Ranking de desempenho do Governo Federal por Funções de Governo

Maurício Corrêa da Silva, Fábia Jaiany Viana de Souza, José Dionísio Gomes da Silva, Erivan Ferreira Borges, Aneide Oliveira Araujo

Resumo


Este estudo tem o objetivo de avaliar e estabelecer um ranking de desempenho com base nas funções de governo que foram executadas pelo Governo Federal, no período de 1980 a 2010, com a utilização da técnica estatística da análise fatorial e da análise de componentes principais. Foi utilizado o método indutivo com base na mensuração quantitativa. Os dados foram extraídos do sítio eletrônico da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), já convertidos para a moeda de 2010. Os resultados revelaram que os anos de 1981 (1ª posição do ranking), 1980 (2ª) e 1982 (3ª) foram posicionados como de maior desempenho do Governo Federal e aos anos de 2008 (29ª), 2009 (30ª) e 2010 (31ª) como menor desempenho. As funções Administração e Planejamento, Agricultura, Comunicações, Habitação e Urbanismo, Indústria, Comércio e Serviços e Transporte tiveram pesos positivos na avaliação de desempenho. As funções Assistência e Previdência, Defesa Nacional e Segurança Pública, Educação e Cultura, Judiciária e Essencial à Justiça, Legislativa, Relações Exteriores, Saúde e Saneamento e Trabalho tiveram pesos negativos.


Palavras-chave


Avaliação de desempenho. Governo Federal. Funções de governo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTICO, C.; JANNUZZI, P. M. Indicadores e a gestão de políticas públicas. Fundação do Desenvolvimento Administrativo – FUNDAP – São Paulo. Debates.

Disponível em: . Acesso em 23 jul. 2014.

ARAÚJO, R. M. M. Análise de componentes principais e análise de agrupamentos: aplicação em variáveis de educação e renda no Estado de Pernambuco. Exacta, v. 3, n. 1 (2010) - ISSN: 1984-3151.

AYRES, M. Elementos de bioestatística: a seiva do açaizeiro. 2. ed. Belém: Supercores, 2012.

_____. BioEstat 5.0 – Aplicações estatísticas nas áreas das ciências bio-médicas. Universidade Federal do Pará. Belém, 2007.

BASTOS, C. L.; KELLER, V. Aprendendo a aprender: introdução à metodologia científica. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

BATISTA, M. A. et al. Avaliação institucional no ensino superior: construção de escalas para discentes e docentes. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 1, p. 201-218, mar. 2013.

BRASIL. Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, Estados, Municípios e do Distrito Federal. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 de março de 1964.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Portaria nº 42, de 14 de abril de 1999. Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do § 1º do art. 2º e § 2º do art. 8º, ambos da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, estabelece os conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações especiais, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 de abril de 1999.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Portaria nº 117, de 12 de novembro de 1998. Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do § 1º do art. 2º e § 2º do art. 8º, ambos da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, estabelece os conceitos de função, subfunção, programa, projeto, atividade, operações especiais e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 de novembro de 1998.

BRASIL. Ministério do Planejamento e Coordenação Geral. Portaria nº 9, de 28 de janeiro de 1974. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 fev. 1974. Seção I, p. 1605. Restabelecida a vigência pela Portaria nº 56, de 27 de maio de 1999, do Ministério do Orçamento e Gestão.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Estatística (Série Histórica de Receitas e Despesas). Disponível em: < https://www.tesouro.fazenda.gov.br>. Acesso em: 20 jun. 2014.

CAIDEN; G. E.; CAIDEN, N. J. Enfoques y lineamientos para el seguimiento, la medición y la evaluación del desempeño en programas del sector público. Revista do Serviço Público. Ano 52, Número 1, Jan.-Mar. 2001.

COHEN, E.; FRANCO, R. Avaliação de projetos sociais. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. RAP - Rio de Janeiro 37(5):969-92, Set./Out. 2003.

DUBOIS, C.; CHAMPAGNE, F.; BILODEAU, H. Histórico da avaliação. In: ASTRID, B. (org.). Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. Tradução de Lorí Viali. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE). História da inflação no Brasil. Disponível em: . Acesso em 25 jul. 2014.

GOUVEIA, G. C. et al. Satisfação dos usuários com a assistência de saúde no estado de Pernambuco, Brasil, 2005.Ciência & Saúde Coletiva, 16(3):1849-1861, 2011.

HAIR JR., J. F. et al. Análise Multivariada de Dados. Tradução de Adonai Schlup Sant’Anna e Anselomo Chaves Neto. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KARAMIZADEH, S. et al. An Overview of Principal Component Analysis. Journal of Signal and Information Processing, August 2013, 4, 173-175.

KUBRUSLY, L. S. Um procedimento para calcular índices a partir de uma base de dados multivariados. Pesquisa Operacional, v. 21, n. 1, p. 107-117, jun. 2001.

LATTIN, J.; CARROLL, J. D.; GREEN, P. E. Análise de dados multivariados. Tradução de Harue Avritscher. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

LIMA JÚNIOR, R. Análise das demonstrações contábeis dos municípios do estado de Santa Catarina: uma aplicação da técnica estatística análise de componentes principais. 2007. 134 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2007.

MANLY, B. J. F. Métodos estatísticos multivariados: uma introdução. Tradução de Sara Ianda Carmona. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

MIRANDA, L. C. et al. Uma análise sobre a compreensibilidade das informações contábeis governamentais comunicadas pelo Balanço Orçamentário. BBR - Brazilian Business Review, Vol. 5, N.3 Vitória-ES, Set – Dez 2008, p. 209-228 - ISSN 1807-734X.

NAKAMURA, L. R. et al. Utilização da análise fatorial para orientar a criação de políticas públicas na área do trabalho, nas regiões administrativas de Araçatuba, Presidente Prudente e Marília. In: 19º Simpósio Nacional de Probabilidade e Estatística, 2010, São Pedro - SP. Anais ... 19º SINAPE, 2010.

PENIDO, A. M. S et al. A compreensão dos cidadãos acerca dos demonstrativos públicos: uma análise em três municípios mineiros. In: ENANPAD – ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAS EM ADMINISTRAÇÃO, 35., 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: EnANPAD, 2011.

SANTAGADA, S. Indicadores sociais: uma primeira abordagem social e histórica. Pensamento Plural – Pelotas [01]: 113-142, julho/dezembro 2007.

SOLIGO, V. Indicadores: conceito e complexidade do mensurar em estudos de fenômenos sociais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 23, n. 52, p. 12-25, maio/ago. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Estudos Contábeis
ISSN: 2237-0099