Acesso a Bases de Microdados: Aplicações e Impactos nas Pesquisas em Ciências Sociais

Susana da Cruz Martins, Rosário Mauritti, António Firmino da Costa

Resumo


A utilização de microdados institucionais para fins de pesquisa tem sido crescente, com aplicações cada vez mais diversificadas e complexas. O uso deste tipo de dados tem auxiliado na fundamentação e explicação de alguns dos processos sociais mais relevantes da contemporaneidade. Neste âmbito, e decorridos mais de 10 anos desde que foi celebrado um Protocolo, em Portugal, que facultou essa possibilidade, analisam-se agora as oportunidades analíticas, os procedimentos e os códigos de conduta que enquadram o acesso dos pesquisadores a estes recursos de informação empírica. Estão aqui em causa as possibilidades de aprofundamento e ampliação deste tipo de acordo a outros contextos, bem como o desenvolvimento de dispositivos vantajosos para a comparação internacional.


Palavras-chave


Microdados; Metainformação; Anonimização; Harmonização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLUM, Nick; ARBER, Sara. Secondary analysis of survey data. In: GILBERT, Nigel. (Ed.). Researching social life. London: Sage, 2008. p. 372-393.

BRYMAN, Alan. Social research methods. Oxford: Oxford University Press, 2012.

CARDOSO, Gustavo; JACOBETTY, Pedro; DUARTE, Alexandra. Ciência aberta. Lisboa: Mundos Sociais, 2012.

ANDROVITSANEAS, Christos. New technologies in statistics and requirements for central institutions: from a user’s perspective, innovation in provision and production of Statistics: The importance of new technologies. Conferências do CEIES, 9, 20-21 de Janeiro de 2000, Helsínquia. Disponível em http://edz.bib.uni-mannheim.de/daten/edzma/eus/01/CEIES-9-1EN.doc.

COSTA, Antonio Firmino. Desigualdades globais. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, n. 68, p. 9-32, 2012.

DALE, Angela. An academic perspective on the information society. In: CHALLENGES FOR COMMUNITY STATISTICS, 2001, Bruxelas. Proceedings… Bruxelas, 2001.

DUPRIEZ, Olivier; BOYKO, Ernie. Dissemination of microdata files: principles, procedures and practices. IHSN Working Paper, Lisboa, n. 5, 2010.

EUROSTAT. Código de conduta das estatísticas europeias. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2011.

FONSECA, Isabel Duarte; VALENTE, Isabel Lourenço; LIMA, José Pedro. A gestão da metainformação no sistema estatístico português. Sociologia, problemas e práticas, Lisboa, n.17, p. 153-168, 1995.

GABINETE DE PLANEJAMENTO, ESTRATÉGIA, AVALIAÇÃO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - GPEARI. Produção científica Portuguesa: 1990-2010.

MACHADO, Fernando Luís. Meio século de investigação sociológica em Portugal. Sociologia, Porto, n. 19, p. 283-343, 2009.

MARTINS, Susana da Cruz. Escolas e estudantes da Europa. Lisboa: Mundos Sociais, 2012.

MARTINS, Susana da Cruz; MAURITTI, Rosário; COSTA, Antonio Firmino. Padrões de vida na sociedade contemporânea. In: GUERREIRO, Maria das Dores Horta et al. (Org.). Quotidiano e qualidade de vida, Portugal no contexto europeu. Oeiras: Celta, 2007. v. III.

MAURITTI, Rosário. Padrões de vida na velhice. Análise Social, Lisboa, v. 39, n. 171, p. 339-361, 2004.

MAURITTI, Rosário; MARTINS, Susana da Cruz; COSTA, Antonio Firmino; ANTUNES, Ana Simões. Utilização de bases de microdados na investigação em ciências sociais. Revista de Estatística do INE, Lisboa, v. 2, p. 49-64, 2002.

PORTUGAL. Lei n. 22 de 13 de maio de 2008. Lei do Sistema Estatístico Nacional. Diário da República, n. 92, maio 2008.

STURGIS, Patrick. Designing samples. In: GILBERT, Nigel (Ed.). Researching social life. London: Sage, 2008. p. 165-181.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2013v18n1p66

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International