Atividade ovicida e larvicida in vitro de taninos condensados em nematódeos gastrintestinais de ovinos (Ovis aries)

Eidi Yoshihara, Alessandro Pelegrine Minho, Sérgio Tosi Cardim, Victor Bittencourt Dutra Tabacow, Milton Hissashi Yamamura

Abstract


 

O parasitismo gastrintestinal em ovinos acarreta inúmeros prejuízos aos produtores rurais. O controle é realizado basicamente através da administração de anti-helmínticos sintéticos o que estimula a seleção de parasitas resistentes. O uso de plantas ricas em taninos condensados (TC) apresenta-se como uma alternativa promissora no controle de helmintos em ovinos, reduzindo o uso de produtos químicos. Esse estudo avaliou o efeito in vitro dos TC provenientes da acácia (Acacia mearnsii) sobre a eclosão de ovos e a motilidade de larvas de terceiro estágio de nematódeos gastrintestinais de ovinos. A taxa de eclosão foi avaliada após incubação com o extrato por um período de 48 h a 27 oC. A eclodibilidade foi avaliada nas concentrações de 0,09; 0,19; 0,39; 0,78; 1,56; 3,12; 6,25; 12,5; 25; 50 e 100 mg mL-1. No controle negativo utilizou-se água destilada. As inibições das eclosões foram 22,3; 32,3; 39,3; 49,1; 56,7; 59; 62,3; 77,3; 92,7; 98,3 e 100%, respectivamente. Para a inibição de 50% da eclosão de ovos (CL50) o valor foi de 2,85 mg mL-1. No controle negativo a inibição foi de 7,1%. A inibição da migração larval foi avaliada após incubação com o extrato por um período de 3 h a 27 oC, nas concentrações de 3,12; 6,25; 12,5; 25; 50 e 100 mg mL-1. As porcentagens de inibição foram: 16,5; 37; 56,3; 79,4; 91,8 e 97,1% respectivamente. Para a inibição de 50% da migração larval (CL50), o valor da concentração foi de 12,45 mg mL-1. No controle negativo a inibição foi de 8,5%. A ação ovicida e larvicida in vitro do tanino condensado do extrato de Acacia mearnsii encontrada no presente trabalho indica uma ação anti-helmíntica, apresentando potencial para sua aplicação no controle alternativo de nematódeos gastrintestinais de pequenos ruminantes.


Keywords


Teste in vitro; Helmintos gastrintestinais; Taninos; Fitoterapia; Pequenos ruminantes.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n6p3173

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433 / 1679-0359
E-mail:  semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional