, p. 63-84, 2019.

FONTES, V. O núcleo central do governo Bolsonaro: o proto-fascismo. Esquerda Online, Rio de Janeiro, RJ, 28 jan. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3gAF2UZ. Acesso em: 2 maio 2020.

GALEÃO-SILVA, L. G. Adesão ao fascismo e preconceito sutil contra negros: um estudo com universitários na cidade de São Paulo. Revista Gestão & Políticas Públicas, Guarulhos, v. 6, n. 1, p. 1-19, 2016.

GENTILE, F. O fascismo como modelo: incorporação da ‘carta del lavoro’ na via brasileira para o corporativismo autoritário da década de 1930. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 19, p. 84-101, 2014.

GENTILI, P. Brasil en el abismo del fascismo. El gobierno del miedo. El País, Rio de Janeiro, 8 out. 2018. Disponível em: https://elpais.com/elpais/2018/10/08/contrapuntos/1538983816_661454.html. Contrapuntos. Acesso em: 2 maio 2020.

GOUVEA, M. M. O perigo do fascismo no Brasil e as tarefas da esquerda. Nuestra América XXI: Crisis y Economía Mundial, Ciudad de Buenos Aires, p. 9 – 12, nov. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2XKFSFR. Acesso em: 2 maio 2020.

GRIFFIN, R. Fascism. Massachussets: Polity Press, 2018.

GRIFFIN, R. Studying fascism in a postfascist age. From new consensus to new wave? Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies, Oxford, v. 1, p. 1-17, 2012.

HARNECKER, M. Estratégia e tática. São Paulo: expressão popular. 2012.

HOEVELER, R. C. O Conselho das Américas e as eleições de 2018 no Brasil. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2019, Niterói, RJ. Anais [...]. Niterói: Universidade Federal Fluminense: NIEP-Marx, 2019. MC19-57. Disponível em: https://bit.ly/2TQWmv8. Acesso em: 10 ago. 2019.

IPAR, E. Neoliberalismo y neoautoritarismo. Política y Sociedad, Madrid, v. 55, n. 3, p. 825-84, 2018.

KALLIS, A. When fascism became mainstream: the challenge of extremism in times of crisis. Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies, Oxford, v. 4, p. 1-24, 2015.

KNÖBEL, W. Reconfigurações da teoria social após a hegemonia ocidental. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 30, n. 8, p. 5-18, 2015.

KONDER, L. Introdução ao fascismo. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

KROES, R. Signs of fascism rising. Society, Wellesley, v. 54, n. 3, p. 218-225, 2017.

LEMOS, F. C. S.; REIS JÚNIOR, L. P. Algumas contribuições de Deleuze para pensar a sociedade de controle e o microfascismo. Poiesis: Revista de Filosofia, Montes Claros, v. 13, n. 1, p. 72-79, 2016.

MARQUES, R. M. Brasil: Direita volver! Revista da Sociedade Brasileira Economia Política, São Paulo, v. 52, p. 10-38, 2019.

MARTINEZ, V. C. O bolsonarismo é fascista. Jus Navigandi, São Paulo, v. 1, p. 1, 2020.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: livro 1: o processo de produção do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

MATTOS, M. B. Mais que uma analogia: análises clássicas sobre o fascismo histórico e o Brasil de Bolsonaro. In: DEMIER, F.; CISLAGHI, J. F. (org.). O neofascismo no poder (ano I): análises críticas sobre o governo Bolsonaro. Rio de Janeiro: Consequência, 2019. p. 17-45.

MAYNARD, D. C. S. História, neofascismos e intolerância: reflexões sobre o tempo presente. São Paulo: Luminária Academia, 2012.

MAYOS, G. El problema sujeto-objeto en Descartes, prisma de la modernidad. Pensamiento: Revista de Investigación e Información Filosófica, Madrid, v. 49, n. 195, p. 371-390, 1993.

MELO, D. B. As reflexões de Gramsci sobre o fascismo e o estudo da direita contemporânea: notas de pesquisa. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2017, Niterói, RJ. Anais [...]. Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense: NIEP-Marx, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3eoIqQW. Acesso em: 2 maio 2020.

MELO, D. Bolsonaro, fascismo e neofascismo. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2019, Niterói, RJ. Anais [...]. Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense: NIEP-Marx, 2019. MC19-56. Disponível em: https://bit.ly/2ZKpxns. Acesso em: 10 ago. 2019.

MENDONÇA, S. R. A atualidade - quase sempre omitida - do marxismo: reflexões sobre história e interdisciplinaridade. Trabalho Necessário, Niterói, v. 2, n. 2, p. 1-13, 2004.

MIGUEL, L. F. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero”: Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

MORAES, R. C. C. Neoliberalismo e neofascismo és lo mismo pero no és igual? Crítica Marxista, São Carlos, v. 1, t. 7, p. 121-126, 1998.

MORAES, W. Pra quem sabe ler, um pingo é letra. Le Monde Diplomatique (Brasil), São Paulo, 23 out. 2018. Acervo Online/Brasil. Disponível em: https://bit.ly/3ch47B0. Acesso em: 2 maio 2020.

MOURA, F. A “ideologia de gênero” e a guerra cultural do bolsonarismo. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2019, Niterói, RJ. Anais [...]. Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense: NIEP-Marx, 2019. MC19-59. Disponível em: https://bit.ly/36GVfU0. Acesso em: 10 ago. 2019.

MUNHOZ, S. J. Imperialismo e anti-imperialismo, comunismo e anticomunismo durante a Guerra Fria. Esboços: Histórias em Contextos Globais, Florianóplis, v. 23, n. 36, p. 452-469, 2016.

OLIVEIRA, P. C. As origens e o desenvolvimento do Hate Rock: uma breve história política dos neofascismos por meio de sua música. Boletim Historiar, Florianópolis, n. 19, p. 66-83, abr./jun. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2MdxqKe. Acesso em: 10 ago. 2019.

PACHUKANIS, E. B. Teoria geral do direito e marxismo. São Paulo: Boitempo, 2017.

PAXTON, R. O. The anatomy of fascism. New York, NY: Penguin Books, 2005.

PEREIRA, G. O. Algumas considerações sobre as pesquisas: o fascismo como tendência do capital-imperialista na sua fase de financeirização. Esquerda Online, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://bit.ly/36HOKjF. Acesso em: 2 maio 2020.

POGGI, T. Faces do extremo: uma análise do neofascismo nos Estados Unidos da América (1970-2010). 2012. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

POSTONE, M. Historia e indefensión: movilización de masas y formas contemporáneas de anticapitalismo. Encrucijadas: Revista Crítica de Ciencias Sociales, Salamanca, n. 10, p. 1-23, 2015.

POULANTZAS, N. Fascismo e ditadura. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

REBUÁ, E. Ensaio sobre a fascistização à brasileira: entre conformismo e experiência. Revista Poder & Cultura, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 106-129, 2019.

ROBERTS, M. The long depression: how it happened, why it happened, and what happens next. Chicago: Haymarket Books, 2016.

RODRIGUES, B. J. Paradigmas nacionalistas e concepções acerca da educação no Brasil: cientificismo, nacionalismo e ciências normativas para a ordem e o progresso. Crítica Educativa, São Carlos, v. 4, n. 2, p. 92-104, 2018.

ROSA, H. Aceleração: a transformação das estruturas temporais na modernidade. São Paulo: Unesp, 2019.

SACCOMANI, E. Fascismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. Brasília: UnB, 2016. p. 466-475.

SAITA, H. S.; PINA, P. C. Os movimentos antivacinais e a recusa das vacinas: uma revisão integrativa. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Centro Universitário São Lucas, Porto Velho, 2019. Disponível em: encurtador.com.br/zMV09. Acesso em: 10 ago. 2019.

SALES, D. W. M.; ROCHA, J. A. Fascismo de Estado e microfascismos. Revista Ideação, Feira de Santana, BA, v. 1, n. 39, p. 243-259, 2019.

SCARTEZINI, N. A fascistização da indignação: as manifestações de 2015 no Brasil. Cadernos de Campo, Marília, v. 20, p. 183-206, 2016.

SCHLESENER, A. H.; MEZAROBBA, G.; ALMEIDA, T. G. Reflexões sobre o fascismo e a violência no Brasil: a situação das classes trabalhadoras no momento de crise orgânica do capital. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 11, n. 2, p. 25-35, 2019.

SEMERARO, G. La restaurazione in Brasile: un fascismo neoliberista. Critica Marxista, Roma, v. 1, p. 31-41, 2019.

SILVA, M. R.; PIRES, G. L.; PEREIRA, R. S. Cães danados do fascismo, neoliberalismo e as questões sociais: os rastros de lama do Estado pós-democrático. Motrivivência, Aracaju, SE, v. 31, n. 57, p. 1-16, 2018.

SPAGNOLO, C. Fascismo. In: LIGUIORI, G.; VOZA, P. Dicionário Gramsciano (1926-1937). São Paulo: Boitempo, 2017.

TIBURI, M. Como conversar com um fascista: reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro. São Paulo: Record, 2015.

TOMI?, ?. On the ‘right’ side? The radical right in the Post-Yugoslav area and the Serbian case. Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies, Oxford, v. 2, p. 94-114, 2013.

VANDERLEY, L. G. Do cinismo ao fascismo: o gozo. Psicologias em Reflexão, Fortaleza, v. 1, p. 83, 2017.

VIANNA, M. A. G. Aspectos do fascismo no século XX. Perseu: História, Memória e Política, Rio de Janeiro, v. 16, p. 82-97, 2018.

WOLFF, E. C. Casa Pound Italia: ‘back to believing: the struggle continues’. Fascism: Journal of Comparative Fascist Studies, Oxford, v. 8, p. 61-88, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p81

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar