O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas

Rosamaria Carneiro

Resumo


O sistema público de saúde brasileiro tem por princípio a igualdade de acesso. No entanto, não são poucas as desigualdades em sua prática. Partindo da premissa de que surgem da hierarquização das diferenças entre os sujeitos, este artigo se dispõe a refletir sobre a importância da interseccionalidade entre raça, classe e gênero quando a temática é a saúde sexual e reprodutiva das brasileiras. Com esse foco, destaca-se como essa articulação analítica pode descortinar processos cotidianos discriminatórios. Para tanto, considera-se a etnografia de dois serviços de saúde de Brasília; entrevistas com gestores de saúde local e federal e a leitura de algumas feministas negras brasileiras e latino-americanas sobre o assunto. Dessa maneira, procura-se compreender como o corpo negro feminino é pensado pelas mulheres assistidas, pelos profissionais de saúde, gestores de políticas públicas e feministas negras.

Palavras-chave


Saúde; Interseccionalidade; Etnografia; Política

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Luis Eduardo et. al (org.). Saúde da população negra. RJ: DP et Alii Editora Ltda, 2012.

BIROLI, Flavia e MIGUEL, Luis Felipe. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e cconvergências na reprodução das desigualdades. Mediações, Londrina, p. 22-55, 2015.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, p.329-376, jan./jun. 2006.

BRASIL. Perspectiva da Equidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal. Atenção à Saúde das Mulheres Negras. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2005.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Integral à Saúde da População Negra. Ministério da Saúde, 2009.

CARNEIRO, Rosamaria. Da invisibilidade do caso Sirlei Dias de Carvalho: um estudo interseccional da violência(s) contra a(s) mulher(es). In: Revista Actas Scentiarium. UEM. 2008, p. 137-45.

COROSSACZ, Valeria Ribeiro. O corpo da nação. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

CRENSHAW, Kimberlé. Econtro de especialistas em aspecto da discriminação racial relativos ao gênero. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 200.

DAMATTA, Roberto. Relativizando. Uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? dilemas de justiça numa era pós socialista. Tradução de Julio Simões. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14/15, p. 1-382, 2006.

GEETZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. Petrópolis, Vozes, 366 p, 2001.

GILROY, Paul. O atlântico negro. São Paulo: Editora 34, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p394

Direitos autorais 2017 Rosamaria Carneiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International