Documentos audiovisuais e iconográficos em arquivos nos séculos xx e xxi: análise dos instrumentos teóricos

Luiz Antonio Santana da Silva, Telma Campanha de Carvalho Madio, Bruno Henrique Machado, Noemi Andreza da Penha

Resumo


Objetivo: O artigo visa apresentar o percurso das abordagens dos documentos audiovisuais e iconográficos no campo da Arquivologia, apresentando os marcos teóricos, no que tange às diretrizes e publicações, partindo do cenário internacional e no Brasil. Metodologia: O trabalho caracteriza-se como uma abordagem metodológica bibliográfica, qualitativa de cunho teórico e reflexivo que analisou as proposições internacionais e as possíveis influências que tiveram nas propostas da Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos, Sonoros e Musicais (CTDAISM), vinculada ao Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ), já que esses órgãos são os responsáveis por apontar os procedimentos arquivísticos. Resultados: Desse modo, foi possível constatar que os órgãos nacionais responsáveis pelas políticas arquivísticas, no que diz respeito a documentos audiovisuais e iconográficos, sofreram influências que convergiram e, também divergiram nas questões iniciais a respeito de procedimentos teórico metodológicos, desdobrando-se nas primeiras iniciativas para a organização e tratamento documental desses documentos no Brasil. Conclusões: constatou-se que as primeiras publicações e diretrizes internacionais auxiliaram nas propostas nacionais, favorecendo a compreensão dos registros audiovisuais e iconográficos, mas em primeiro lugar destacando o caráter histórico e a necessidade de preservação desses documentos. Também há uma ausência na abordagem teórica e metodológica. Ressalta-se que é imprescindível que os órgãos responsáveis formulem políticas nacionais para a gestão desses documentos e políticas protecionistas que garantam a gestão efetiva dos documentos.

Palavras-chave


Arquivologia; Gestão de Documentos; Audiovisual; Iconográfico

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Institucional. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://arquivonacional.gov.br/br/institucional Acesso em: 19 jun 2020.

BELLOTTO, H. L. Arquivos Permanentes: Tratamento documental. São Paulo: T.A. Queiroz, 1991

BETHÔNICO, J. Signos audiovisuais e ciência da informação: uma avaliação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, n. esp. 2. sem., p. 58-78, 2006. DOI: 10.5007/1518-2924.2006v11nesp3p58 Acesso em: 17 jun. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Lei 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 09 jan. 1991.

BRASIL. Decreto nº 4.073, de 3 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados.

CONGRESO INTERNACIONAL DE ARCHIVOS (XI). Anuário. Paris, 1988, Ed. Centro Interamericano de Desarrollo de Archivos, 1990.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL). O conselho. Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: http://conarq.gov.br/o-conselho.html Acesso em: 19 jun 2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos e Sonoros. Diretrizes para a gestão de documentos musicográficos em conjuntos musicais do âmbito público. Versão 1.1. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctdais/diretrizes/Diretrizes_musicais_completa.pdf Acesso em: 28 jun 2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL) Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos e Sonoros. Glossário. Versão 1.1. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/csais/Glossario_CTDAISM_V1_1.pdf. Acesso em: 28 jun 2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL) Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos e Sonoros. Glossário. Versão 2.0. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/csais/glossario_ctdaism_v2_2016.pdf. Acesso em: 29 maio 2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL). Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos e Sonoros. Glossário. Versão 3.0. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/ctdais/Glossario_ctdaism_v3_2018.pdf. Acesso em: 24 maio 2020.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. (BRASIL) Câmara Técnica de Documentos Audiovisuais, Iconográficos e Sonoros. Resolução nº41, 09 de Dezembro de 2014. Que Dispõe sobre a inserção dos documentos audiovisuais, iconográficos, sonoros e musicais em programas de gestão de documentos arquivísticos dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR, visando a sua preservação e acesso. Disponível em: http://conarq.gov.br/resolucoes-do-conarq/283-resolucao-n-41,-de-9-de-dezembro-de-2014.html. Acesso em: 20 mai. 2020.

COX, R.J. RAMP Studies and Related UNESCO Publications: An International Source for Archival Administration. American Archivist, Vol. 53, Summer 1990. Disponível em: https://americanarchivist.org/doi/pdf/10.17723/aarc.53.3.3208575353831608. Acesso em 08 jun 2020

DELMAS, B. Arquivos para quê? textos escolhidos. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2010.

DURANTI, L. Diplomatica: nuevos usos para una antigua ciencia. Trad. Manuel Vazquez. Carmona: Asociación de Archiveros de Andalucía, 1996.

EDMONSON, R. Filosofia de arquivos audiovisuais. Paris: UNESCO, 1998.

HARRISON, H.P., SCHUURSMA, R.L., & UNISIST. The archival appraisal of sound recordings and related materials: a RAMP study with guidelines. UNESCO, 1987.

IGLÉSIAS FRANCH, D.; FLETCHER, S. J. The Photographic and Audiovisual Archives Working Group of the International Council on Archives. VIEWS, March 2016, Volume 30, Number 1, p. 9-11.

EVANS, F. B.; KETELAAR, E. Guía para la encuesta sobre los sistemas y servicios de la gestión de documentos y la administración de archivos: un estudio del RAMP. Programa General de Información y UNISIST. Paris: UNESCO, 1983. (PGI-83/WS/6)

JARDIM, J, M. A invenção da memória nos arquivos públicos. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, p.1-13, 1995.

JARDIM, J, M. Políticas públicas arquivísticas: princípios, atores e processos. Arquivo & Administração, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p.5-16, jul./dez.2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/51586. Acesso em: 23 maio 2020.

KULA, S. The archival appraisal of moving images: a RAMP study with guidelines. Paris, 1983.

LEARY, W. H. Le tri des photographies en archivistique: etude du RAMP et principles directeurs. Paris, 1985.

LOPEZ, A. P. A. Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: História Social USP; Loyola, 1999. (Série Teses).

MACHADO, B. H.; SEMIDÃO, R. A. M.; MADIO, T. C. C.; MARTÍNEZ-ÁVILA, D. A fotografia institucional na organização do conhecimento arquivístico: compreendendo o processo de evidenciação documental como parâmetro de organização. Informação & Informação, v. 24, n. 3, p. 183-206, 2019. DOI: 10.5433/1981-8920.2019v24n3p183 Acesso em: 10 fev. 2020.

MAREZ, G des. Archives cinématographiques. In: Congrès International Des Archivistes Et Des Bibliothécaires, 1910, Bruxelles (Bélgica), 1910 p. 383 - 746.

MULLER, S.; FEITH, J. A.; FRUIN, R. Manual de arranjo e descrição de arquivos: preparado pela Associação dos Arquivistas Holandeses. Tradução de Manoel Adolpho Wanderley. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1960. 145 p. (Publicações técnicasAN, n. 25).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n2p468

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional