Desenvolvimento de brinquedos infantis para espaços públicos com foco no imaginário local para o município de Paragominas-PA

Thiago Guimarães Azevedo, Antonio Victor Lima Ferreira, Michele Silva e Silva, Rafael de Alencar Andrade, Rodrigo Augusto de Sousa Cavalcante

Resumo


O presente artigo visa apresentar o resultado final do projeto financiado pelo Programa de Iniciação Tecnológica da Universidade do Estado do Pará. Ele visa refletir a participação do design no âmbito das cidades, principalmente no que se refere à compreensão do universo sustentável em Paragominas/PA. Esta cidade representa a mudança na sua postura de pensar o debate ambiental através de políticas públicas, por meio do Programa Municípios Verdes, entretanto, cabe indagar o que há dessa questão no imaginário coletivo e que represente visualmente nos espaços públicos. Dessa feita, desenvolver produtos para esses espaços, não requer somente aspectos formais e pesquisa de materiais, mas estimular o debate participativo do design no que se refere à política pública. Como método de desenvolvimento da pesquisa, se utilizará do Discurso do Sujeito Coletivo para identificação de imaginários e metodologia projetuais que permeiam a atividade do design.

Palavras-chave


Município verde; Mobiliário urbano; Espaço público

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14350: segurança de brinquedos de playground. Rio de Janeiro, 1999. Parte 1, Requisitos e Métodos de Ensaio.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16071: playground. Rio de Janeiro, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliários, espaço e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9283 – Mobiliário Urbano - Classificação de 1986. Rio de Janeiro: ABNT, 1986.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9284 –Equipamento Urbano - Classificação de 1986. Rio de Janeiro: ABNT, 1986.

BONSIEPE, Gui. Design, cultura e sociedade. São Paulo: Blucher, 2011.

CANCLINI, Nestor García. Culturas híbridas. 3. ed. São Paulo: EDUSP, 2000.

DURAND, Gilbert. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: DIFEL, 1998.

FLEMING, Ronald Lee. The art of placemaking: interpreting community through public art and urban design. London: Merrell, 2007.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A, 2006.

HELBRECHT, Ilse. Das ende der Gestaltbarkeit? Zu Funktionswandel und Zukunftsperspektiven räumlicher Planung. Oldenburg: Bibliotheks- u, 1991. (Wahrnehmungsgeographische Studien Zur Regionalentwicklung, h. 10).

IBGE. Cidades@. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/ perfil. php?codmun=150550. Acesso em: 4 jun. 2015.

IMAZON. Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. Municípios verdes: caminhos para a sustentabilidade. Disponível em http://imazon.org.br/municipios-verdes-caminhos-para-a-sustentabilidade/. Acesso em 05 de junho de 2015

KRUCKEN, Lia. Design e território: valorização de identidades e produtos locais. São Paulo: Studio Nobel, 2009.

LAPLANTINE, François; TRINDADE, Liana S. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense, 2003.

LERNER, Joshua. Acupuntura urbana. Rio de Janeiro: Record, 2003.

LÖBACH, Bernd. Design Industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: E. Blücher, 2001.

MUNICÍPIOS verdes. Disponível em: http://municipiosverdes.com.br/ pages/quem_somos. Acesso em: 23 maio 2015.

ORTIZ, Fabíola. A história do município que saiu da lista negra dos maiores desmatadores. 2014. Disponível em http://www.oeco.org.br/reportagens/28764-a-historia-do-municipio-que-saiu-da-lista-negra-dosmaiores-desmatadores. Acesso em: 23 maio 2015.

PAULA, João Antônio de. A cidade e a universidade. In: BRANDÃO, Carlos Antônio Leite. As cidades da cidade. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006.

PEREIRA, Cristóvão Valente. Mobiliário urbano: abordagem e reflexão. Dissertação. (Mestrado em Design Urbano) – Universidade de Barcelona, Barcelona, 2002.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo: imitação, jogo e sonho, imagem e apresentação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

SHITSUKA, Ricardo; SILVEIRA, Ismar Frango; SHITSUKA, Dorlivete Moreira. Comparação entre as ferramentas ontologia, mapas mentais e mapas conceituais na representação de conceitos em matriz curricular de curso de graduação. CRB-8 Digital, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 2-10, abr. 2011.

VIEIRA, Maytê. Imaginário, imaginação social e seus símbolos. 2011. Disponível em: http://www.mitoseimaginario.com.br/2011/06/imaginarioimaginacao-social-e-seus.html. Acesso em: 5 set. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-2207.2017v8n2p67

Direitos autorais 2017 Projetica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Projética

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2236-2207

projetica@uel.br

 

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.