A linguagem e a linguagem documentária no processo de representação do conhecimento de grupos marginalizados: reflexões teóricas

Alexandre Robson Martines, Graziela dos Santos Lima, Carlos Cândido Almeida

Resumo


A representação do conhecimento é responsável pela interoperatividade entre sistemas, usuários, domínios, ao mesmo tempo em que devolve à sociedade uma malha informacional legitimada e capaz de, através da recuperação da informação, oferecer viabilidade às informações articuladas. Assim, este trabalho objetiva analisar o impacto da linguagem no processo de representação no que tange às questões semânticas, semióticas e discursivas a fim de compreender a pré-disposição do sistema de organização do conhecimento, o qual é direcionado por escolhas terminológicas, para legitimar a representação, mais especificadamente,  discutir acerca da institucionalidade de conceitos e o modo como se efetua a representatividade de grupos marginalizados entendidos neste trabalho como negros, mulheres, LGBTIA+.  Para tanto, aplicou-se uma metodologia de natureza qualitativa, tipo descritiva, de caráter exploratório, de abordagem teórico-bibliográfica e crítica. Portanto, entende-se que a representação social tem grande influência na construção da linguagem documentária e estão engendrados parâmetros hegemônicos de um determinado grupo, o que pode acarretar sub-representação de sujeitos, grupo sociais e culturais que não fazem parte do sistema simbólico de representação dominante.

 


Palavras-chave


representação do conhecimento; grupos marginalizados; linguagem documentária

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais: desenvolvimentos atuais e aplicações à educação. In: CANDAU, V. M. (Org). Linguagem: espaços e tempo no ensinar e aprender. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO (ENDIPE), 10., Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: LP&A, 2000.

BAKTHIN, M. M. (V.N. Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo: Hicitec, 2006

BARTHES, R. Elementos da Semiologia. São Paulo: Cultrix, 1971

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral. Trad. Maria da Glória Novak; Luiza Neri. São Paulo: Ed. Nacional, 1988.

CANDIDO, M. R.; FERES JÚNIOR, João. Representação e estereótipos de mulheres negras no cinema brasileiro. Rev. Estud. Fem. vol.27 no.2 Florianópolis 2019. Disponivel em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2019000200207. Acesso em: 20 jun.2020.

CARVALHO,N. C; LIMA, M. E. O.; FARO, A.; SILVA, C. A. F.. Representações sociais dos ciganos em Sergipe: contato e estereótipos. Psicologia e saber social, v.1, n. 2, p. 232-244, 2012.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Editora Vozes: Petropólis, Rio de Janeiro, 2008.

CASTRO, R. N.de. A representações indígenas no processo de colonização do Brasil. Revista eletrônica história em reflexão. v.6, n.11 – UFGD- Dourados, jan/jun, 2012.

FAZITO, D. A identidade cigana e o efeito de “nomeação”: deslocamento das representações numa teia de disursos mitológico-científicos e práticas sociais. Rev. Antropol., v49, n. 2, São Paulo, Jul/dez, 2006.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1999.

GARCIA MARCO, F.J. Avances en organización del conocimiento en España: los II encuentros sobre organización del conocimiento en los sistemas de información y documentación. In: GARCIA MARCO, F.J. (ed.) Organización del conocimiento en sistemas de información y documentación. Zaragoza: Libreria General, p.7-12. 1997

GREIMAS, A.J. Semântica Estrutural. Trad. Haquira Osakape e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1973.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Org.). Texto sem representações sociais. 2. ed. Petrópolis:Vozes, 1995.

GUTIÉRREZ, A. G. Teoria da la inidización: nuevas parámetros de investigación. Transinformação, v. 1, n. 2, 1989. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2019.

HJELMSLEV. L. Ensaios Linguístico. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Perspectiva, 1991.

HJORLAND, B. Domain analysisin informationscience: Elevenapproaches–traditionalas wellas innovative. Journal of Documentation, v. 58, n. 4, p. 422–462, ago. 2002.

HJORLAND, B. Concept Theory. Journal of the American Society for Information Science and Techonology, 60(8), 1519-1536, 2009

HODGE, G. Systems of Knowledge Organization for Digital Libraries: Beyond Traditional Authority Files. The Digital Library Federation, 2000.

LARA, M. L. L. G. Linguagem documentária e terminologia. Transinformação, Campinas 16(3), 231-240, 2004

LARA, M. L. L. G. O unicórnio (o rinoceronte, o ornitorrinco...), a análise documentária e a linguagem documentária. DataGramaZero, 2(6), 2001

LARA, M. L. L. G.; TÁLAMO, M. F. G. M. Uma experiência na interface linguística documentária e terminologia. DataGramaZero, 8(5), 2007

LARA, M. L. G. Linguagens documentárias: instrumentos de mediação e comunicação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 26, n. ½, p. 72-80, 1993.

LOMBROSO, Cesare; FERRERO, Guglielmo. A mulher delinquente: a prostituta e a mulher normal. Curitiba: antoniofontoura, 2017.

MAIMONE, G. D.; TÁLAMO, M. F. G. M. Linguística e terminologia: contribuições para a elaboração de tesauros em ciência da informação. DataGramaZero, 12(2), 2011

MAINGUENEAU, D. Elementos da linguística para o texto literário. Trad. Maria Augusta Bastos de Mattos. São Paulo: Martins Fontes, 1996

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em Psicologia Social. Petropólis: Vozes, 2003.

REALE, G; ANTISERI, D. História da filosofia, 2: Patrística e Escolástica. Trad. Ivo Stormiolo. São Paulo: Paulus, 2005.

REALE, G; ANTISERI, D. História da filosofia, 4: de Spinoza a Kant. Trad. Ivo Stormiolo. São Paulo: Paulus, 2005.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2017

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi et al. Campinas: Editora da Unicamp, 1997

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Trad. Bras. Antônio Chelini et al. São Paulo: Cultrix, 2006.

SILVA, Z. P. da. Nosso pensamento é resistência. In: ROMEIRO, et al (Org.). Do invisível ao visível: saberes e fazeres das questões LGBTQIA+ na Ciência da Informação. Florianópolis, SC: Rocha Gráfica e Editora, 2019 (Selo Nyota).

SILVA, E. E. D. da. A (des) construção da identidade social de mulher criminosa: estigmas, negociações e diferenças. In: Direitos, Gênero e Movimentos sociais I: Congresso Nacional do CONPEDI, 1., 2014, João Pessoa. Anais... Florianópolis: CONPEDI, 2014. p. 72 - 101.

SILVEIRA, L. F. B. Curso de Semiótica geral. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

TÁLAMO, M. F. G. M.; LARA, M. L. L. G. Interface entre linguística, terminologia e documentação. Brazilian Journal of Information Science, 3(2), 2009.

UNFPA. Fundo das Nações Unidas. Adolescente e Jovens para a Educação entre Pares: Saúde e Prevenção nas escolas. Brasília, n. 69, 2010. Disponível em:http://www.unfpa.org.br/Arquivos/guia_diversidades.pdf . Acesso em: 23 nov. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n1p512

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional