Análise crítica do modelo BPSO-96 de QVT a partir da teoria da atividade de A. N. Leontiev

Flavia Pracidelli, João Henrique Rossler

Resumo


Este artigo, fruto de uma dissertação de mestrado cuja metodologia adotada foi a pesquisa teórico-bibliográfica, discute criticamente o que se convencionou denominar como Qualidade de Vida no Trabalho (QVT), a partir da teoria da atividade de A. N. Leontiev, tendo como objeto específico de análise o modelo Biopsicossocial e Organizacional (BPSO-96) de QVT. Para isso, revisa o conceito e a história da QVT, bem como apresenta uma síntese das críticas a ela já apontadas por diversos autores. Na sequência, define e analisa o modelo BPSO-96. O intuito é contribuir com os estudos críticos da QVT, demonstrando que se trata de uma estratégia de gestão cujo objetivo velado é o aumento da produtividade do trabalhador, por meio de métodos que manipulam objetiva e subjetivamente os motivos da atividade de trabalho e obscurecem em sua consciência seu sentido alienado. Dessa forma, este artigo visa contribuir para o processo de tomada de consciência dos reais objetivos e consequências dos programas de QVT para a classe trabalhadora, mostrando que, apesar de seu discurso pseudo-humanista, esta estratégia de gestão atende prioritariamente aos interesses de maior produtividade da organização.

Palavras-chave


Qualidade de vida no trabalho; Modelo BPSO-96; Teoria da atividade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2018v39n2p181

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar