Análise da Função de Despesa Gestão Ambiental nos Municípios de Rondônia

Alexandre de Freitas Carneiro, Ademir Vieira de Moura, Sérgio Cândido de Gouveia Neto

Resumo


Este estudo tem como objetivo principal conhecer o perfil da aplicação na função de despesa Gestão Ambiental pelos municípios de Rondônia e, especificamente, responder às questões: Quais municípios rondonienses apresentam mais regularidade de gastos com a função de despesa gestão ambiental? Qual o nível de correlação existente entre as despesas na função gestão ambiental e as receitas? Quais municípios que obtiveram maior e menor aplicação de recursos na função de despesa gestão ambiental? Torna-se relevante a pesquisa pelo fato de o estado de Rondônia estar inserido no conceito de Amazônia Legal. O método da pesquisa é o estatístico, o nível é exploratório e o delineamento é a pesquisa documental e estudo de campo. Os dados foram coletados nos documentos oficiais disponibilizados pelo Tribunal de Contas. Utilizou-se estatística descritiva e inferencial. O município que obteve boa correlação foi Porto Velho. A correlação total foi péssima nos períodos de2008 a2010, baixa em 2006, média em 2005 e alta somente em 2007. O resultado do teste t indicou que as correlações são lineares somente para os anos de 2005 e 2007, indicando que a alocação de recursos para a função gestão ambiental foi realizada com base na receita. O município que mais aplicou em gestão ambiental foi Cacoal.


Palavras-chave


Despesas. Gestão Ambiental. Informações. Municípios.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

_______. Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. Brasília, DOU de 02 set. 1981.

_______. Lei Complementar nº. 101, de 4 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2012.

_______. Lei Complementar nº. 131, de 27 de maio de 2009. Acrescenta dispositivos à Lei Complementar nº. 101, de 4 de maio de 2000. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2012.

_______. Ministério do Orçamento e Gestão. Portaria n. 42, de 14 de abril de 1999. Disponível em: . Acesso em: 08 nov. 2011.

_______. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). NBC T 15 – Informações de Natureza Social e Ambiental. 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2012.

_______. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). NBC T 16.5 - Normas

Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público. Registro Contábil. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2012.

COELHO, M. C.; CRUZ, F. da; PLATT NETO, O. A. A informação contábil como ferramenta de auxílio no exercício do controle social. Revista Contabilidade Vista e Revista, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 163-184, jul./set. 2011.

CRUZ, C. F. da; MARQUES, A. L.; FERREIRA, A. C. S. Informações ambientais na contabilidade pública: reconhecimento de sua importância para a sustentabilidade. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, jul./dez. 2009.

CRUZ, C. M. P. Principais diferenças entre o Plano Geral de Contabilidade de Angola e o Sistema de Normalização Contabilística de Portugal, Techinical University of Lisbon. 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2012.

DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M.F. Teoria da contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE Cidades, 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2012.

LEVIN, J.; FOX, J. A. Estatística para Ciências Humanas. São Paulo: Pearson Education, 2004.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MARTINS, G. A.; DOMINGUES, O. Estatística geral e aplicada. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MATIAS-PEREIRA, J. Manual de gestão pública contemporânea. São Paulo: Atlas, 2008.

MELLO, Gilmar R. de; SLOMSKI, V. Práticas de governança eletrônica: instrumento de controladoria para tomada de decisão na gestão pública. IN. MACHADO, Nelson et al.

GBRSP – Gestão baseada em resultado no setor público. São Paulo: Atlas, 2012.

OLIVEIRA, F. P. M.; GUIMARÃES, F. R. Direito, meio ambiente e cidadania: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Madras, 2004.

PHILIPPI JR., A. et al. Municípios e meio ambiente: perspectivas para a municipalização da gestão ambiental no Brasil. São Paulo: Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente, 1999.

SHIH, M. Trust and transparency in network governance: the implication of Taiwan’s anti-corruption activities. International public Management Review, v. 11, n. 2, 2010. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2012.

SILVA, L. M. Contabilidade governamental: um enfoque administrativo da nova contabilidade pública. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

SILVA, M. C. Demonstrações contábeis públicas: indicadores de desempenho e análise. São Paulo: Atlas, 2012.

SILVESTRE, H. M. C.; ARAÚJO, J. F. F. E. A gestão por resultados no sector público: o caso dos Hospitais EPE, Techinical University of Lisbon. 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2012.

TRIDAPALLI, J. P. et al. Análise dos gastos ambientais no setor público brasileiro: características e propostas alternativas. Revista de Gestão Social e Ambiental, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 79-95, maio/ago. 2011.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Estudos Contábeis
ISSN: 2237-0099