Digestibilidade de nutrientes e energia de variedades de palma forrageira para tilápia do Nilo em crescimento

Marta Sales Oliveira, Kauana Santos Lima, Filipe dos Santos Cipriano, William Cristiane Telles Tonini, Rafael Vieira de Azevedo, Ana Lúcia Salaro, Luis Gustavo Tavares Braga

Abstract


Objetivou-se avaliar os coeficientes de digestibilidade aparente de nutrientes e energia de cinco variedades de farelos de palma forrageira (orelha de onça, miúda, gigante, IPA 20 and comum) para tilápia do Nilo em crescimento (110,02 ± 16,17 g). As tilápias, masculinizadas, foram distribuídas em tanques circulares de alimentação (150 L), mantidos em circulação fechada de água e aeração constante. Foi montado um delineamento inteiramente casualizado, composto por cinco tratamentos, três repetições e oito peixes por unidade experimental. As rações teste foram compostas de 30% de cada cultivar da palma e 70% da ração referência. A digestibilidade foi estimada pelo método indireto, utilizando-se óxido crômico a 0,1% da ração como indicador, efetuando-se a coleta de fezes no dia posterior a última alimentação em aquários de digestibilidade. A cultivares orelha de onça e comum apresentaram os melhores valores para a digestibilidade matéria seca (53,5%). O menor valor para digestibilidade da proteína bruta foi obtido para cultivar gigante (60%) e todas as cultivares testadas apresentaram coeficiente de digestibilidade energia bruta inferior a 50%. A tilápia-do-nilo apresenta limitação quanto à digestibilidade da matéria seca, energia bruta, proteína bruta e aminoácidos das cultivares IPA 20, miúda, gigante, comum e orelha de onça.

 


Keywords


Alimento alternativo; Aquicultura, Opuntia sp.; Oreochromis niloticus; Nopallea sp.; Valor nutritivo.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n3p1411

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional