Desigualdades da política no Brasil: representação descritiva na eleição de 2014 para a Câmara dos Deputados

Augusto Neftali Corte de Oliveira

Resumo


A representação descritiva propõe que o Parlamento deve se formar à imagem da sociedade que o constitui. Por meio dos dados da eleição de 2014 e do Censo 2010, este artigo expõe uma estrutura profundamente desigual na capacidade de acesso ao poder político no Brasil: as mulheres, os negros, os menos escolarizados, os trabalhadores e os pobres estão sub-representados na Câmara dos Deputados. Tanto na oportunidade de concorrer quanto na capacidade de ser eleito, a desigualdade da política no Brasil impõe um enorme desafio à incorporação política da diversidade social no Parlamento. Qual o desafio da democracia brasileira no que concerne à justa representação dos diferentes? No momento em que a noção de uma crise da representação se fortalece, é necessário repensar o que se espera da democracia e como ela pode contribuir para seu designío original, o da igualdade entre os cidadãos.

Palavras-chave


Representação Descritiva; Desigualdade; Câmara de Deputados; Eleição 2014

Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, Gabriele. A questão “cor” ou “raça” nos censos nacionais. Indicadores Econômicos FEE, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 103-118, jan. 2013.

ARATO, Andrew. Representação, soberania popular e accountability. Lua Nova, São Paulo, n. 55-56, p. 85-103, jan. 2002.

ARAÚJO, Clara. Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 24, p. 193-215, jun. 2005.

ARISTÓTELES. Política. Brasília: UNB, 1997.

BARRETO, Alvaro A. de B. Representações das associações profissionais no Brasil: o debate dos anos 1930. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 22, p. 119-133, jun. 2004.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências.

BRASIL. Secretaria da Receita Federal. Tabelas rendas e bens.

CORADINI, Odaci L. Escolarização, militantismo e mecanismos de “participação” política. In: HEREDIA, Beatriz; TEIXEIRA, Carla; BARREIRA, Irlys. (Org.). Como se fazem eleições no Brasil: estudos antropológicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

CORADINI, Odaci L. Representação profissional e elites políticas no Brasil no período recente. Política & Sociedade, Florianópolis, n. 9, p. 123-161, out. 2006.

DAHL, Robert A. Sobre a democracia. Brasília: UNB, 2001.

KELSEN, Hans. A democracia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MANIN, Bernard. Principes du gouvernement représentatif. Paris: Flammarion, 2012.

MILL, John Stuart. Considerações sobre o governo representativo. São Paulo: IBRASA, 1964.

MOSCA, Gaetano. The ruling class. Nova York: McGraw-Hill Book Company, 1939.

PAIVA, Denise; BRAGA, Maria do Socorro S.; PIMENTEL JUNIOR, Jairo Tadeu Pires. Eleitorado e partidos políticos no Brasil. Opinião Publica, Campinas, v. 13, n. 2, p. 388-408, 2007.

PHILLIPS, Anne. De uma política de idéias a uma política de presença? Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 268-290, jul. 2001.

PITKIN, Hanna F. The concept of representation. Berkeley: University of Califórnia, 1967.

SANTOS, Wanderley G. dos. Poliarquia em 3D. Dados, Rio de Janeiro, v. 41, n. 2, p.207-281, 1998.

YOUNG, Iris M. Polity and group difference: a critique of the ideal of universal citzenship. Ethics, Chicago, v. 99, n. 2, p. 250-274, jan. 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2015v20n2p235

Direitos autorais 2016 Augusto Neftali Corte de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International