Práticas de ensino críticas de competência em informação, mídias e tecnologias digitais e a desconstrução de estereótipos de gênero

Andréa Doyle, Gilda Olinto

Resumo


Objetivo: O trabalho apresenta uma síntese da tese de doutoramento que teve por objetivo entender como se ensinam competências em informação, mídias e tecnologias digitais de modo a favorecer a desconstrução de estereótipos de gênero.
Metodologia: Os métodos usados na abordagem empírica incluem a Revisão Sistemática de Literatura e a Análise de Conteúdo, com categorias analíticas construídas a partir do método transdisciplinar Mapa Teórico-Conceitual.
Resultados: Os resultados incluem um panorama internacional de 65 práticas de ensino críticas, assim como a análise das 23 práticas de ensino de competências críticas que também trabalham com estereótipos e gênero.
Conclusões: A análise dos dados permite concluir que para desconstruir estereótipos de gênero por meio do ensino de competências em informação, mídias e tecnologias digitais são necessárias atividades que considerem diversos pontos de vista, promovam autocrítica, sejam colaborativos, voltados para a desconstrução de opressões, favoreçam o empoderamento e englobem uma luta contínua por justiça social e bem viver entre pessoas e com a natureza.


Palavras-chave


Competência em informação; Estereótipo de gênero; Práticas de ensino críticas; Feminismo

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C. A. Á. Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: o diálogo possível. Brasília: Briquet de Lemos; São Paulo: ABRAINFO, 2018.

AUFDERHEIDE, P. Media literacy: a report of the national leadership conference on media literacy. Washington, D.C.: The Aspen Institute, 1993.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BATCHELOR, K. E. Using linked text sets to promote advocacy and agency through a critical lens. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 62, n. 4, p. 379- 386, jan./feb. 2019.

BATISTA, L. S.; MATTOS, L. Sem atalhos: transformando o discurso em ações efetivas para promover a liderança feminina. São Paulo: Bain & Company, 2019.

BELLUZZO, R. C. B. O estado da arte da Competência em Informação no Brasil: cenários e espectros: relatório de trienal de pesquisa. Marília: Unesp, 2017.

BRISOLA, A. C.; ROMEIRO, N. L. A competência crítica em informação como resistência: uma análise sobre o uso da informação na atualidade. RBBD: Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 68-87, set. 2018.

BYNOE V.; KATZ, A. Thinking outside the box: a critical literacy collaborative. Reference Services Review, v. 46, n. 2, jun. 2018.

CAMPELLO, B. O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 3, fev. 2003.

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciencia da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais […]. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

D’AMORIM, M. A. Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em Psicologia, v. 5, n. 3, p. 121-134, dez. 1997.

DOYLE, A. Competências em informação, mídia e tecnologias digitais e a desconstrução de estereótipos de gênero: práticas de ensino críticas. 2021. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2021.

DOYLE, A.; DODEBEI, V. Mapa Teórico Conceitual para construção de categorias em projetos transdisciplinares. In: CONGRESSO ISKO ESPANHAPORTUGAL, 5., 2021, Lisboa. (15º ISKO España). Anais […] Lisboa, 2021. p. 535-542.

DODEBEI, V. O sentido e o significado de documento para a Memória Social. 1997. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

DUDZIAK, E. A. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003.

ELMBORG, J. Critical information literacy: implications for instructional practice. The Journal of Academic Librarianship, v. 32, n. 2, p. 192-199, mar. 2006.

FRANCO, A. Marielle Franco: pensadora, ativista e política negra 1979-2018. Rio de Janeiro, 2020. (Curso Pensadoras Negras 1. ed.).Slides de Aula.

FRAU-MEIGS, D. Transliteracy as the new research: horizon for media and information literacy. Medijske Studije, v. 3, n. 6, p. 14-27, 2012.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HARAWAY, D. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies, v. 14, n. 3, p. 575-599, 1988.

HATSCHBACH, M. H. L.; OLINTO; G. Competência em informação: caminhos percorridos e novas trilhas. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 20-34, jan./jun. 2008.

HEINZ, M. Systematic Mapping Studies. 2014. Disponível em: https://userpages.uni-koblenz.de/~laemmel/esecourse/slides/sms.pdf. Acesso em: 10 maio 2021. (Slides, online).

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

KESLER, T.; TINIO, P. P. L.; NOLAN, B. T. What's our position? a critical media literacy study of popular culture websites with eighth-grade special education students. Reading & Writing Quarterly, v. 32, n. 1, p. 1-26, 2016.

LIVINGSTONE, S. Media literacy and the challenge of new information and communication technologies. The Communication Review, v. 7, n. 1, p. 3-14, 2004.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

McARTHUR, S. A. Centering student identities in critical media literacy instruction. Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 62, n. 6, p. 686-689, May/June 2019.

PAREDES, J. Despatriarcalización: uma respuesta categórica del feminismo comunitario. Revista de Estudios Bolivianos, v. 21, p. 101-115, 2015.

PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic reviews in the social sciences: a practical guide. Estados Unidos: Blackwell Publishing, 2006.

POOL, C. R. A new digital literacy: a conversation with Paul Gilster. IntegratingTechnology into Teaching, v. 55, n. 3, nov. 1997.

REDMOND, T. The pedagogy of critical enjoyment: teaching and reaching thehearts and minds of adolescent learners through media literacy education. Journal of Media Literacy Education, v. 4, n. 2, p. 106-120, 2012.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROSA, B. A transdisciplinariedade das literacias emergentes no contemporâneo conectado: um mapeamento do universo documental das literacias de mídia e informação (MIL). 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2011.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação &Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

TEWELL, E. A decade of critical information literacy. Communications in Information Literacy, v. 9, n. 1, p. 24-43, 2015.

UNESCO. Declaração de Grunwald: sobre educação para os media. Grunwald. Alemanha: UNESCO, 1982.

UNESCO. Media and information literacy (MIL). Paris: UNESCO, 2010.

VITORINO, E. V.; PIANTOLA, D. Competência informacional – bases históricas e conceituais: construindo significados. Ciência da Informação, Brasília, v. 38, n. 3, p. 130-141, set./dez. 2009.

WATT, D. Video Production in Elementary Teacher Education as a Critical Digital Literacy Practice. Media and Communication, v. 7, n. 2, p. 82-99, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n4p575

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional