Divórcio dos pais: sentimentos e percepções das crianças

Camila Dias de Abreu, Liniker Douglas Lopes da Silva, Luciana Maria da Silva

Resumo


Nas últimas décadas têm-se observado o surgimento de novas configurações familiares, principalmente no início do século XXI, com reconhecimento da união estável, do divórcio e, consequentemente, o surgimento de famílias reconstituídas. Contudo, os processos de divórcios e/ou dissoluções conjugais acarretam consequências para o ex-casal e também para os filhos. Neste sentido, este estudo empírico e de abordagem qualitativa objetivou analisar as percepções e sentimentos das crianças acerca do divórcio dos pais, expressos por meio da construção de objetos lúdicos, durante o desenvolvimento de cinco “Oficinas de Crianças”, do projeto de extensão “Oficinas de Parentalidade”, em que participaram 22 crianças.Verificou-se que o brincar e os brinquedos auxiliaram na possível elaboração de sentimentos como raiva, medo de abandono e culpa, além de constatar as principais consequências advindas do divórcio e estratégias de enfrentamento utilizadas por estas crianças. Notou-se também que a “Oficina de Crianças” se revelou como um espaço acolhedor e fortalecido para a possível elaboração de tais vivências.

Palavras-chave


Parentalidade; Criança; Divórcio; Brinquedo. Psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, T.; SILVA, S. S. D. C., PONTES, F. A. R.; KOLLER, S. H. O uso do diário de campo na inserção ecológica em uma família de uma comunidade ribeirinha amazônica. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 131-141, 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n1p131.

ARPINI, D. M.; CÚNICO, S. D.; ALVES, A. P. Paternidade: o ponto de vista de profissionais que atuam em varas de família. Pensando Famílias, Porto Alegre, v. 20 n. 1 p. 29-42, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2TbWSna. Acesso em: 13 out. 2019.

AZAMBUJA, M. R. F.; LARRATÉA, R. V.; FILIPOUSKI, G. R. Guarda compartilhada: a justiça pode ajudar os filhos a ter pai e mãe? In: SOUZA, I. M. C. C. (coord.). Parentalidade: análise psicojurídica. Curitiba: Juruá, 2009. p. 69-99.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BORDONI, J. D. A.; TONET, L. As oficinas de pais e filhos como instrumento para coibir a alienação parental. Themis: Revista da Esmec, Fortaleza, v. 14, p. 105-129, 2016. Disponível em: https://bit.ly/363deDS. Acesso em: 2 out. 2018.

BRAGA, J. C. O.; FUKS, B. B. Indenização por abandono afetivo: a judicialização do afeto. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 303-321, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3dS0C52. Acesso em: 2 out. 2018.

BRITO, L. M. T. Família pós-divórcio: a visão dos filhos. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 27, n. 1, p. 32-45, 2007. Disponível em: https://bit.ly/3cBFCQ0. Acesso em: 2 out. 2018.

CLARKE, J. O melhor dos dois ninhos. Blumenau: Todolivro, 2012.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Oficina de pais e filhos: cartilha do instrutor. Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2WDLbYD. Acesso em: 2 out. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Turminha do Enzo: meus pais não moram mais juntos. E agora? Brasília: CNJ, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3cEpD3C. Acesso em: 2 out. 2018.

COSTA, D. A. O.; GOMES, F. J. D. O afeto nas relações de pais e filhos e suas consequências em caso de omissão na vida de um filho. ETIC: Encontro de Iniciação Científica, Presidente Prudente, v. 13, n. 13, p. 15-17, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2WBfDlV. Acesso em: 2 out. 2018.

COSTA, T. Psicanálise com crianças. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CRUZ, D. C. M.; SANTANA, E. C.; BARBOSA, L. P.; SILVA, S. Q. C.;SILVA, S. R. S.; BARBOSA, V. L. Divórcio dos pais: até que ponto isso interfere negativamente nos filhos que estão em fase de desenvolvimento. Cadernos de Graduação: Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1, n. 17, p. 129-134, 2013. Disponível em: https://bit.ly/2y5sCTw. Acesso em: 2 out. 2018.

FÉRES-CARNEIRO, T.; MAGALHÃES, A. S. A parentalidade nas múltiplas configurações familiares contemporâneas. In: MOREIRA, L. V. C.; RABINOVICH, E. P. (org.). Família e parentalidade: olhares da psicologia e da história. Curitiba: Juruá, 2011. p. 117-134.

FERREIRA, L. J. C. A alienação parental e as consequências sociais e jurídicas para as crianças e os adolescentes. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade Tiradentes, Aracaju, 2015.

GOLDSMID, R.; FÉRES-CARNEIRO, T. Relação fraterna: constituição do sujeito e formação do laço social. Psicologia USP, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 771-788, 2011. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642011005000031.

GRIGORIEFF, A. G.; NÜSKE, J. P. F. Convivência parental: a qualidade das vivências primordiais na constituição psíquica. Diaphora: Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 8-12, 2015. Disponível em: https://bit.ly/365D5Ld. Acesso em: 2 out. 2018.

KLEIN, M. A psicanálise de crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J. B. L. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

LEITE, D. E. M.; OLIVEIRA NETA, M. R. Síndrome da alienação parental-SAP: o resultado de uma guerra familiar. Direito & Realidade, Monte Carmelo, v. 4, n. 2, p. 46-71, 2016. Disponível em: https://bit.ly/365Ya8p. Acesso em: 13 out. 2019.

OLIVEIRA, J. L. A. P.; CREPALDI, M. A. Relação entre o pai e os filhos após o divórcio: revisão integrativa da literatura. Actualidades en Psicología, Lisboa, v. 32, n. 124, p. 91-109. 2018. Doi: https://doi.org/10.15517/ap.v32i124.29021

PEREIRA, M. C.; LIRA, P. P. B.; PEDROSA, M. I. Observando brincadeiras e conversando com crianças sobre família. In: MOREIRA, L. V. C.; RABINOVICH; E. P. (org.). Família e parentalidade: olhares da psicologia e da história. Curitiba: Juruá, 2011. p. 41-62.

SANTOS, E. P.; CRUZ, D. C. M.; SANTANA, E. C. de; BARBOSA, L. P.; CRUZ SILVA, S. Q. da; SILVA, S. R. S.; BARBOSA, V. L. Divórcio dos pais: até que ponto isso interfere negativamente nos filhos que estão em fase de desenvolvimento. Caderno de Graduação: Ciências Humanas e Sociais-UNIT, Aracaju, v. 1, n. 3, p. 124-134, 2013.

SANTOS, M. M. S. Os efeitos do divórcio na família com filhos pequenos. 2013. https://bit.ly/3cF1idQ. Disponível em: Acesso em: 13 out. 2019.

SANTOS, M. R. R. O sofrimento da criança na vivência da disputa de guarda no contexto da justiça. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, v. 48, n. 1, p. 25-37, 2014. Doi: http://dx.doi.org/10.14195/1647-8614_48-1_2.

SCHNEEBELI, F. C. F.; MENANDRO, M. C. S. Com quem as crianças ficarão? Representações sociais da guarda dos filhos após a separação conjugal. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 175-184, 2014.

SILVA, A. H.; FOSSÁ, M. I. T. Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualit@s Revista Eletrônica, Campina Grande, v. 16, n. 1 p. 1-14, 2015.

Disponível em: https://bit.ly/2LAZxmg. Acesso em: 2 out. 2018.

SILVA, D. F. A criança fala ao brincar. In: CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE DA SERRA GAÚCHA, 3., 2015, Caxias do Sul. Anais [...]. Caxias do Sul: Faculdade da Serra Gaúcha, 2015. v. 3, n. 3, p. 1057-1066. Disponível em: https://bit.ly/2WA7JcB. Acesso em: 2 out. 2018.

SILVA, L. M.; SOUZA ARAGÃO, A.; MORAIS SILVA, L. C.C.; JULIÃO, C. H.; DE LAVOR, M. D. D.; OLIVEIRA CHAGAS, L. M.; GOMES, L. C. S. Oficinas de parentalidade. Participação, Brasília, n. 27, p. 18-26, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3dShGYS. Acesso em: 2 out. 2018.

SOUSA, P. A.; ANDRADE, E. P.; ANDRADE, E. P. O brincar na perícia judicial: entre o não-dito e o melhor interesse da criança. ENCONTRO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 9., 2016, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Universidade Tiradentes, 2016. v. 9, p. 1-10. Disponível em: https://bit.ly/2WCkF1F. Acesso em: 2 out. 2018.

SOUZA, A. S. L. Existe um lugar para os pais reais: reflexões sobre o lugar dos pais e do analista real na psicanálise de orientação kleiniana. Estilos da Clinica, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 278-289, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2ZbN3cG. Acesso em: 2 out. 2018.

SOUZA, A. S. L. Melanie Klein e o brincar levado a sério: rumo à possibilidade de análise com crianças. In: GUELLER, A. S.; SOUZA, A. S. L. (org.). Psicanálise com crianças: perspectivas teórico-clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. p. 123-134.

SOUZA, A. S. L. Reflexões sobre a transferência na análise de crianças: o enfoque Kleiniano. In: GULLER, A. S.; SOUZA, A. S. L. (org.). Psicanálise com crianças: perspectivas teórico-clínicas. 2. ed. São Paulo https://bit.ly/2WBfDlV: Casa do Psicólogo, 2008. p. 189-200.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p19

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar