As Políticas do Olhar: Um Diálogo Entre a Sociologia do Conhecimento de Karl Mannheim e a Epistemologia Feminista 'High Tech' de Donna Haraway

Guilherme Antonio Carneiro Sant'Ana, Augusto Leal de Britto Velho

Resumo


Este trabalho pretende esboçar um diálogo crítico entre duas teorias sociais de suma importância no âmbito da sociologia do conhecimento, quais sejam, os sistemas de pensamento formulados por Karl Mannheim e Donna Haraway. Embora ancorados em perspectivas epistemológicas distintas, ambos intelectuais estão preocupados com uma problemática análoga que poderia ser bem descrita sob o rótulo políticas do olhar – os delicados emaranhamentos que se processam entre as dimensões da cognição, do poder e da visibilidade na estruturação da vida social. Assim, as abordagens teóricas de Haraway e Mannheim serão cotejadas de modo a explicitar os pontos de proximidade e distanciamento entre eles tendo em vista a capacidade do pensamento da feminista estadunidense de potencializar as provocações destiladas pelo sociólogo húngaro.

Palavras-chave


Sociologia do conhecimento; cognição; poder; visibilidade; objetividade

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. A consciência da sociologia do conhecimento. In: WERNET, Augustin; ALMEIDA, Jorge. Prismas. São Paulo: Ática, 1998.

ALMEIDA, Philippe Oliveira de; OLIVEIRA, Mateus Augusto. Entre ideologia e utopia: a dialética da imaginação em Mannheim. REVICE: Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 101-125, 2017.

ALTHUSSER, Louis. A querela do humanismo (1967). Crítica Marxista, São Paulo, v. 1, n. 9, p. 9-51, 1999.

BARAD, Karen. Meeting the universe halfway: quantum physics and the entanglement of matter and meaning. Durham: Duke University Press, 2007.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. Introdução: o problema da sociologia do conhecimento. In: BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Vozes, 2005. p. 11-34.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

HARAWAY, Donna. Antropoceno, capitaloceno, plantationoceno, chthuluceno: fazendo parentes. ClimaCom, Campinas, ano 3, n. 5, p. 139-148, 2016.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue. Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. (org.). Amtropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-118.

HARAWAY, Donna. Modest witness. London: Routledge, 1997.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7-41, 1995.

HORKHEIMER, Max. Un nuevo concepto de ideologia? In: LENK, Kurt (org.). El concepto de ideologia. Buenos Aires: Amorrortu, 1971.

LARRAÍN, Jorge. El concepto de ‘ideología’. Santiago de Chile: LOM, 2007. v. 1.

LARRAÍN, Jorge. El concepto de ‘ideología’. Santiago de Chile: LOM, 2009. v. 3.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1972.

MANNHEIM, Karl. Los métodos de la sociologia del conocimiento? In: LENK, Kurt (org.). El concepto de ideologia. Buenos Aires: Amorrortu, 1971.

STENGERS, Isabelle. A ciência sob o signo do acontecimento. In: STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Ed. 34, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2021v26n1p182

Direitos autorais 2021

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International