Papel social dos algoritmos: uma análise dos estudos acadêmicos acerca dos algoritmos e sua função social

Natasha Duarte Amarante, Jackson da Silva Medeiros

Resumo


Objetivo: analisar como se constituem os estudos acadêmicos, apresentados em artigos científicos, acerca dos algoritmos digitais como preocupação social, nas áreas de Ciências Sociais e Humanas, através das bases de dados Project Muse, SCOPUS e SciELO.
Metodologia:
De caráter exploratório e abordagem qualitativa, utiliza os procedimentos metodológicos da Análise de Conteúdo.
Resultados: Analisa os 220 artigos científicos selecionados, que trazem em seu conteúdo reflexões acerca do papel social dos algoritmos. Classifica em 11 categorias os artigos analisados, agrupados por semelhança temática.
Conclusões: Conclui que a temática com maior representação está relacionada à personalização algorítmica, juntamente com reflexões sobre opacidade, manipulação e discriminação algorítmica, seus impactos e influência no comportamento humano. Compreende que os algoritmos não são neutros, mas refletem e reproduzem as formações discursivas de cada sociedade. Entende que as reflexões e questionamentos acerca do papel social dos algoritmos ainda carecem de pesquisas. Anuncia perspectivas para novos estudos a partir dos resultados e investigações presentes nesta pesquisa.


Palavras-chave


Algoritmos; Análise de conteúdo; Regimes de verdade; Regimes de informação; Sociedade de controle

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2016.

BERT, J.-F. Pensar com Michel Foucault. São Paulo: Parábola, 2013.

BORGES, P. M.; GAMBARATO, R. R. The role of beliefs and behavior on facebook: a semiotic approach to algorithms, fake news, and transmedia journalism. International Journal of Communication, v. 13, p. 16, 2019.

CARRERA, F. Racismo e sexismo em bancos de imagens digitais: análise de resultados de busca e atribuição de relevância na dimensão financeira/profissional. In: SILVA, T. (org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: Olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020. cap. 8.

CORMEN, T. H. Desmistificando algoritmos. Elsevier Brasil, 2014.

CROMPVOETS, E. A. V.; BÉGUIN, A. A.; SIJTSMA, K. Adaptive Pairwise Comparison for Educational Measurement. Journal of Educational and Behavioral Statistics, v. 45, n. 3, 2019.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992. ENTENDA o escândalo de uso político de dados que derrubou valor do Facebook e o colocou na mira de autoridades. BBC News, 20 março de 2018, Internacional. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional43461751. Acesso em: 28 dez. 2021.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Ordem do discurso (A). Edições Loyola, 1996. FOUCAULT, M. Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fonte, 2000.

FOUCAULT, M. Poder e Saber. In: MOTTA, M. B. da (org.). Estratégia, podersaber. Rio de Janeiro: Forense/Universitária, 2006. (Coleção Ditos & Escritos, v. 4, p. 223-240).

FROHMANN, B. Taking information policy beyond information science: applying the actor network theory. In: ANNUAL CONFERENCE: CANADIAN ASSOCIATION FOR INFORMATION, 23., 1995. Proceedings […]. Edmonton, Alberta: CAIS/ACSI, 1995.

GILLESPIE, T. Algorithmically recognizable: Santorum’s Google problem, and Google’s Santorum problem. Information, communication & society, v. 20, n. 1, p. 63-80, 2017.

GILLESPIE, T. A relevância dos algoritmos. Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 95-121, 2018.

GLEICK, J. Informação: Uma história, uma teoria, uma enxurrada. Lisboa: Círculo de Leitores, 2012.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. O caráter seletivo das ações de informação. Informare, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 7-31, 1999.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Reflexões Sobre a genealogia dos regimes de informação. Informação e Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 29, n. 1, p. 137-158, jan./mar. 2019.

KHOSRAVINIK, M. Social media techno-discursive design, affective communication and contemporary politics. Fudan Journal of the Humanities and Social Sciences, v. 11, n. 4, p. 427-442, 2018.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MEDEIROS, J. Compreensões sobre o dispositivo: da informação à via para profanação. Informação & Informação, Londrina, v. 22, n. 3, p. 158-177, set./out. 2017.

OLIVEIRA, C. Aprendizado de máquina e modulação do comportamento humano. In: SOUZA, J.; AVELINO, R.; SILVEIRA, S. A. A sociedade de controle: Manipulação e modulação nas redes digitais. São Paulo: Hedra, 2018. p. 31-46.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PASQUALE, F. The black box society. Harvard University Press, 2015.

REVEL, J. Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Clara Luz, 2005.

SANDVIG C.; HAMILTON K.; KARAHALIOS, K.; LANGBORT, C. Automation, algorithms, and politics| when the algorithm itself is a racist: Diagnosing ethical harm in the basic components of software. International Journal of Communication, v. 10, p. 19, 2016.

SNOWDEN. Direção: Oliver Stone. Produção: Moritz Borman; Eric Kopeloff; Philip Schulz-Deyle; Fernando Sulichin. Empresa Produtora: Endgame Entertainment; Wild Bunch; KrautPack Entertainment; Onda Entertainment; Vendian Entertainment, 2016.

STRIPHAS, T. Algorithmic culture. European Journal of Cultural Studies, v. 18, n. 4-5, p. 395-412, 2015.

VIANA, B. O Jornalismo no contexto da Web Semântica. Media & Jornalismo, Lisboa, v. 18, n. 32, p. 187-199, 2018.

VILLAGRASA, O. C. Las herramientas inteligentes anticorrupción: entre la aventura tecnológica y el orden jurídico. Revista General de Derecho Administrativo, n. 50, p. 34, 2019.

ZUBOFF, S. A era do capitalismo de vigilância: a luta por um futuro humano na nova fronteira do poder. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n4p620

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional