O padrão de carreira política dos deputados federais da Arena baiana: trajetórias estáveis e lealdades pessoais

Rafael Machado Madeira

Resumo


O presente artigo visa analisar o grau de coesão partidária da ARENA baiana tendo como fio condutor o exame dos padrões de carreiras políticas dos deputados federais do partido eleitos sob o bipartidarismo. Para mensurar o grau de coesão, tomar-se-ão como variáveis dados referentes às trajetórias partidárias dos parlamentares. Assim, aspectos como o número de migrações partidárias, o tempo de filiação anterior à conquista de um mandato na Câmara dos Deputados e o número de cargos e de mandatos ocupados, serão tomados como parâmetro para a análise. Por fim, pretender-se-á explicar, por exemplo, a fragmentação da estrutura interna e dos quadros da ARENA baiana e o conseqüente fracasso eleitoral do seu sucessor -PDS -a partir da Nova República através da trajetória política de suas principais lideranças remanescentes da legenda governista.


Palavras-chave


Partidos políticos; Autoritarismo; Democracia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Alzira et a!. (Coords). Dicionário Histórico-Biografico Brasileiro pÓs-J930. Rio de Janeiro: FGV; 2001.

CAMARGOS, Malco B.'; CARDOSO, Maria das D. Bahia: formato e funcionamento do sistema partidário. In: JUNlOR, Olavo B. (Org.). O Sistema Partidário Brasileim: diversidade e tendências - 1982-94. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. Executivo e legislativo na nova ordem constitucional. São Paulo: FGV, 1999.

FLEISCHER, David. Os Partidos Politicos no Brasil. Brasília: UnB, 1981. v.!. KINZO, Maria D' Alva G. Oposição e Autoritarismo: gênese e trajetória do MDB. São Paulo: Idesp, 1988.

LIMA JUNIOR, Olavo B. (Org). O sistema partidário brasileiro: diversidade e tendências, 1982/1994. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

MADEIRA, Rafael Machado. ARENA ou ARENAs? a coesão partidária da legenda do regime em três estados brasileiros. 2002. Dissertação (Mestrado) ¬ Ciência Política, UFRGS, Porto Alegre.

MAINWARING, Scott; MENEGUELLO, Rachei; POWER, Timoty. Partidos conservadores no Brasil contemporâneo: quais são, o que defendem, quais são suas bases. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

MELHEM, Célia S. Política de botas amarelas: o MDB-PMDB paulista de 1965 a 1988. São Paulo: Hucitec, 1998. MENEGUELLO, RacheI. Partidos e Governos no Brasil Contemporâneo (1985 - 1997). São Paulo: Paz e Terra, 1998.

PANEBIANCO, ÂngelO. Modelos de Partido: organización y poder en los partidos políticos. Madri: Alianza, 1990.

POWER, Timothy. The political right in postauthorian Brazi/: elites, institutions and democratization. Pennsylvania, Pennsylvania State University Press, 2000.

REIS, Fábio W. (Org.). Os Partidos e o regime: a lógica do processo eleitoral brasileiro. São Paulo: Símbolo, 1978.

RODRIGUES, Leôncio M. Partidos, ideologia e composição social: um estudo das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002.

SAMPAIO, Nelson de S. Perfil eleitoral da Bahia - 1966. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, n.23124, juI.1967/jan.1968.

SAMPAIO, Consuelo N. Partidos Polí/icos da Bahia na Primeira República: uma política da acomodação. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 1998.

SANTOS, André M. Não se fazem mais oligarquias como antigamente: recrutamento parlamentar, experiência política e vínculos partidários entre os deputados brasileiros (1946 - 1998). 2000. Tese (Doutorado) - Ciência Política, UFGRS, Porto Alegre.

SANTOS, Fabiano (Org). O poder legislativo nos estados: diversidade e convergência. São Paulo: FGV, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2003v8n2p83

Direitos autorais 2022 Rafael Machado Madeira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International