A influência da cor na ergonomia: arquitetura e urbe

Ana Paula Perfetto Demarchi, Sidney Justo Junior

Resumo


Este artigo relata sobre a inter-relação da Ergonomia Cognitiva com a Arquitetura e o Urbanismo principalmente no uso de parques urbanos e a correlação deste com o uso de cores. A execução da pesquisa envolveu o uso da Pesquisa Qualitativa com a aplicação dos relatos espontâneos dos usuários do Parque Alambari e após essa etapa houve a introdução do questionário com base na Escala Likert. Com isso, foi possível obter o diagnóstico da pesquisa e propor sugestões para o local.

Palavras-chave


Ergonomia cognitiva; Arquitetura e Urbanismo; Parques Urbanos

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA PERCEPÇÃO. Projeto de identidade visual e sinalização parques estaduais do Estado de São Paulo. Disponivel em: https://agenciapercepcao. com.br/identidade-visual-e-sinalizacao-fundacao-florestal/. Acesso em: 25 Junho 2019.

BARATTO, R. “Primeiro Lugar no Concurso Nacional Parque do Mirante de Piracicaba / Camila Leibholz + Grupo Garoa”. [S. l.]: ArchDaily Brasil. 2015. Disponivel em: https://www.archdaily.com.br/br/760301/primeiro-lugarno-concurso-nacional-parque-do-mirante-de-piracicaba-grupo-garoa. Acesso em: 25 Junho 2019.

FERREIRA, L. Mobiliário urbano inteligente pelo mundo. In: Ferreira, L. BLOG DA ARQUITETURA. [S. l.:s. n.], 2016. Disponivel em: https:// blogdaarquitetura.com/mobiliario-urbano-inteligente-pelo-mundo/. Acesso em: 25 Maio 2019.

BOUYER, G. C. Ergonomia cognitiva e representação mental. Curitiba: Juruá, 2018.

CAIAFFA, W. T. et al. Saúde urbana: “a cidade é uma estranha senhora,que hoje sorri e amanhã te devora”. Ciência & Saúde Coletiva, Belo Horizonte, v. 13, n. 6, p. 1785-1796, 2008.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FONSECA, J. F.; MONT’ALVÃO, C. Cor no locais de trabalho - como aplicá-la de forma adequada às necessidades dos usuários e às exigências da tarefa? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA, 14.; FÓRUM BRASILEIRO DE ERGONOMIA, 4.; ABERGO JOVEM, 2.; CONGRESSO BRASILEIRO DE INICIAÇÃO EM ERGONOMIA, 2., 2006. Curitiba. Anais [...]. Rio de Janeiro: ABERGO, 2006. Disponível em: https://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/51/79-__Cor_ nos_locais_de_Trabalho.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.

GAMITO, M. M. D. O. A. Cor no mobiliário urbano: um factor de inclusividade, orientação e identificação. 2012. Tese (Doutorado em Design) - Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, 2012.

GOMES FILHO, J. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. 6. ed. São Paulo: Escrituras, 2004.

GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao homem. Tradução de João Pedro Stein. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 1998.

HANCOCK, P.; PEPE, A.; MURPHY, L. Hedonomics: the power of positive and pleasurable ergonomics. Ergonomics in design, [s. l.], v. 13, n. 1, p. 8-14, 2005.

HELLER, E. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. Tradução de Maria Lúcia Lopes da Silva. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional de Saúde. Disponivel em: https://www.ibge.gov.br/ estatisticas/sociais/justica-e-seguranca/9160-pesquisa-nacional-de-saude. html?edicao=9161&t=downloads. Acesso em: 28 Abril 2019.

IIDA, I.; GUIMARÃES, L. B. D. M. Ergonomia: projeto e produção. 3. ed. São Paulo: Blucher, 2016. YNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MARTINS, R. T. P.; ARAÚJO, R. D. S. Benefícios dos parques públicos. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, Campos dos Goytacazes, v. 4, n. 10, p. 38-44, 2014.

MCCLELLAND, D.C. (1973). “Testing for competence rather than intelligence.” American Psychologist. 28, pp. 1-14

MONT’ALVÃO, C. Hedonomia, ergonomia afetiva: afinal, do que estamos falando? In: MONT’ALVÃO, C.; DAMÁSIO, V. Design, ergonomia e emoção. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008. p. 19-30.

MORAES, A. M. D.; MONT’ALVAO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. 4. ed. Rio de Janeiro: 2AB, 2009.

PEDROSA, I. Da cor à cor inexistente. Rio de Janeiro: Léo Christiano Editorial, 1982.

QUEIROGA, E. F. Sistemas de espaços livres e esfera pública em metrópoles brasileiras. Resgate, São Paulo, v. 19, n. 21, p. 25-35, Janeiro, 2011.

RODRIGUES, A. M. Conceito e definição de cidades. In: RIBEIRO, L. C. D. Q.; SANTOS JUNIOR, O. A. As metrópoles e a questão social brasileira. Rio de Janeiro: Revan, 2007. p. 77-100.

SALGADO, R. Projeto de sinalização em parques urbanos: sistematização de elementos estruturadores a partir de exemplos no munícipio de São Paulo. 2013. Dissertação (Design e Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2013.

SCHULENBURG, H. et al. A ergonomia e a hedonomia como conceitos no desenvolvimento de uma interface web. ERGODESIGN- CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANOTECNOLOGIA, PRODUTO, INFORMAÇÕES,AMBIENTES CONSTRUIDOS E TRANSPORTE,15.; USIHC CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR, 15., 2015, Recife. Anais [...]. Recife: UFPE, 2015. p. 1139-1150.

TÓFOLI, L. F.; ANDRADE, L. H.; FORTES, S. Somatização na América Latina: uma revisão sobre a classificação de transtornos somatoformes, síndromes funcionais e sintomas sem explicação médica. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 33, p. 59-69, Maio 2011. Supl. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-2207.2021v12n2p160

Direitos autorais 2021 Projetica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Projética

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2236-2207

projetica@uel.br

 

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.