Características clínicas de pacientes atendidos pela equipe de fisioterapia na enfermaria de um hospital de pequeno porte na região Litoral Norte do Rio Grande do Sul

Tainara da Silva Lopes da Silva, Tais da Silva Silveira, Cibele Castilho da Silveira, Marjorie da Silva Rafael, Cristiane Helena de Oliveira Sena, João Paulo Heinzmann Filho

Resumo


Introdução: a hospitalização envolve o manejo e o tratamento de várias condições clínicas. O fisioterapeuta precisa conhecer as características dessas enfermidades para melhor atender e direcionar os recursos terapêuticos no ambiente hospitalar. Objetivo: descrever as características clínicas de pacientes atendidos pela equipe de fisioterapia na enfermaria de um hospital de pequeno porte. Métodos: trata-se de um estudo observacional, do tipo retrospectivo. Foram selecionados prontuários de pacientes (>18 anos) atendidos pela equipe de fisioterapia na enfermaria de um hospital de pequeno porte no município de Osório-RS. Em contrapartida, excluíram-se aquelas fichas sem a identificação dos sujeitos e o motivo de internação reportado. Os dados foram oriundos de agosto de 2018 até dezembro de 2019. Para fins estatísticos, utilizou-se apenas análise descritiva. Resultados: os prontuários totalizaram 167 pacientes (idade: 69,9 anos), com predomínio de idosos e do sexo feminino. As doenças pulmonares foram os principais motivos de hospitalização (35,3%), incluindo a pneumonia, a doença pulmonar obstrutiva crônica [DPOC] e o derrame pleural. As medicações (princípio ativo) prevalentes foram os anti-inflamatórios não esteroides (86,8%), os analgésicos (49,1%) e os antibióticos (46,7%). A mediana de hospitalização foi de 5,0 dias, sendo que 15,9% dos pacientes necessitaram de suporte nutricional e 63,9% deles utilizaram algum dispositivo de oxigenoterapia. O escore de mobilidade foi de 15,0 pontos. Conclusão: os achados do estudo evidenciaram predomínio de mulheres, da faixa etária idosa e de pouco comprometimento clínico. As doenças pulmonares, como a pneumonia e a DPOC, foram os principais motivos de hospitalização dos pacientes atendidos pela fisioterapia.

Palavras-chave


Paciente; Perfil epidemiológico; Hospitalização; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida IS, Rodrigues BMRD, Simões SMF. Hospitalização do adolescente. Rev Bras Enferm Pediatr. 2007;7(1):33-39.

Castro VC, Borghi AC, Mariano PP, Fernandes CAM, Freitas Mathias TA, Carreira L. Perfil de internações hospitalares de idosos no âmbito do Sistema Único de Saúde. Rev Rede Enferm Nordeste. 2013;14(4):791-800.

Oliveira BRGD, Viera CS, Collet N, Lima RAGD. Causas de hospitalização no SUS de crianças de zero a quatro anos no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2010;13:268-277.

Rossetto C, Soares JV, Brandão ML, Rosa NGD, Rosset I. Causas de internação hospitalar e óbito em idosos brasileiros entre 2005 e 2015. Rev Gaúcha Enferm. 2019;40;e20190201.

Costa JSDD, Reis MC, Silveira Filho CV, Linhares RDS, Piccinini F, Fantinel E. Prevalência de internação hospitalar e fatores associados em Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 2010;44(5):923-933.

Silveira RED, Santos ÁDS, Sousa MCD, Monteiro TS A. Gastos relacionados a hospitalizações de idosos no Brasil: perspectivas de uma década. Einstein (São Paulo). 2013;11(4):514-520.

Mendes EV. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos avançados. 2013; 27(78):27-34.

Chung TM. Escola de coluna. Acta Fisiátrica. 1996; 3(2):13-17.

Alves AN. A importância da atuação do fisioterapeuta no ambiente hospitalar. Ensaios e Ciência. 2012;16(6):173-184.

Araújo CF, Tosta TB, Albuquerque DGN, Costa CC, Machado MN. A importância da fisioterapia no setor de emergência do hospital das clínicas de teresópolis costantino ottaviano. Cad Educação, Saúde e Fisioterapia. 2018;5(10):1.

Jerre G, Beraldo MA, Silva TDJ, Gastaldi A, Kondo C, Leme F, Luque A. Physiotherapy on the mechanically ventilated patients. Rev Bras Terapia Intensiva. 2007;19(3):399-407.

Mendes TDAB, Andreoli PBDA, Cavalheiro LV, Talerman C, Laselva C. Adequação do uso do oxigênio por meio da oximetria de pulso: um processo importante de segurança do paciente. Einstein (São Paulo). 2010;8(4pt1):449-455.

Conceição LSR, Oliveira TVC, Andrade JD, Lima PAL, Andrade GS, Santana LS, Correia GS. Perfil epidemiológico dos pacientes atendidos pela fisioterapia do Hospital da Universidade Federal de Sergipe. Interfaces Científicas–Saúde e Ambiente. 2014;3(1):29-38.

Soares JA, Silva NLS, Leite SDO, Parisi MT. Fisioterapia e qualidade de vida de paciente com amiotrofia espinal progressiva tipo I–Relato de Caso. Arq Ciênc Saúde. 2006;13(1):44-47.

Santos ACD, Biagi AC. Perfil epidemiológico dos pacientes submetidos à artroplastia de joelho do serviço de fisioterapia em hospital público de Santo André-SP. ABCS Health Sci. 2013;38(1):2-7.

Fujisawa MAT, Valenciano PJ, Itakussu EY, Kakitsuka EE, Hoshimo AA, Trelha CS, Shizuko D. Perfil epidemiológico de crianças e adolescentes vítimas de queimaduras admitidos em centro de tratamento de queimados. Rev Bras Queimaduras. 2016;15(2):74-79.

Costa JSDD, Reis MC, Silveira Filho CV, Linhares RDS, Piccinini F, Fantinel E. Prevalência de internação hospitalar e fatores associados em Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 2010; 44(5):923-933.

Farencena GS, Silveira SN, Pasin JSM. Atuação fisioterapêutica e morbidade por pneumonia: um estudo no Hospital Casa de Saúde, Santa Maria/RS. Disciplinarum Scientia Saúde. 2006;7(1):29-39.

Nicolau CM, Pigo JDC, Bueno M, Falcão MC Avaliação da dor em recém-nascidos prematuros durante a fisioterapia respiratória. Rev Bras Saúde Materno Infantil. 2008;8(3):285-290.

Kawaguchi YMF, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, Pires-Neto RC. Perme Intensive Care Unit Mobility Score e ICU Mobility Scale: tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa falada no Brasil. J Bras Pneumol. 2016;42(6):429-434.

Ferraz RDO, Oliveira-Friestino JK, Francisco PMSB. Tendência de mortalidade por pneumonia nas regiões brasileiras no período entre 1996 e 2012. J Bras Pneumol. 2017;43(4):274-279.

Gomes L. Fatores de risco e medidas profiláticas nas pneumonias adquiridas na comunidade. J Bras Pneumol. 2001;27(2):97-114.

Nunes SEA, Minamisava R, Vieira MADS, Itria A, Pessoa Junior VP, Andrade ALSSD, Toscano CM. Custos hospitalares de pneumonia bacteriana grave em crianças: análise comparativa por diferentes métodos de custeio. Einstein (São Paulo). 2017;15(2):212-219.

Almeida JRD, Ferreira Filho OF. Pneumonias adquiridas na comunidade em pacientes idosos: aderência ao Consenso Brasileiro sobre Pneumonias. J Bras Pneumol. 2004;30(3):229-236.

Souza AD, Fernandes WA, Pavão HG, Lastoria G, Albrez EDA. Potenciais impactos da variabilidade climática sobre a morbidade respiratória em crianças, lactentes e adultos. J Bras Pneumol. 2012;38(6):708-715.

Fernandes FLA, Cukier A, Camelier AA, Fritscher CC, Costa CHD, Pereira EDB, & Jardim JR. Recomendações para o tratamento farmacológico da DPOC: perguntas e respostas. J Bras Pneumol. 2017;43(4):290-301.

Rossetto C, Soares JV, Brandão ML, Rosa NGD, Rosset I. Causas de internação hospitalar e óbito em idosos brasileiros entre 2005 e 2015. Rev Gaúcha Enfermagem. 2019;40:e20190201.

Boraks S. Medicina Bucal. Tratamento clínico-cirúrgico das doenças bucais bucomaxilofaciais. Exame do paciente. Artes médicas: São Paulo, 2011;74-75.

EBSERH – Hospitais Universitários Federais, “Avaliação fisioterapêutica do paciente crítico adulto” [internet]. Brasil [acesso em 20 mar 2020].

Urbanetto JDS, Marco R, Carvalho SM, Creutzberg M, Oliveira KF, Magnago TBDS. Grau de dependência de idosos hospitalizados conforme o sistema de classificação de pacientes. Rev Bras Enfermagem. 2012;65(6):950-954.

Souza CDF, Souza MFO, Arruda QMI, de Araujo Couto MC, Junior MAVC, Silva TNS. Perfil epidemiológico de pacientes submetidos à ventilação mecânica nas unidades de pronto atendimento de uma capital brasileira. Rev Pesq Fisioter. 2017;7(2): 199-206.

Kawaguchi YMF, Nawa RK, Figueiredo TB, Martins L, Pires-Neto RC. Perme Intensive Care Unit Mobility Score e ICU Mobility Scale: tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa falada no Brasil. J Bras Pneumol. 2016; 42(6): 429-434.

Pereira CS, Carvalho ATD, Bosco AD, Forgiarini JLA. Escala Perme como preditor de funcionalidade e complicações após a alta da unidade de terapia intensiva em pacientes submetidos a transplante hepático. Rev Bras Terapia Intensiva. 2019;31(1):57-62.

Jerre G, Silva TDJ, Beraldo MA, Gastaldi A, Kondo C, Leme F, Vega JM. Fisioterapia no paciente sob ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007;33:142-150.

Aguiar LS, Beltrão BA, Aragão NLP, Araújo VN, Viana JAB, Gomes JGÁ, Peixoto JAA. Ocorrência de hiperoxia em unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário do nordeste do Brasil. Rev Med UFC. 2019;59(3):6-10.

BARBAS CSV. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. Parte I. Rev Bras Terapia Intensiva. 2013;26(2):89-121. ?




DOI: http://dx.doi.org/10.47066/2177-9333.AC.2020.0008

ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@assobrafir.com.br

E-ISSN: 2177-9333