Soil catenas in a pilot sub-basin in the region of Itajubá, Minas Gerais state, Brazil, for environmental planning

Olívia de Lima, Eliane Guimarães Pereira Melloni, Rogério Melloni, Marcelo Ribeiro Barison, Nilton Curi

Abstract


Systemic studies that allow the environmental characterization of pilot sub-basins are essential to guide their management, which are the basis for adequate environmental planning. The José Pereira sub-basin has an area of approximately 40 km² and is located in the municipality of Itajubá, south of the state of Minas Gerais, Brazil. This area was chosen as a pilot sub-basin for this study because it holds an important forest remnant, the Serra dos Toledos Biological Reserve, and part of the urban area of the municipality in the process of expansion, as well as a rural area where inappropriate and intensive agricultural activities are practiced. In this scenario, this atudy examined the soil catenas of this sub-basin to serve as an important instrument of planning for this unit. Eight soil catenas distributed into three topo-morphological compartments were studied. According to the generated soil map, Haplic Cambisols occupy 26% of the sub-basin, in mountainous relief; Red and Red-Yellow Latosols, 6% of the area, predominating in the flat-to-undulating relief; Haplic Gleysols, 7% of the area, in the lowlands, in flat relief and at the footslope. Finally, Red and Red-Yellow Argisols were the predominant classes, occurring in almost 50% of the sub-basin, under undulating and strongly undulating reliefs. Based on the combined results, a model of local evolution of the sub-basin soils was proposed: the younger soils, Haplic Cambisol and Haplic Gleysol, occupy the positions of convex top and floodplain, respectively. In the upper and lower thirds of the landscape, the predominance of Red Argisol is related to constant renewal of soil material, preventing it from reaching the latosolic stage. In addition, part of these Argisols has a Bw horizon below Bt horizon in rugged relief. Moreover, in the landscape lower third, Latosols are present, even in areas with steep slope.

Keywords


Environmental characterization; Pedological map; Soil toposequences.

Full Text:

PDF

References


Alvarez, V. V. H., Novais, R. F., Barros, N. F., Cantarutti, R. B., & Lopes, A. S. (1999). Interpretação dos resultados das análises de solos. In A. C. Ribeiro, P. T. G., Guimarães, & V. H. Alvarez (Eds.), Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais (5ª aproximação, pp. 25-32). Viçosa, MG: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais.

Anjos, L. H. C., Fernandes, M. R., Pereira, M. G., & Franzmeier, D. P. (1998). Landscape and pedogenesis of an Oxisol-Inceptisol-Ultisol sequence in Southeastern Brazil. Soil Science Society of America Journal, 62(6), 1651-1658. doi: 10.2136/sssaj1998.03615995006200060024x

Bertrand, G., & Bertrand, C. (2007). Uma geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através do território e das temporalidades. Maringá: Massoni.

Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais (1999). Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais (5a aproximação). Viçosa, MG: CFSMG.

Costa, A. M., Curi, N., Menezes, M. D., Araújo, E. F., & Marques, J. J. (2009). Levantamento detalhado de solos da microbacia hidrográfica do Horto Florestal Terra Dura (RS) e considerações sobre escalas de mapeamento. Ciências e Agrotecnologia, 33(5), 1272-1279. doi: 10.1590/S1413-70542009000500011

Dalmolin, R. S. D., Klamt, E., Pedron, F. A., & Azevedo, A. C. (2004). Relação entre as características e o uso das informações de levantamentos de solos de diferentes escalas. Ciência Rural, 34(5), 1479-1486. doi: 10.1590/S0103-84782004000500023

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (1997). Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2018). Sistema brasileiro de classificação de solos (5a ed.). Brasília: EMBRAPA.

Figueiredo, M. A., Varajão, A. F. D. C., Fabris, J. D., Loutfi, I. S., & Carvalho, A. P. (2004). Alteração superficial e pedogeomorfológica no sul do complexo Bação - Quadrilátero Ferrífero (MG). Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28(4), 713-729. doi: 10.1590/S0100-06832004000400012

Flauzino, B., Melloni, E. G. P., Pons, N. A. D., & Lima, O. (2016). Mapeamento da capacidade de uso da terra como contribuição ao planejamento de uso do solo em sub-bacia hidrográfica piloto no sul de Minas Gerais. Geociências, 35(2), 277-287.

Fundação Estadual de Meio Ambiente (2010). Mapa de solos do Estado de Minas Gerais: legenda expandida. Belo Horizonte: Universidade Federal de Viçosa; Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais; Universidade Federal de Lavras; Fundação Estadual do Meio Ambiente.

Giasson, E., Inda, A. V., Jr., & Nascimento, P. C. (2006). Estimativa do benefício econômico potencial de dois levantamentos de solos no Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, 36(2), 478-486. doi: 10.15 90/S0103-84782006000200018

Guerra, A. J. T., & Cunha, S. B. (1995). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1971). Carta topográfica de Itajubá, SF23YB III-3. Escala 1:50.000. Belo Horizonte: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1992). Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE.

Lepsch, I. F. (2010). Formação e conservação dos solos. (2a ed.). São Paulo: Oficina de Textos.

Marques Neto, R. (2017). Meridional Mantiqueira horst: a proposal of morphostructural compartmentalization for its portion in Minas Gerais. Revista Brasileira de Geomorfologia, 18(3), 561-577. doi: 10.20502/rbg.v18i3.1118

Martins, E. S., Carvalho, O. A., Jr., Souza, V. V., Couto, A. F., Jr., Oliveira, S. N., Gomes, R. A. T., & Reatto, A. (2007). Relação solo-relevo em vertentes assimétricas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, RJ. Revista Brasileira de Geomorfologia, 8(1), 45-62. doi: 10.20502/rbg.v8i1.85

McLean, E. O. (1982). Soil pH and lime requeriment. In A. L. Page, R. H. Miller, & D. R. Keeney, Methods of soil analysis: chemical and microbiological properties (2nd ed., pp. 199-223). Madison: ASA.

Menezes, M. D., Curi, N., Marques, J. J., Mello, C. R., & Araújo, A. R. de. (2009). Levantamento pedológico e sistema de informações geográficas na avaliação do uso das terras em sub-bacia hidrográfica de Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, 33(6), 1544-1553. doi: 10.1590/S1413-70542 009000600013

Moniz, A. C., & Buol, S. W. (1982a). Formation of an Oxisol Ultisol transition in São Paulo, Brazil: I. Double water flow model of soil development. Soil Science of Journal American, 46(6), 1228-1233. doi: 10.2136/sssaj1982.03615995004600060022x

Moniz, A. C., & Buol, S. W. (1982b) Formation of an Oxisol Ultisol transition in São Paulo, Brazil: II Lateral dynamics of chemical weathering. Soil Science of Journal American, 46(6), 1234-1239. doi: 10. 2136/sssaj1982.03615995004600060023x

Moreira, R. (2019). A torre e o palimpsesto: Tricart e Ab’Saber olhados pelo olhar da totalidade homem-meio. Ciência Geográfica, 23(23), 7-16

Oliveira, J. B. (2008). Pedologia aplicada. Piracicaba: FEALQ.

Projeto Radam (1983). Projeto RADAM Volume 32. Folhas SF 23/24. Rio de Janeiro/Vitória. Rio de Janeiro: Ministério das Minas e Energia.

Resende, M., Curi, N., Rezende, S. B., Corrêa, G. F., & Ker, J. C. (2014). Pedologia: base para distinção de ambientes. (6a ed.). Lavras: Editora UFLA.

Santos, A. C., Pereira, M. G., Anjos, L. H. C., Bernini, T. A., Cooper, M., Nummer, A. R., & Francelino, M. R. (2010). Gênese e classificação de solos numa topossequência no ambiente de mar de morros do médio Vale do Paraíba do Sul, RJ. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 34(4), 1297-1314. doi: 10.15 90/S0100-06832010000400027

Santos, R. D., Lemos, R. C., Santos, H. G., Ker, J. C., & Anjos, L. H. (2005). Manual de descrição e coleta de solos no campo (5a ed.). Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.

Seibert, J., Stendahl, J., & Sorensen, R. (2007). Topographical influences on soil properties in boreal forests. Geoderma, 141(1-2), 139-148. doi: https://doi.org/10.1016/j.geoderma.2007.05.013

Serviço Geológico do Brasil (2008). Mapa geológico de Itajubá - SF.23-Y-B-III. Escala 1:100.000.2008. Recuperado de http://geosgb.cprm.gov.br/

Silva, C. R. (2008). Geodiversidade do Brasil. Serviço geológico do Brasil. Rio de Janeiro: CPRM.

Souza, R. V. C. C., Ribeiro, M. R., Souza, V. S., Jr., Corrêa, M. M., Almeida, M. C., Campos, M. C. C.,... Schulze, S. M. B. B. (2010). Caracterização de solos em uma topoclimossequência no Maciço de Triunfo - Sertão de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 34(4), 1259-1270. doi: 10.1590/ S0100-06832010000400024

Tricart, J. (1977). Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE.

Trouw, R. A. J., Nunes, R. P. M., Castro, E. M. O., Trouw, C. C., & Matos, G. C. (2008). Nota explicativa das folhas Varginha (SF.23-V-D-VI) e Itajubá (SF.23-Y-B-III). Programa geologia do Brasil. Minas Gerais: CPRM.

Vettori, L. (1969). Métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura Equipe de Pedologia e Fertilidade do Solo.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2021v42n3Supl1p1511

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional