A cultura política de 68: reflexões sobre a resistência estudantil no Brasil e em Portugal

Pablo Almada

Resumo


Os movimentos estudantis foram consideráveis protagonistas de ações coletivas nos anos 1960, com destaque aos eventos do Maio de 1968. Nesse artigo procura-se repensar 1968 em sua cultura política, que, embora assentada em diversas disjunturas sociais, resulta numa compreensão alargada e descentralizada. Será realizada uma revisão das mobilizações estudantis contra os regimes ditatoriais do Brasil e ao final do Estado Novo em Portugal, no sentido de perceber as dinâmicas de repressão utilizadas para a contenção desses protestos. Em ambos os países, as mobilizações estudantis se distinguiram dos países centrais, seja por suas reivindicações, seja por terem sido permeadas por relações de violência direta ou de violência simbólica. Por fim, entende-se que a resistência estudantil ofereceu elementos de ampliação da cultura política para as duas transições democráticas.

Palavras-chave


Movimento estudantil; Ação coletiva; Resistência; Autoritarismo; Violência

Texto completo:

PDF

Referências


ACCORNERO, Guya. Efervescência estudantil: estudantes, ação contenciosa e processo político no final do Estado Novo (1956-1974). 2009. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade de Lisboa, Lisboa, 2009.

ALMADA, Pablo. A árvore de maio: resistência estudantil e sua atualidade (Brasil e Portugal). 2015. Tese. (Doutorado em Democracia no Século XXI) - Universidade de Coimbra, Coimbra, 2015.

ARRIGHI, Giovanni; HOPKINS, Terence; WALLERSTEIN, Immanuel. Antisystemic movements. London: Verso, 1989.

BARKER, Colin. Revolutionary rehearsals. Chicago: Haymarket Books, 2008.

BEBIANO, Rui. O Poder da imaginação: juventude, rebeldia e resistência nos anos 60. Coimbra: Angelus Novus, 2003.

BEBIANO, Rui. ESTANQUE, Elísio. Do activismo à indiferença: movimentos

estudantis em Coimbra. Lisboa: ICS, 2007.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. Le nouvelle espirit du capitalism. Paris: Gallimard, 1999.

BOREN, Mark E. Student resistance: a history of unruly subject. London: Routledge, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

CAIADO, Nuno. Movimentos estudantis em Portugal: 1945-1980. Lisboa: IED, 1990.

CARDINA, Miguel. A tradição da contestação: resistência estudantil em Coimbra no Marcelismo. Coimbra: Angelus Novus, 2008.

CARDINA, Miguel. Margem de certa maneira: o maoismo em Portugal (1964-1974). Lisboa: Tinta da China, 2011.

CRUZEIRO, Celso. Coimbra, 1969: a crise acadêmica, o debate das idéias e a prática, ontem e hoje. Porto: Afrontamento, 1989.

CUNHAL, Álvaro. Radicalismo pequeno burguês de fachada socialista. Lisboa: Avante, 1971.

CHAUVEL. Louis. Le destin des générations: structure sociale et cohortes en France au XXe siècle. Paris: PUF, 2002.

ESTANQUE, Elísio. Entre a fábrica e a comunidade: subjectividades e práticas de classe no operariado do calçado. Porto: Afrontamento, 2000.

FERNANDES, Florestan. Universidade brasileira: reforma ou revolução. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

FORACCHI, Marialice. 1968: el movimiento estudiantil en la sociedad brasileña. Revista Mexicana de Sociología, Ciudad de México, v. 31, n. 3, p. 609-620, 1969.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas: a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Toward a rational society: student protest, science and politics. Boston: Beacon, 1971.

JAMESON, Fredric. Periodizando os anos 60. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (Org.). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

KATSIAFICAS, Georgy. The imagination of the new left: a global analysis of 1968. Cambridge: South End, 1987.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, PUC, 2006.

LOUÇÃ, Francisco. Portugal agrilhoado: a economia cruel na era do FMI. Lisboa: Bertrand, 2011.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MARCUSE, Herbert. The new left and the 1960s. Abingdon: Routledge, 2005.

MARINI, Rui Mauro. Dialética da dependência. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARTINS FILHO, João Roberto. Movimento estudantil e ditadura militar (1964-1968). Campinas: Papirus, 1987.

MARWICK, Arthur. The sixties: cultural revolution in Britain, France, Italy, and the United States (1958-1974). Oxford: Oxford University, 1998.

PEREIRA, João Martins. Pensar Portugal, hoje. Lisboa: Dom Quixote, 1979.

POERNER, José. O poder jovem: história da participação política dos estudantes brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

REIS FILHO, Daniel Aarão. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: CNPq/Brasiliense, 1990.

RIDENTI, Marcelo. O Fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 2010.

SANTOS, Boaventura S. O Estado e a sociedade em Portugal (1974-1988). Porto: Afrontamento, 1990.

SANTOS, Boaventura S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. Porto: Afrontamento, 2006.

SECCO, Lincoln. A revolução dos cravos e a crise do império colonial português: economias, espaços e tomadas de consciência. São Paulo: Alameda, 2004.

SEDAS NUNES, Adérito. O problema político da universidade. Lisboa: Dom Quixote, 1970.

STEPHENS, Julie. Anti-disciplinary protest: sixties radicalism and postmodernism. Cambridge: Cambridge University, 1998.

TORGAL, Luis Reis. Estado novo, Estados novos: ensaios de história política e cultural. Coimbra: Universidade de Coimbra, v. 1, 2009.

TOURAINE, Alain. A sociedade post-industrial. Lisboa: Moraes, 1971.

VALLE, Maria Ribeiro. 1968: o diálogo é a violência. Campinas: Unicamp, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2016v21n2p123

Direitos autorais 2016 Pablo Almada

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International