O projeto de reconfiguração da seção de memória e arquivo do Museu Nacional na perspectiva da informação e da memória

Cássia Costa Rocha Daniel de Deus, Diana de Souza Pinto

Resumo


Objetivos: Identificar os elementos do sistema Colheita e refletir sobre questões técnicas e teóricas que o ancoram. Abordar a relação entre memória, informação e arquivos, além de demonstrar a interdependência das ações do homem com a informação e a memória.
Metodologia: A pesquisa se caracteriza como descritiva e qualitativa, com discussão centrada em autores da área de Ciência da Informação e da Memória Social.
Resultados: As reflexões teóricas suscitam questionamentos acerca do projeto de reconfiguração e implantação do sistema Colheita e, sobretudo, embasam a constatação de que ambos são construções coletivas da memória.
Conclusões: Ao considerar que um dos objetivos da Semear é salvaguardar a documentação institucional sobre a memória do Museu Nacional, aponta que as memórias pós-catástrofe devem ser contempladas no projeto de reconfiguração e, consequentemente, inseridas no Colheita.


Palavras-chave


Museu Nacional; Seção de Memória e Arquivo; Informação; Memória; Arquivo

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Ronaldo Ferreira de; FROTA, Maria Guiomar da Cunha; CARDOSO, Ana Maria Pereira. Práticas, inscrições e redes sociotécnicas: contribuições de Bruno Latour e dos estudos sociais da ciência e da tecnologia para a ciência da Informação. In: BORGES, Maria Manuel; CASADO, Elias Sanz. A Ciência da Informação criadora de conhecimento. Coimbra: Pombalina, 2009. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt. Acesso em: 28 jul. 2019.

ASSMAN, Aleida. Armazenadores. In: ASSMAN, Aleida. Espaços da recordação. Campinas: EdUNICAMP, 2011. p. 367-435.

BAKER, David; SIMONS, Edward; BROWN, Josh. The various aspects of Interoperability: a strategic partnership driving interoperability in research information through standards. In: EuroCRIS Strategic Membership Meeting Autumn, Amsterdam, nov. 2014. Disponível em: http://dspacecris.eurocris.org/bitstream/11366/354/1. Acesso em: 28 jul. 2019.

BORKO, H. Information Science: what is it?. American Documentation, [s.l.], v. 19, n. 1, p. 3-5, Jan. 1968.

BRAMAN, Sandra. A economia representacional e o regime global da política de informação. In: MACIEL, Maria Lucia; ALBAGLI, Sarita (org.). Informação, conhecimento e poder: mudança tecnológica e inovação social. Rio de Janeiro: Garamond, 2011, p. 41-66.

BUCKLAND, Michel. Documentation, information Science: philosophical aspects. Journal of Information Science, [s.l.], v. 2, p. 125-133, 1980.

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., Belo Horizonte, 10 de novembro de 2003. Anais [...]. Belo Horizonte: [s.l.], 2003. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm. Acesso em: 26 jul. 2019.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz em Terra, 2011.

COOK, Terry. O passado é prólogo: uma história das ideias arquivísticas desde 1898 e a futura mudança de paradigma. In: HEYMANN, Luciana; NEDEL, Letícia. Pensar os arquivos: uma antologia. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018.

COSTA, Icléa T. Magalhães. Memória institucional: a construção conceitual numa abordagem teórico-metodológica. Tese (Doutorado em Ciência da Informação – Curso de Ciência da Informação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1997.

COSTA, Milene; MARTINEZ, Ninfa; FLORES, Daniel; RODRIGUES, Sérgio; NOVAIS, Marcos. Guia do usuário Archivematica. Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 2016. Disponível em: https://www.academia.edu/35174257/archivematica_GUIA_DO_USU%C3%81RIOAcesso em: 20 abr. 2020.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

DOUGLAS, M. Como as instituições pensam. São Paulo: EDUSP, 1998.

FARGE, A. Milhares de vestígios. In: FARGE, A. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, p. 9-23, 2009.

FERREIRA, Lucia M. A. As práticas discursivas e os (im)previsíveis caminhos da memória. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social. Rio de Janeiro: Contracapa, 2005. p. 105-114.

FERREIRA, Lucia M. A. Memória e esquecimento na língua. Morpheus, [s.l.], v. 15, n. 9, p. 137-148, 2016.

GONDAR. J. Cinco Proposições sobre Memória Social. Morpheus, [s.l.], v. 15, n. 9, p. 19-40, 2016.

GONDAR, J. Quatro proposições sobre Memória Social. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social. Rio de Janeiro: Contra capa, 2005. p. 11-26.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Novos cenários políticos para informação. Ciência da Informação, [s.l.], v. 31, n. 1, p. 27-40, jan./abr. 2002.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. A reinvenção contemporânea da informação: entre o material e o imaterial. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, [s.l.], v. 2, n. 1, p. 115-134, jan./dez. 2009.

HALBWACHS, M. Introdução. In: HALBWACHS, M. Memória Coletiva. São Paulo: Centauro, p. 17-70, 2006.

HUYSSEN, Andreas. Resistência a memória: usos e abusos do esquecimento público. In: HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 155-176, 2014.

LEBRUN, Jean-Pierre. Os implícitos da instituição. In: LEBRUN, Jean-Pierre. Clínica da instituição. Porto Alegre: CMC Editora, p. 13-67, 2016.

LE GOFF, Jacques. História e memória. São Paulo: Editora UNICAMP, 1990. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br. Acesso em: 10 ago. 2019.

LIFSCHITZ, J. Em torno da memória política. Morpheus, [s.l.], v. 15, n. 9, p. 67-82, 2016

LISSOVSKY, Maurício. A memória e as condições poéticas do acontecimento. In: GONDAR, Jô; DODEBEI, Vera. O que é memória social. Rio de Janeiro: Contra capa, 2005. p. 133-144.

MARTELETO, Regina Maria. Informação: elemento regulador dos sistemas, fator de mudança social ou fenômeno pós-moderno?. Ciência da Informação, [s.l.], v. 16, n. 2, p. 169-180, 1987.

MORIN, Edgar. O Método 2: a vida da vida. Porto Alegre: Sulina, 2001.

OLICK, J. K.; VINITZKY-SEROUSSI, V.; LEVY, D. Introduction. In: OLICK, J. K.; VINITZKY-SEROUSSI, V.; LEVY, D. (eds.). The collective memory reader. New York: Oxford University Press, p. 3-62, 2011.

PEREIRA, Maria de Nazaré Freitas. Projeto Colheita. In: PEREIRA, Maria de Nazaré Freitas. Apresentação interna do Museu Nacional. Rio de Janeiro, 2019.

PEREIRA, Maria de Nazaré Freitas; CHAVES, Hélia de Souza; ARAÚJO, Ronaldo Ferreira (eds.). Dos padrões internacionais de estruturação da informação de pesquisa aos indicadores: primeira incursão na temática. Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 2019. 220p. E-book. Disponível em: http://www.ibict.br/publicacoes-e-institucionais/coletanea-brcris. Acesso em: 15 abr. 2020

POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, [s.l.], v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

ROSSI, P. Lembrar e esquecer. In: ROSSI, P. O passado, a memória, o esquecimento. São Paulo: EdUNESP, p. 15-38, 2010.

SOUZA FILHO, Maria das Graças Freitas. Semear. In: SOUZA FILHO, Maria das Graças Freitas. Apresentação interna do Museu Nacional. Rio de Janeiro, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n2p1

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional