O descaso induzido: o desterro dos Tapayuna e dos Panará

Daniela Batista de Lima, Fabiano Campelo Bechelany

Resumo


O presente artigo tem como finalidade analisar a trajetória do contato e remoção compulsória, no período da Ditadura Militar (1964-1985), de dois povos indígenas de língua jê: os Tapayuna e os Panará. O contato de ambos os povos com as frentes de expansão no estado do Mato Grosso, entre as décadas de 1950 e 1970, teve um impacto nefasto em suas vidas. Eles foram vítimas de processos genocidas, etnocidas e de espoliação territorial. Foram removidos compulsoriamente para o Parque Indígena do Xingu: os Tapayuna foram transferidos em 1970, os Panará em 1975. Após 22 anos, os Panará lograram retornar a uma porção de seu antigo território. Os Tapayuna de hoje se espelham no processo panará, pleiteando o reconhecimento do esbulho sofrido e a reconquista de sua autonomia territorial. O texto apresenta os eventos vividos por cada povo e discute as possibilidades de uma justiça de reparação no país.

Palavras-chave


Tapayuna; Panará; Remoção forçada; Justiça de reparação

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. V. A defesa dos direitos indígenas no judiciário: Ações propostas pelo Núcleo de Direitos Indígenas. São Paulo, SP: Instituto Socioambiental, 1995.

ARNT, R. et al. Panará: a volta dos índios gigantes. São Paulo, SP: Instituto Socioambiental, 1998.

BATISTA DE LIMA, D. “Vamos amansar um branco para pegar as coisas”: elementos da etno história Kajkhwakratxi-jê (Tapayuna). 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Univeridade de Brasília, Brasília, 2012.

BARUZZI RG; JUNQUEIRA C. Parque Indígena do Xingu: saúde, cultura e história. São Paulo: Terra Virgem, 2005.

BECHELANY, F. C. Suasêri: a caça e suas transformações com os Panará. 2017. Tese (Doutorado em Antropologia Social). – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

CALHEIROS, O. No tempo da guerra: algumas notas sobre as violações dos direitos dos povos indígenas e os limites da justiça de transição no Brasil. Verdade, Justiça e Memória Revista, v. 9, n. 1, 2015.

COMAROFF, J.; COMAROFF, J. L. Of revelation and revolution. Chicago: University of Chicago Press, 1991.

COWELL, A. The tribe that hides from man. New York: Stein and Day, 1974.

DAVIS, S. H. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GIRALDIN, O. Cayapó e Panará: luta e sobrevivência de um povo Jê no Brasil Central. Campinas, SPl: Ed. Unicamp, 1997.

HEELAS, R. The Social Organization of the Panara, a Gê Tribe of Central Brazil. PhD thesis. St. Catherine’s College, Oxford University, 1979.

HEMMING, J. Ouro vermelho: a conquista dos índios brasileiros. São Paulo: EDUSP, 2007.

MEAD, D. L. Caiapó do sul, an ethnohistory (1610–1920). [s.l.] 2010. Thesis (PhD) - University of Florida, 2010.

RAMOS, A. R. Uma crítica da (des)razão indigenista. Anuário Antropológico, v. 1, n.32, p. 95–115, 2006.

SCHWARTZMAN, S. The Panara of the Xingu National Park: The Transformation of a Society. 1988. thesis (PhD) - University of Chicago, 1988.

VALENTE, R. Os fuzis e as flechas: história de sangue e resistência indígena na ditadura. São Paulo: Cia das Letras, 2017.

VASCONCELOS, E. A. Investigando a hipótese Cayapó do Sul-Panará. 2013. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p179

Direitos autorais 2017 Daniela Batista de Lima, Fabiano Campelo Bechelany

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International