Estudo do ciclo de vida e longevidade de escritórios contábeis no Brasil

Érica Daniela de Morais, Wendel Alex Castro Silva, Elisson Alberto Tavares Araújo

Resumo


Este artigo tem como objetivo principal identificar em qual fase do Ciclo de Vida Organizacional (CVO) encontram-se alguns escritórios de contabilidade do Brasil, segundo o modelo de Greiner (1998). A pesquisa é descritiva e quantitativa do tipo survey, em que se aplicou questionário estruturado composto por questões fechadas em escala Likert. Dentre os 16 escritórios respondentes, que são microempresas, verificou-se que cerca de 37% deles estão na fase de Colaboração, um indicativo de maturidade no CVO, enquanto outros 31,3%, estão no estágio da Criatividade, correspondente a fase de nascimento da organização. Contudo, os escritórios situados neste estágio têm mais de 10 anos de atividades, e quando se consideram aqueles que estão até o estágio de delegação, percebe-se um falso sinal de longevidade, pois a informalidade dos processos dessas organizações pode levá-las a mortalidade.


Palavras-chave


Contabilidade. Escritórios Contábeis. Ciclo de Vida Organizacional. Modelo de Greiner.

Texto completo:

PDF

Referências


ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e porque as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira, 1990.

BRIDGES, W. As empresas também precisam de terapia: como usar os tipos junguianos para o desenvolvimento organizacional. São Paulo: Gente, 1998.

BORINELLI, M. L. A identificação do ciclo de vida das pequenas empresas através das demonstrações contábeis. 1998. 110 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

CHURCHILL, N. C.; LEWIS, V. L. Growing concerns: topics of particular interest to owners and managers of smaller businesses. Harvard Business Review, Nova Iorque, v. 61, p. 30-50, may/Jun. 1983.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Tradução Lucia Simonini. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

FREITAS, A. F. F; COSTA, F. J.; BARROSO, H. C. M. P. Ciclo de vida organizacional: um estudo no setor de supermercados. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 26, 2002, Salvador. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2002, p. 1-12.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GREINER, L. E. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, Watertown, v. 50, n. 4, p. 37-46, Jul./Aug. 1972.

GREINER, L. E. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, v. 76, n.3, p. 55-67, May./June 1998.

KAUFMANN, L. Passaporte para o ano 2000: como desenvolver e explorar a capacidade empreendedora para crescer com sucesso até o ano 2000. São Paulo: Makron, 1990.

LEZANA, A. G. R.; GRAPEGIA, M. Diagnóstico da fase do ciclo de vida organizacional. Revista Produção On Line, Florianópolis, v. 6, n. 3, set./dez. 2006.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; DELLAGNELO, E. H. L. VIEIRA, M. M. F. Ciclo de Vida, Controle e Tecnologia: um Modelo para Análise das Organizações. Organizações & Sociedade (Impresso), Salvador, v. 5, n.11, p. 77-104, 1998.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 7. ed. São Paulo, 2010.

MARQUES, A. C. F. Deterioração organizacional: como detectar e resolver problemas de deterioração e obsolência organizacional. São Paulo: Makron Books, 1994.

MICHEL, M. H. Metodologia de pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2005.

MILLER, D.; FRIESEN, P. A longitudinal study of corporate life cycle. Management Science, Hanover, v. 30, n. 10, p. 1161-1183, out. 1984.

PEDRO, A. M. Características comportamentais dos empreendedores no modelo de ciclo de vida das organizações de Greiner. 2003. 112 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2003.

SILVA, L. C. Controles de gestão utilizados nas fases do ciclo de vida das indústrias familiares do pólo moveleiro de São Bento do Sul/SC. 2008. 208 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Regional de Blumenau – FURB, Blumenau, 2008.

SEBRAE. Ponto de Partida. Belo Horizonte: SEBRAE/MG, ago. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2010.

SCOTT, M.; BRUCE, R. Five stages of growth in small business. Long Range Planning, London, v.20, n. 3, p. 45-53, jun. 1987.

TRÖGER, A.; OLIVEIRA, J. P. M. Um modelo de ciclo de vida para organizações virtuais. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 22, 1999, Foz do Iguaçu. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD,1999. P. 41-42. CD-ROM.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Estudos Contábeis
ISSN: 2237-0099