A volta do filho pródigo: um entendimento sobre a teoria da Psicologia Analítica

Lila de Fátima de Carvalho Ramos, Sônia Maria Bufarah Tommasi

Resumo


Este estudo tem por objetivo identificar alguns conceitos básicos da Psicologia Analítica na pintura de Rembrandt, inspirada na parábola “O filho pródigo”, retirada da Bíblia – Evangelho de Lucas, capítulo XV, versículos 1-32. Consideraram-se os preceitos da Psicologia Analítica sobre individuação, consciente, inconsciente pessoal, coletivo, anima, animus, self, persona, símbolos, complexos, complexo paterno, processo de individuação, arquétipos e sua correlação com a expressão artística religiosa. A metodologia consistiu em uma revisão bibliográfica nos sites do portal CAPES e Scielo dos últimos cinco anos, artigos, livros da abordagem da psicologia analítica. Em síntese, ficou reiterado que há contribuição das artes no processo da Psicologia Analítica, pois tanto a Parábola do Filho Pródigo quanto a pintura de Rembrandt ilustram a codificação simbólica no processo de individuação do homem. Desse modo, compreendeu-se que o ser humano é um conjunto em transição contínua, em processo de aprimoramento incessante sob todos os aspectos considerados (filosóficos, sociológicos, espirituais, éticos, morais). Assim, nesse processo ininterrupto de transformação, surgem complexidades nas quais alguns conflitos desaparecem e outros permanecem na sua história antropológica, ancestral, como perspectivas de apreensão, conquistas que devem ser logradas.

Palavras-chave


O filho pródigo; Rembrandt; Psicologia Analítica; Complexo paterno.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, R. Jesus: o homem mais amado da História. Rio de Janeiro: LeYa, 2018.

BARCELLOS, G. O irmão: psicologia do arquétipo fraterno. Petrópolis: Vozes, 2009.

BATISTA, R. S. Sobre Carl G. Jung. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 3, p. 409-412, 2014.

BÍBLIA. Bíblia sagrada. Disponível em: https://bibliaonline.com.br/acf/lc/15. Acesso em: 16 jul. 2018.

BULL, D. et al. Rembrandt-Caravaggio. Amsterdam: Rijksmuseum, 2006.

CAVALCANTE, R. O casamento do Sol com a Lua. São Paulo: Círculo do Livro, 1992.

CAVALCANTE, R. O mundo do pai: mitos, símbolos e arquétipos. São Paulo: Cultrix, 1995.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionários de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

DRIESSEN, C. Rembrandts vrouwen. Amsterdam: Bert Bakker, 2012.

DUARTE, A. J. O. Ecologia da alma: a natureza na obra científica de Carl Gustav Jung. Junguiana, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 5-19, 2017.

GEWEHR, R. B. Entre filosofia e ciência: o problema do naturalismo na psicologia de Carl G. Jung. Psicologia USP, São Paulo, v. 30, p. 1-12, 2019.

HOLLIS, J. Sob a sombra de Saturno a ferida e a cura dos homens. São Paulo: Paulus, 1997.

HUISMAN, D. Dicionário de filósofos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

JUNG, C. G. A natureza da psique. Petrópolis: Vozes, 2013. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 8, pt. 2).

JUNG, C. G. Aion: estudo sobre o simbolismo do si-mesmo. Petrópolis: Vozes, 2011a. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 9, pt 2).

JUNG, C. G. Civilização em transição. Petrópolis: Vozes, 2001. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 10, pt. 3).

JUNG, C. G. Espiritualidade e transcendência. Petrópolis: Vozes, 2011b.

JUNG, C. G. Memórias, sonhos e reflexões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

JUNG, C. G. O eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes, 2011c. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 7, pt. 2).

JUNG, C. G. O homem e seus símbolos. Petrópolis: Vozes, 2008a.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2003. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 9, pt. 1).

JUNG, C. G. Psicologia do inconsciente. Petrópolis: Vozes, 1999. (Obra Completa de C. G. Jung,, v. 7, pt. 1).

JUNG, C. G. Psicologia e religião. Petrópolis: Vozes, 2007. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 11, pt. 1).

JUNG, C. G. Símbolo da transformação. Petrópolis: Vozes, 2011d. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 11, pt. 3).

JUNG, C. G. Tipos psicológicos. Petrópolis: Vozes, 2008b. (Obra Completa de C. G. Jung, v. 6).

JUNG, C. G. Estudos sobre psicologia analítica. Petrópolis: Vozes, 1981.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

MIRANDA, P. O numinoso e a experiência religiosa na psicologia de Carl Jung. Diálogos Junguianos, Brasília, v. 3, n. 1, p. 12-35, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2WCpfwT. Acesso em: 9 jul. 2018.

OTTO, R. O sagrado: os aspectos irracionais na noção do divino e sua relação com o racional. São Paulo: Vozes, 2007.

PENNA, E. M. D. Processamento simbólico-arquetípico: pesquisa em psicologia analítica. São Paulo: EDUC: FAPESP, 2015.

PENNA, E. M. D. Um estudo sobre o método de investigação da psique na obra de C. G. Jung. 2003. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

PERES, L. M. V.; BARROS, R. M. K; ZANELLA, A. K. A imagem do arquétipo mestre-aprendiz que produziram marcas significativas: uma abordagem junguiana nas histórias de vida. Revista @mbienteeducação, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 72-87, 2019.

REMBRANDT, H. van R. The return of the prodigal son. [1662?]. Oil on canvas, 262 x 206 cm. Disponível em: https://bit.ly/2z1hoQo. Acesso em: 16 jul. 2018.

SILVA JÚNIOR, R. C. O conceito junguiano de símbolo desde seus primórdios. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SILVEIRA, N. Jung: vida e obra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

SLIVE, S. Dutch painting: 1600-1800. New Haven: Yale University Press, 1995.

STEIN, M. Jung: o mapa da alma. São Paulo: Cultrix, 2016.

SVETLANA, A. O projeto de Rembrandt. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TOMMASI, S. B.; SOARES, L. F. M. O herói nos mitos gregos. Rio de Janeiro: Wak, 2015.

WHITMONT, E. C. A busca dos símbolos: conceitos básicos de Psicologia Analítica. São Paulo: Cultrix, 1995.

XAVIER, M. O conceito de religiosidade em Carl G. Jung. Revista Psico, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 183-187, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p45

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar