As potencialidades do mirtilo (Vaccinium Myrtillus) sob as óticas do Slow Food e do Slow Fashion

Andreia Mesacasa, Carla Natacha Szabat

Resumo


Este estudo tem como objetivo apresentar os movimentos slow food e slow fashion, evidenciando as potencialidades da utilização do mirtilo (Vaccinium Myrtillus) como elemento integrador entre os movimentos citados rumo à valorização do turismo regional. Para tanto, foi realizada uma pesquisa experimental acerca do uso do mirtilo em tingimentos artesanais. Além disso, foi utilizado como instrumento de coleta de dados uma entrevista, realizada com um dos sócios do Empório do Mirtilo, empresa localizada no município de Itá (Santa Catarina) que trabalha com o sistema colhe e pague da referida fruta. Foram realizados dois experimentos, um com as cascas do mirtilo, outro com as frutas em decomposição.Com base nos experimentos desenvolvidos, conclui-se que os resultados alcançados foram satisfatórios, evidenciando a possibilidade de utilização da matéria-prima mirtilo neste processo.

Palavras-chave


Mirtilo; Tingimento; Slow Food; Slow Fashion

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Slow food e a educação do gosto: um movimento social sem pressa. Revista Prâksis, Novo Hamburgo, v. 1, p. 101- 107, jan./jun. 2008.

CIETTA, Enrico. A evolução do fast-fashion. São Paulo. Estação das Letras e Cores, 2012.

De CARLI, Ane Mery Sehbe. Moda, sustentabilidade e emergências. Caxias do Sul: Educs, 2012.

EMPÓRIO DO MIRTILO. Nossa história. Disponível em: https://emporiodomirtilo.com.br/sobre-nos/. Acesso em: 20 set. 2019.

FERREIRA, Eber Lopes. Tingimento vegetal: teoria e prática sobre tingimento com corantes vegetais. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

FLETCHER, Kate; GROSE, Lynda. Moda e sustentabilidade: design para a mudança. São Paulo: Senac, 2011.

GENTILLE, Chiara. Slow Food na Itália e no Brasil. história, projetos e processos de valorização dos recursos locais. 2016. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KRUCKEN, Lia. Design e território: valorização de identidades e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.

MARTINS, Uiara Maria Oliveira; GURGEL, Lorena Ibiapina ; OLIVEIRA, José Clerton de. Experiências com a gastronomia local: um estudo de caso sobre movimento Slow Food e o turismo gastronômico na cidade de Recife, Brasil. PASOS - Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, La Laguna, v. 14, n. 1, p. 229-241, 2016. 11.

MIRANDA, Bruna. Slowlife: desacelerar o ritmo. 2014. Disponível em: http://reviewslowliving.com.br/2014/05/05/slow-life-desacelerar-o-ritmo/. Acesso em: 22 set. 2019.

MORI, Natalia Tinoco. Slow Fashion: conscientização do consumo de moda no Brasil. 2016. Monografia (Especialização em Estética e Gestão de Moda) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moda/monografias/NATALIA%20 MORI-USP.pdf. Acesso em: 22 ago. 2019.

NEYHAUS, Felipe. Entrevista referente ao modo de funcionamento do sistema colhe e pague do mirtilo. Itá, 22 out. 2019.

PISARSKI JUNIOR, Marcos Roberto; SOUZA, Silvana do Rocio de; PANZARINI, Yanca Theresia Peters. O movimento slow food e suas interfaces com o turismo: uma breve análise no Centro Histórico de Curitiba/PR, 2017. In: SEMANA PARANAENSE DE TURISMO DA UFPR, 24., 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: UFPR, 2017, p. 1-20. Disponível em: https://eventos.ufpr.br/ sepatur/SEPATUR/paper/download/943/280. Acesso em: 24 set. 2019.

PECCINI, Rosana. A gastronomia e o turismo. Revista Rosa dos Ventos, Caxias do Sul, v. 5, n. 2, p. 206-217, 2013.

SALCEDO, Elena. Moda ética para um futuro sustentável. Barcelona: Editora Gustavo Gili, 2014.

SALEM, Vidal. Tingimento têxtil. São Paulo: Edgard Blücher, 2010.

SANTOS, Aguinaldo. Sistema produto + serviço sustentável: fundamentos. Curitiba: Insight, 2018.

SILVA, Izabelle Todesquini. Tingimento natural em produtos de moda: alternativas para torná-lo mais eficaz. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN DE MODA, 3.; COLÓQUIO DE MODA, 12.; EDIÇÃO INTERNACIONAL, 9., 2016, [Curitiba]. Anais [...]. [Curitiba]: UTFPr, 2016. p. 1-4. Disponível em: http://www.coloquiomoda.com.br/anais/ Coloquio%20de%20Moda%20-%202016/POSTER/PO-08-Sustentabilidade/ PO-08-TINGIMENTO-NATURAL-EM-PRODUTOS-DE-MODA-ALTERNATIVASPARA-TORNA-LO-MAIS-EFICAZ.pdf. Acesso em: 25 ago. 2019.

TRINCA, Fabíola. Tingimento natural: novos desafios e ações sustentáveis. Rio de Janeiro, 2017. In: MAROTTO, Isabela (coord.). + Sustentabilidade às marcas de moda: reflexões e indicadores. Rio de Janeiro: [s. n.], 2017. cap. 9, p. 125-154. Disponível em: http://porfavormenoslixo.com.br/wp-content/ uploads/2018/01/LIVRO-SUSTENTABILIDADE-%C3%80S-MARCAS-DE-MODA. pdf. Acesso em: 24 set. 2019.

TYBEL, Douglas. O que é pesquisa experimental? 2017. Disponível em: https://guiadamonografia.com.br/pesquisa-experimental/. Acesso em: 12 nov. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-2207.2021v12n2p317

Direitos autorais 2021 Projetica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Projética

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2236-2207

projetica@uel.br

 

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.