“As leis são uma invenção”: por uma racionalidade epistêmica protagonizada pelos Akrãtikatêjê (Gavião da Montanha)

Ribamar Ribeiro Junior

Resumo


Este trabalho opera com algumas categorias para problematização do Estado a partir de dados etnográficos sobre os Akrãtikatêjê, trazendo à tona as contribuições de uma antropologia que dialoga com a possibilidade de um rompimento epistêmico. Para tanto, são necessárias algumas reflexões que nos apontem para esse caminho,entendendo a efetiva participação dos sujeitos que estão acumulando experiências em suas trajetórias de luta, dando sentido ao lugar de pertencimento e expressando as implicações que o Estado traz através de sua forma de atuação desencadeada pelos processos de colonização.

Palavras-chave


Akrãtikatêjê; Estado; Território

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Benedict. Imagined communities: reflections on the origin and spread of nationalismo. New York: Verso, 1983.

AZANHA, Gilberto. A Forma Timbira: Estrutura e Resistência. Dissertação. 1984. (Mestrado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

CAMATI, Odair. Uma análise da razão de estado em Michel Foucault a partir do curso Segurança, Território e População. Revista Intuitio, Porto Alegre. v.8, n.1, 2015.

Construcción y desconstrucción del desarrollo. Caracas, 2007.

DAS, Veena ; POOLE, Deborah - El Estado y sus margens. Revista Académica de Relaciones Internacionales, GERI-UAM, n. 8 jun. 2008, GERI-UAM.

ESCOBAR, Arturo. Encountering Development. The making and unmakig of the Third World. Princeton: Princeton University Press, 1995.Tradução Espanhol em PDF. La Invención del Tercer Mundo.

ESCOBAR, Arturo.Political Geografy. In: ESCOBAR, Arturo. Culture sits Places: refelections on globalism and subaltern strategies of localization, v.20, p. 139-174, 2001.

FANON, F. Guerra colonial e perturbações mentais. Série A. In. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979, p. 211-229.

FANON, Franz. Da Violência no contexto internacional. In. Os Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968, p. 75-85.

FERRAZ, I. De Gaviões a Comunidade Parkatêjê : Uma reflexão sobre processos de reorganização social. 1998. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

FERRAZ, I. Os Parkatêjê das matas do Tocantins: a epopeia de um líder Timbira. 1983. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1983.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978-1979). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008. p. 383-488.

FOUCAULT, Michel. Tecnologías del yo y otros textos afines. Introducción de Miguel Morey. Barcelona: Paidós, 1990.

GUIMARÃES TEIXEIRA, Mariana. Na luta pela terra, entraves e sonhos. Payaré e o povo Akrãtikatêjê. 2911. Dissertação (Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Pará, Pará, 2011.

MIGNOLO, Walter. Desobediência Epistêmica: A Opção Descolonial e o Significado de Identidade em Política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MOUFFE, Chantal. Por uma política da identidade nômade. Debate Feminista. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1999. Edição Especial

NIMUENDAJU, Curt (1946). The Eastern Timbira. Berkeley and Los Angeles. University of California Publication. American Archaelogi dan Ethnology, v. 41.1946, p. 1-35.

PAIARÉ, Hõpryre Rõnôre Jõpikti. Texto de Transcrição de Entrevista realizada em janeiro de 2014.

QUIJANO, Anibal - Colonialidade, Poder, Globalização e democracia. Novos Rumos, n. 37, v. 17, 2002.

RESTREPO, Eduardo. “Desdisciplinar a antropologia”: diálogo com Eduardo Restrepo. Horiz. Antropo, Porto Alegre, v. 20 n. 41 Jan./Jun. 2014.

RIBEIRO JR, Ribamar. Akrãtikatêjê: Resistência e Dominação na luta pelo Território. 2014. Tese (Mestrado em Dinâmicas territoriais e Sociedade na Amazônia) – Universidade Federal do Sul e do Sudeste do Pará, Pará, 2014.

RIBEIRO JR, Ribamar. Paiaré, Uma História de Resistência. In: RICARDO, Beto ; RICARDO, Fani. Povos Indígenas do Brasil: 2011-2016, São Paulo, Instituto Socioambiental, 2017.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

SOUZA FILHO, C. F. M. O Renascer dos Povos indígenas para o Direito. Juruá, Curitiba: 2008.

SOUZA LIMA, Antonio Carlos. “O exercício da tutela sobre os povos indígenas: considerações para o entendimento das políticas indigenistas no Brasil contemporâneo”, “Dossiê Fazendo Estado”, Revista de Antropologia, USP, v 55,n. 2, jul./dez. 2012.

ZHOURI, Andrea. Povos tradicionais, meio ambiente e colonialidade. In: PAULA, A. M. N. R. ; ANAYA, F. C. ; IDE, M. H. S. ; BARBOSA, R. S. Povos e Comunidades Tradicionais: contribuições para um outro desenvolvimento. Montes Claros: Editora Unimontes, 2016. p. 10.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p204

Direitos autorais 2017 Ribamar Ribeiro Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International