O habitus faz o monge - o Seminário de Olinda na encruzilhada pré-conciliar dos anos 1950 (esboço de estudo de caso)

Gilvando Sá Leitão Rios

Resumo


Um dos objetivos do artigo é autoanalisar, com uma complementação de fontes, uma experiência vivida nos anos 1950 no antigo Seminário de Olinda. Dita autoanálise sociológica (como estudo de memória) situa-se num nível meramente instrumental, na medida em que o objetivo principal do artigo é situar a instituição "seminário" no contexto histórico-cultural dos anos 1950 como período de transição, tanto histórica como cultural, não só no Brasil em termos de industrialização e urbanismo, como no mundo do pós-guerra de modo geral. O artigo destaca três traços na cultura do seminário tridentino que expressam uma oposição/diferenciação em relação ao mundo exterior: o cultivo do silêncio, o cultivo do latim e o cultivo do isolamento existencial via celibato. Referidos traços são analisados em função, sobretudo, do conceito de habitus de Bourdieu, como formatadores da pessoa social.

Palavras-chave


seminário católico, traços culturais, habitus, campo social

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2013v34n1p3

Semina, Ciênc. Soc. Hum.

email: seminahumanas@uel.br
E-ISSN: 1679-0383

DOI: 10.5433/1679-0383


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

SalvarSalvarSalvarSalvar