Escutas na imagem e realce do grotesco pelo sublime em Laranja Mecânica

Wander Lourenço da Silva, Miguel Luiz Contani

Resumo


Este artigo analisa o resultado estético da relação entre os elementos imagéticos e sonoros do filme Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick. A fundamentação teórica provém dos conceitos das categorias estéticas tratadas por Sánches Vázquez, do conceito de feio de Umberto Eco, das categorias de sons e dos modos de escuta contemplados na Teoria Cinematográfica de Produção Sonora (Film Sound) proposta por Michel Chion, e das formulações da estética à luz da semiótica de C. S. Peirce. Conclui-se que o código sonoro contribui para realçar a ambiguidade presente na maior parte do filme, sobretudo nos momentos de aplicação da violência de estado e de sistema. Analisando algumas cenas segundo as escutas reduzida, causal, e semântica, pode-se afirmar que a música, ao agregar à cena elementos estéticos contrastantes aos imagéticos, produz uma sensação de realce do grotesco pela mistura de prazer e horror e, por vezes, pela presença do cômico.


Palavras-chave


Estética; Semiótica; Audiovisual; Comunicação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2013v34n1p87

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar