Medicalização da infância e psicanálise: o caso TDAH

Ana Karina Barbosa Moura, Bruna D´Arezzo Pessente Gallucci, Maria Fernanda Assis Ribas, Érico Bruno Viana Campos

Resumo


O presente ensaio teórico, em caráter de revisão narrativa de literatura, visa caracterizar o escopo das discussões sobre a medicalização da infância no campo da atenção à saúde em transtornos de déficit de atenção e hiperatividade no âmbito da abordagem psicanalítica. Parte da caracterização do fenômeno da medicalização do social e da infância em articulação com os desenvolvimentos na psicopatologia psiquiátrica a partir da consolidação do modelo sindrômico e organicista baseado em evidências epidemiológicas para tecer um contraponto crítico a partir da psicopatologia psicanalítica. Apresenta as principais hipóteses sobre a especificidade desse tipo de sintomatologia, indicando um mecanismo de falha de simbolização que não está necessariamente ligado a uma estrutura clínica específica. Discute também a incidência de fatores socioculturais da atualidade na produção e sustentação desse tipo de saída para os conflitos emocionais das crianças. Conclui pela reafirmação de uma posição de singularização e colocação em perspectiva histórica o sofrimento do sujeito como condição para o trabalho de escuta desses casos.

Palavras-chave


Psicopatologia; Psicanálise; Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade; Revisão de Literatura; Infância

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, A. A psiquiatria no divã: entre as ciências da vida e a medicalização da existência. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004.

AZEVEDO, L. J. C. Medicalização das infâncias. Psicologia USP, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 451-458, 2018.

BARBOSA, A. K. Era uma vez no encontro com crianças agitadas: o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade diagnóstico e medicação. 2008. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, SP, Assis, 2008.

BERCHERIE, P. A clínica psiquiátrica da criança: estudo histórico. In: CIRINO, O. Psicanálise e psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 129-144.

BIRMAN, J. A biopolítica na genealogia da psicanálise: da salvação à cura. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v. 14, n. 2, p. 529-548, abr./jun. 2007.

BLEICHMAR, S. Clínica psicanalítica e neogênese. São Paulo: Annablume, 2005.

BLEICHMAR, S. Nas origens do sujeito psíquico: do mito à história. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

BOCCHI, J. C. A toca do coelho da semiologia psiquiátrica: o problema das classificações dentro da classificação. In: CAMPOS, E. B. V.; CARRIJO, C. (org.). Psicanálise e questões da contemporaneidade. Curitiba: CRV: Cultura Acadêmica, 2014. v. 2, p. 11-20.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso de medicamentos e medicalização da vida: recomendações e estratégias. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

CAMPOS, E. B. V. A posição singular da psicanálise no campo dos saberes e práticas psicológicas. In: FERREIRA, A. A. L. (org.). A pluralidade do campo psicológico: principais abordagens e objetos de estudo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2010. p. 143-179.

CAMPOS, É. B. V. Uma perspectiva psicanalítica sobre as depressões na atualidade. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 7, n. 2, p. 22-44, 2016.

CAPONI, S. O DSM-V como dispositivo de segurança. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 741-763, 2014.

CARRIJO, C. A medicalização na infância como sintoma do mal-estar da pós-modernidade. In: CAMPOS, E. B. V.; CARRIJO, C. (org.). Psicanálise e questões da contemporaneidade. Curitiba: CRV: Cultura Acadêmica, 2014. v. 2, p. 21-30.

CASTRO, E. O. Psicanálise e saúde mental. In: CAMPOS, E. B. V.; CARRIJO, C. (org.). Psicanálise e questões da contemporaneidade. Curitiba: CRV: Cultura Acadêmica, 2014. v. 2, p. 115-120.

CHERLAND, E.; FITZPATRICK, R. Psychotic side effects of psychostimulants: a 5-year review. Canadian Journal of Psychiatry, Ottawa, v. 44, n. 8, p. 811-3, 1999.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO; GRUPO INTERINSTITUCIONAL DE QUEIXA ESCOLAR (Org.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

CORIAT, E. H. Os negros efeitos do DSM-IV. In: JERUSALINSKY, A.; FENDRIK, S. (org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Via Lettera, 2011. p. 165-174.

COUTO, D. P.; CASTRO, J. E. Da higiene mental à higiene química: contribuições para um contraponto entre a criança tomada como objeto pelo higienismo e como sujeito de sua verdade pela psicanálise. Cadernos de Psicanálise, Rio de Janeiro, v. 37, n. 32, p. 135-133, jan./jun., 2015.

CRUZ, M. G. A.; OKAMOTO, M. Y.; FERRAZZA, D. A. O caso Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação: uma análise a partir do relato de pais e professores. Interface: Comunicaçao, Saúde, Educação, Botucatu, v. 20, n. 58, p. 703-714, set. 2016.

CUNHA, J. A. P.; MELLO, L. M. L. Medicação/medicalização na infância e suas possíveis consequências. Pretextos: Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, Belo Horizonte, v. 2, n. 4, jul./dez., 2017.

DELBELLO, M. P.; SOUTULLO, C. A.; HENDRICKS, W.; NIEMEIER, R. T.; MCELROY, S. L.; STRAKOWSKI, S. M. Prior stimulant treatment in adolescents with bipolar disorder: association with age of onset. Bipolar Disorders, Pittsburgh, v. 3, n. 1, p. 53-71, 2001.

DUNKER, C. I. L. Estrutura e constituição da clínica psicanalítica: uma arqueologia das práticas de cura, psicoterapia e tratamento. São Paulo: AnnaBlume, 2011.

DUNKER, C. I. L. O cálculo neurótico do gozo. São Paulo: Escuta, 2002.

EDINGTON, V. L. T. A medicalização na infância: uma leitura psicanalítica. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

ESPERANZA, G. Medicalizar a vida. In: JERUSALINSKY, A.; FENDRIK, S. (org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Via Lettera, 2011. p. 53-61.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2001.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

FREITAS, F.; AMARANTE, P. Medicalização em psiquiatria. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2017.

FREUD, S. As neuropsicoses de defesa. In: FREUD, S. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 3.

FREUD, S. Projeto para uma psicologia. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

JANIN, B. El sufrimiento psíquico em los ninõs: psicopatología infantil y constitución subjetiva. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2011.

JANIN, B. Ninõs desatentos e hiperactivos, ADD-ADHD: reflexiones críticas acerca del transtorno por déficit de atención com o sin hiperactividad. 2. ed. Buenos Aires: Centro de Publicaciones Educativas y Material Didáctico, 2007.

JERUSALINSKY, A. Gotinhas e comprimidos para crianças sem história: uma psicopatologia pós-moderna para a infância. In: JERUSALINSKY, A.; FENDRIK, S. (org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Via Lettera, 2011. p. 231-244.

KAMERS, M. A falsa epidemia do TDAH e os impasses no uso da metodologia DSM na infância. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 516-527, ago. 2016.

LIMA, R. C. Somos todos desatentos? O TDA/H e a construção das bioidentidades. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2005.

MAIA, A. B.; MEDEIROS, C. P.; FONTES, F. O conceito de sintoma na psicanálise: uma introdução. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 44-61, 2012.

MOYSÉS, M. A. A institucionalização invisível: crianças-que-não-aprendem-na escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2001.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. A história não contada dos distúrbios de aprendizagem. In: ALMEIDA, M. J. O sucesso escolar: um desafio pedagógico. Cadernos Cedes, Campinas, n. 28, p. 31-48, 1992.

PATEL, V.; SAXENA, S.; LUND, C.; THORNICROFT, G.; BAINGANA, F.; BOLTON, P.; HERRMAN, H. The Lancet Commission on global mental health and sustainable development. The Lancet, London, v. 392, n. 10157, p. 1553-1598, 2018.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

ROSA, M. D. A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta/FAPESP, 2016.

RUSSO, J.; VENÂNCIO, A. T. A. Classificando as pessoas e suas perturbações: a “revolução terminológica” do DSM III. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 460-483, set. 2016.

SANCHES, V. N. L.; AMARANTE, P. D. C. Estudo sobre o processo de medicalização de crianças no campo da saúde mental. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 102, p. 506-514, jul./set. 2014.

TESSER, C. D. Medicalização social (I): o excessivo sucesso do epistemicídio moderno na saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 10, n. 19, p. 61-76, jan./jun. 2006.

WHITAKER, R. Anatomia de uma epidemia: pílulas mágicas, drogas psiquiátricas e o aumento assombroso da doença mental. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2017.

WINNICOTT, D. W. Tolerância ao sintoma em pediatria: relato de um caso. In: WINNICOTT, D. W. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Editora Imago, 2000. p.168-188.

ZIMMERMANN, V. B. O “Transtorno” na constituição psíquica e suas implicações na clínica com crianças. Boletim Formação em Psicanálise, São Paulo, ano 15, v. 15, p. 57-70, 2007. Edição especial.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p5

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar