Explorando conceitos e métricas de inovação no contexto das universidades

Robson Lopes de Almeida, João de Melo Maricato

Resumo


Objetivo: Compreender os conceitos das múltiplas dimensões da inovação no âmbito das universidades e identificar as métricas adequadas para a definição de suas políticas.
Metodologia:
O presente trabalho, de caráter exploratório, foi estruturado a partir de uma ampla revisão bibliográfica e empírica de estudos recentes sobre a inovação no contexto das universidades e seus possíveis indicadores.
Resultados:
O artigo traz um panorama da literatura científica que conceitua a inovação para além do paradigma econômico e aplicada às universidades, seguido de uma análise das experiências de utilização de indicadores e rankings propostos para mensurar as atividades inovativas no âmbito da academia.
Conclusões: Com base na sistematização dessas métricas, percebe-se que os indicadores relacionados aos ativos de proteção e transferência de tecnologia ainda são majoritariamente considerados quando se pensa em inovação na academia. No entanto, esse conceito tem sido cada vez mais ampliado para que se possa abranger a vasta gama de manifestações da inovação universitária. Assim, nota-se a existência de um cenário favorável para a construção de indicadores mais adequados e específicos para o entendimento deste fenômeno em particular.


Palavras-chave


Conceitos de Inovação; Inovação Universitária; Indicadores de Inovação; Métricas de Inovação; Ranking Acadêmico

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES, O. M. Inovação e Marketing. In: CASTRO-LUCAS, Cristina (org.). Empreendedorismo e Inovação Tecnológica. Brasília: CDT/UnB, 2013. Cap. 1. p. 12-118.

ANDRADE, T. de. Inovação e ciências sociais: em busca de novos referenciais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 20, n. 58, p. 145-156, jun. 2005.

AUDY, J. L. N. A inovação, o desenvolvimento e o papel da Universidade. Estudos avançados, v. 31, n. 90, 2017.

AUDY, J. L. N.; MOROSINI, M. C. (org.). Inovação e Interdisciplinaridade na Universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. p.526 .

BARBIERI, J. C.; TEIXEIRA, A. Meio Inovador Empresarial: Conceitos, Modelos e Casos. Revista IMES Administração, v. 56, set./dez., 2002.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e empreendedorismo. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2019. 512 p.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- 2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em: 2 mar. 2020

CALDERÓN, A. I.; LOURENÇO, H. da S. Rankings na educação superior brasileira: uma aproximação aos rankings públicos e privados. Revista de Estudos Aplicados em Educação, São Caetano do Sul, v. 2, n. 3, p. 89-103, 2017.

CAPES – COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Avaliação Multidimensional de Programas de Pós-Graduação: relatório técnico. Brasília, 2019.

COLLA, S.; ESTEVES, L. A. Lei da Inovação e Patentes Universitárias no Brasil: Uma Análise Quantitativa (2005-2010). Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, n. 17, 2013. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rts/article/view/2616. Acesso em: 12 ago. 2020.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DUTTA, S.; LANVIN, B.; WUSH-VINCENT, S.. (ed.). The Global Innovation Index (GII) 2020: Who Will Finance Innovation. Disponível em: http://www.globalinnovationindex.org. Acesso em 12 set. 2020.

GRIZENDI, E. Ministério das Relações Exteriores. Manual de orientações gerais sobre inovação. Brasília, 2011. p.186. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2020.

GANN, D.; DOGSON, M. We need to measure innovation better. Here's how. Disponível em: https://www.weforum.org/agenda/2019/05/we-need-to-measure-innovation-better-heres-how-to-do-it/. Acesso em: 21 ago. 2020.

HALÁSZ, G. Measuring innovation in education: The outcomes of a national education sector innovation survey. European Journal Education, v. 53, p. 557–573. 2018.

HAMEL, G. The Future of Management. Boston: Harvard Business School Publishing, 2007.

ERKKILÄ; T.; PIIRONEN, O. Rankings and Global Knowledge Governance: Higher Education, Innovation and Competitiveness. Switzerland: Palgrave Macmillan. 2018.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013. 214p.

FAGERBERG, J..; VERSPAGEN, B. Innovation studies: The emerging structure of a new scientific field. Research Policy, 38, 2009. p. 218-233. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048733308003016. Acesso em: 4 ago. 2020.

FÁVERO, M. de L. de A. A universidade, espaço de pesquisa e criação do saber. Educação e Filosofia, v. 13, n. 25, p; 249-259, 1999.

FEDERKEIL, G. Rankings and quality assurance in higher education. Higher Education in Europe, v. 33, n. 2/3, p. 219-231, 2008.

FERREIRA, H.; CASSIOLATO, M.; GONZALEZ, R. Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do programa segundo tempo. Texto para discussão 1369. Brasília: IPEA, 2009.

FLORIAN, R. V. Irreproducibility of the results of the Shanghai Academic Ranking of World Universities. Scientometrics, v. 72, p. 25-32, 2007.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, 4. FORPLAD. Anais... Ouro Preto: IFES – Instituições Federais de Ensino Superior, 2015. 197 p. Grupo de Trabalho Indicadores – GT.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Edição. São Paulo: Atlas, 2008.

GOGLIO, V. One Size Fits All? A diferente perspective on university rankings. Journal of Higher Education Policy and Management, v. 38. ed. 2, p. 212-226, 2016.

GT INDICADORES PARA O RELATÓRIO DE GESTÃO. FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, 4. FORPLAD. Apresentação em Power Point. Ouro Preto: IFES – Instituições Federais de Ensino Superior, 2017. 26 p. Grupo de Trabalho Indicadores – GT.

INDICADORES DE DESEMPENHO DA UFPA. Universidade Federal do Pará. Belém. jun. 2014. 67 p. Relatório. Disponível em: http://antigoproplan.ufpa.br/doc/Indicadores_de_Desempenho_versao1.0.pdf. Acesso em: 2 abr. 2020.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Tradução de Ivone C. Benedetti. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2011. 422 p.

MARQUES, F. Avaliação em 5 dimensões. Pesquisa Fapesp. 289. 2019. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2019/12/03/avaliacao-em-5-dimensoes/. Acesso em: 15 mai. 2020.

OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Publicado pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), 3.ed., 2005.

OECD. Guidelines for collecting, reporting and using data on innovation. The Measurement of Scientific, Technological and Innovation Activities. Oslo Manual 2018. 4th Edition, OECD and Eurostat, Paris. 2018.

OECD. Measuring Innovation in Education. A New Perspective. OECD Publishing: Paris, 2014. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/education/measuring-innovation-in-education_9789264215696-en. Acesso em: 18 ago. 2020.

PAGELL, R. A. University Research Rankings: From Page Counting to Academic Accountability. CONCERT 2008 (Consortium on Core Electronic Resources). Taiwan. Nov. 2009.

RAMOS, M. Y. Evolução e novas perspectivas para a construção e produção de indicadores de ciência, tecnologia e inovação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, p.1-23, abr. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1114. Acesso em: 05 ago. 2020.

ROCZANSKI, C. R. M. O papel das universidades para o desenvolvimento da inovação o Brasil. In: COLOQUIO INTERNACIONAL DE GESTIÓN UNIVERSITARIA, 16., 2016, Arequipa. Anais [...]. Arequipa, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/171283/OK%20-%20101_00528.pdf?sequence=1. Acesso em: 1 jul. 2020.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 5 ed. Nova York: Free Press, 2003.

SCHMITT, L. Five Things you should measure about your innovation system. Inovo. [S.I.]. 9 nov. 2017. Disponível em: https://www.theinovogroup.com/five-things-to-measure. Acesso em: 1 jun. 2020.

SMITH, K. Measuring Innovation. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C; NELSON, R. R. The Oxford Handbook of Innovation. United States: Oxford University Press, 2006. cap. 6. p. 148-154.

SILVA, Elaine da et al. O processo de inteligência de competitiva e sua relação com indicadores de inovação e competência em informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 6, Número Especial, p. 240-252, jan. 2016.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia do Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

UNESCO. Rankings and Accountabilityin Higher Education: Uses and Misuses MAROPE, Mmantsetsa; WELLS, Peter; HAZELKORN, Ellen. (eds). France. 2013. 306 p. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000220789. Acesso em: 10 mar. 2020.

VERNON, M. M.; BALAS E. A; MOMANI S. Are university rankings useful to improve research? A systematic review. PLoS ONE, v.13, n.3, mar. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n2p646

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional