Os Xavante e as políticas de desenvolvimento para a Amazônia Legal Brasileira: de símbolo da brasilidade a obstáculo ao progresso

Natália Araújo de Oliveira

Resumo


Este artigo tem por objetivo discutir as políticas de desenvolvimento para a Amazônia Legal Brasileira (da era Vargas até o final da ditadura militar) e seus reflexos para os grupos indígenas que já ocupavam o espaço antes da chegada das frentes de expansão, dando ênfase aos momentos de remoção e também de retorno aos seus territórios e trazendo como caso analisado os Xavante, etnia localizada no Nordeste do Mato Grosso. Para tanto, baseia-se na literatura já produzida e também em pesquisa qualitativa, com a realização de entrevistas com 11 indígenas desta etnia e com um ex-funcionário do SPI. A região aqui analisada tem como marco inicial de políticas de ocupação a Marcha para Oeste, diretriz criada por Vargas que previa a ocupação de “espaços vazios” e que, para se apossar de seus territórios, destacava os Xavante como os autênticos índios brasileiros. Durante a ditadura militar, o governo novamente faz uso de políticas de colonização para aquela região, agora para fomentar a agricultura em grande escala. Nessa conjuntura, embates entre os Xavante e os ruralistas ocorrem e as terras indígenas começam a ser demarcadas, no menor espaço possível.

Palavras-chave


Xavante; Políticas de desenvolvimento; Marcha para Oeste; Ditadura militar

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Silvana. Planejamento governamental: a Sudeco no espaço mato-grossense contexto, propósitos e contradições. 2001. 328f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2007.

BRASIL. Decreto n°. 59.428 de 27 de outubro de 1966. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/d59428.htm. Acesso em: 28 jun. 2016.

BRASIL. Decreto-lei n°. 1.736 de 03 de novembro de 1939. Disponível em: http:// www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1736-3-novembro-1939-411705-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 28 jun. 2016.

CANCELLI, Elizabeth. Estratégia para o flagelo. Campinas. 1984. 118f. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1984.

CASALDÁLIGA, Pedro. Uma igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social. Mato Grosso: [s.n.], 1971.

DAVIS, Shelton. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1978.

DAVIS, Shelton. MENGET, Patrick. Povos primitivos e ideologias civilizadas no Brasil. In: JUNQUEIRA, Carmem; CARVALHO, Edgard de A. (Orgs.). Antropologia e indigenismo na América latina. São Paulo: Cortez, 1981, p. 37-65.

FERNÁNDEZ, Antônio João Castrillon. J. C. Do Cerrado à Amazônia: as estruturas sociais da economia da soja em Mato Grosso. 2007. 262f. Tese (Desenvolvimento Rural) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2007.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Terras indígenas. 2016. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/indios-no-brasil/terras-indigenas. Acesso em: 1º jul. 2016.

GARFIELD, Seth. A luta indígena no coração do Brasil: política indigenista, a Marcha para o Oeste e os índios Xavante (1937-1988). São Paulo: UNESP. 2011.

GARFIELD, Seth. As raízes de uma planta que hoje é o Brasil: os índios e o Estado-Nação na era Vargas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 20, n. 39, p. 13-42, 2000.

GARFIELD, Seth. Onde a terra toca o céu: A luta dos índios Xavante por terra, 1951-1979. In: COIMBRA JÚNIOR, Carlos E. A.; WELCH, James R. (Orgs.). Antropologia e história Xavante em perspectiva. Rio de Janeiro: Museu do Índio – FUNAI, 2014. p. 39- 66.

GIACCARIA, Bartolomeu. Xavante ano 2000: reflexões pedagógicas e antropológicas. Campo Grande: ECDB, 2000.

GIACCARIA, Bartolomeu. HEIDE, Adalberto. Xavante: povo autêntico: pesquisa histórico-etnográfica. 2.ed. São Paulo: Ed. Salesiana Dom Bosco, 1984.

GRAHAM, Laura. Xavante. 2008. Instituto Socioambiental. Disponível em: http://pib.socioambiental.org.pt/povo/Xavante/print. Acesso em: 13 jan. 2010.

HEINST, Andréia de Cássia. Pioneiros do século XX: memória e relatos sobre a ocupação da cidade de Mirassol D’oeste. 2003. 170 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2003.

IANNI, Octávio. Ditadura e agricultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características da população e dos domicílios: resultados do universo, 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/caracteristicas_da_populacao_tab_municipios_zip_xls.shtm. Acesso em: 13 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indígenas do Brasil. [S.I.], 2016a. Disponível em: http://indigenas.ibge.gov.br/. Acesso em: 10 jul. 2016.

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA, 2015. 1ª Estimativa da Safra de Soja – 2015/16. Disponível em: http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/R404__1a_Estimativa_de_safra_de_Soja_2015-16_Jun_15.pdf. Acesso em: 01 dez. 2016.

LIMA, Antonio Carlos de Souza. Povos indígenas no Brasil contemporâneo: de tutelados a “organizados”? In: SOUSA, Cássio Noronha Inglez de et. al. (Org.). Povos indígenas: projetos e desenvolvimento 2.ed. Brasília: Paralelo 15, 2010. p. 15-50.

LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Pioneiros da Marcha para o Oeste: memória e identidade na Fronteira do Médio Araguaia. 1998. 265 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, 1998.

LOPES DA SILVA, Aracy. Dois séculos e meio de história Xavante: In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 357-378.

MAYBURY-LEWIS, David. A sociedade xavante. Rio de Janeiro: Francisco Alves ed., 1974.

MAYBURY-LEWIS, David. O selvagem e o inocente. Campinas: UNICAMP, 1990.

MENEZES, Cláudia. Os Xavante e o movimento de fronteira no leste matogrossense. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 25, p. 63-87, 1982.

MENEZES, Maria Lucia Pires. Parque indígena do Xingu: a construção de um território estatal. Campinas: UNICAMP, 2000.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. A fronteira amazônica Mato-grossense: grilagem, corrupção e violência. São Paulo: Iandé Editorial, 2016.

PAULA, Luís Roberto de. Travessias: um estudo sobre a dinâmica sócio-espacial Xavante. 2007. 328 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Programa de PósGraduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2007.

RAVAGNANI, Oswaldo Martins. A experiência Xavante com o mundo dos brancos. Araraquara: UNESP, 1991.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RIBEIRO, Darcy. Política Indigenista Brasileira. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura Serviço de Informação Agrícola, 1962.

RICARDO, Cassiano. Marcha para o Oeste: A influência da bandeira na formação social de política do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942.. v. 1.

SBARDELLOTTO, Pe. Pedro. Sugestões para criação de reservas para os índios Xavante do Pe. Pedro Sbardellotto. In: CHOVELON, Pe. Hipólito; FERNANDES, Me. Francisco. Do primeiro encontro com os Xavante à demarcação de suas Reservas. Campo Grande: Missão Salesiana de Mato Grosso, 1996.

SILVA, Marcelo Gonçalves Oliveira e. Auwe xavante: dos primeiros contatos ao confinamento territorial. 2013. 187 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Brasília (UNB), Brasília, 2013.

VILLAS BOAS, Cláudio; VILLAS BOAS, Orlando. A Marcha para o Oeste. 5. ed. São Paulo: Globo, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p146

Direitos autorais 2017 Natália Araújo de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International