Processos de Gestão do Conhecimento fomentados pelos portais dos tribunais das 27 UFs do Brasil

Paloma Maria Santos, Aires José Rover

Resumo


Introdução: No setor público, a implementação da gestão do conhecimento apresenta um importante papel no aumento da transparência, na melhoria da governança e da relação entre o governo e os cidadãos. Ela dá suporte à criação e ao compartilhamento de conhecimento e contribui para que o cidadão participe efetivamente na elaboração de políticas e no processo de tomada de decisão. Objetivo: Com o intuito de analisar em que medida o Poder Judiciário está empreendendo ações que condicionem o cidadão a assumir um papel mais ativo na condução do bem público, o presente artigo buscou traçar um panorama nacional dos processos de gestão do conhecimento fomentados pelos portais dos tribunais das 27 Unidades Federativas do Brasil. Metodologia: Como suporte à análise, utilizou-se um instrumento de pesquisa que permite investigar a ocorrência de variáveis que apresentam vínculo com as práticas e os processos de gestão do conhecimento encontrados na literatura. Resultados: Os resultados encontrados permitem inferir que apesar de algumas das iniciativas disponíveis se mostrarem facilitadoras da comunicação entre o governo e o cidadão, raras foram as que efetivamente permitiam a criação e o compartilhamento do conhecimento. Entende-se, desse modo, que os portais dos tribunais de justiça estão longe do cenário ideal e precisam urgentemente melhorar sua qualidade para que possam, de fato, promover a democratização do acesso à justiça.



Palavras-chave


Gestão do conhecimento; Gestão da informação; Portais de governo; Poder Judiciário; Acesso à justiça

Texto completo:

PDF

Referências


BARBER, B. R. Three scenarios for the future of technology and strong democracy. Political Science Quarterly, v. 113, n. 4, p. 573-589, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 76, de 12 de maio de 2009. Dispõe sobre os princípios do Sistema de Estatística do Poder Judiciário, estabelece seus indicadores, fixa prazos, determina penalidades e dá outras providências. Brasília, Conselho Nacional de Justiça, 2009a. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_76_12052009_10102012220048.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 79, de 9 de junho de 2009. Dispõe sobre a transparência na divulgação das atividades do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. Brasília, Conselho Nacional de Justiça, 2009b. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_79_09062009_10102012214430.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. Brasília, Conselho Nacional de Justiça, 2009c. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_83_10062009_10102012210929.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009. Dispõe sobre a regulamentação da publicação de informações alusivas à gestão orçamentária e financeira, aos quadros de pessoal e respectivas estruturas remuneratórias dos tribunais e conselhos. Brasília, Conselho Nacional de Justiça, 2009d. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_102_15122009_03042019163226.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Resolução nº 115, de 29 de junho de 2010. Dispõe sobre a Gestão de Precatórios no âmbito do Poder Judiciário. Brasília, Conselho Nacional de Justiça, 2010. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_115_29062010_01042019170435.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.

CALHOUN, M. A.; STARBUCK, W. H. Barriers to creating knowledge. In: EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. A. Handbook of organizational learning and knowledge management. Blackwell: Malden, 2005, p. 473-492.

CAPPELLETTI, M.; GARTH, B. Acesso à Justiça. Porto Alegre: Fabris, 1988.

CNJ. Conselho Nacional de Justiça. Gestão do conhecimento. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/gestao-do-conhecimento/. Acesso em: 10 jun. 2019.

DAHL, R. A. A democracia e seus críticos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

DIAS, C. Corporate portals: a literature review of a new concept in Information Management. International Journal of Information Management, Amsterdam, v. 21, p. 269-287, aug. 2001.

FELICE, M. D. Das tecnologias da democracia para as tecnologias da colaboração. In: FELICE, M. D. (org.). Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social. São Caetano do Sul: Difusão, 2008, p. 17-61.

FERRETTI, J. R. P.; ALVARES, L. Gestão da informação e do conhecimento judiciais: perspectivas e desafios. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 25, n. 2, p. 19-28, maio/ago. 2015.

FREITAS FILHO, F. L.; BERTONCINI, I.; VARVAKIS, G.; SANTOS, N. dos. Estratégia de compartilhamento do conhecimento: um estudo de caso no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina. Espacios, Caracas, v. 37, n. 20, p. 25, 2016.

GONZALEZ, R. V. D; MARTINS, M. F. Gestão do conhecimento: uma análise baseada em fatores contextuais da organização. Production, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 834-850, out./dez. 2015.

HOMMERDING, N. M. S.; VERGUEIRO, W. Profissionais da informação e o mapeamento do conhecimento nas organizações: o caso da KPMG Brasil. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 2, n. 1, p. 17-36, jul/dez, 2004.

JANSSEN, M.; CHARALABIDIS, Y.; ZUIDERWIJK, A. Benefits, adoption barriers and myths of open data and open government. Information Systems Management, Villanova, PA, v. 29, n. 4, p. 258-268, 2012.

KURTZ, L. P. Tecnologias da informação e comunicação para eficiência judicial: quadro de possibilidades para a consistência das decisões. 2017. 199f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, 2017.

MEZZAROBA, M. P. Framework para avaliação de portais do Poder Judiciário brasileiro a partir de mecanismos de Gestão do Conhecimento. 2019. 316f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Florianópolis, 2019.

NAIR, P.; PRAKASH, K. (ed.). Knowledge Management: Facilitator’s Guide. Tokyo: APO, 2009.

OECD. Organization for Economic Co-Operation and Development. Promise and Problems of E-democracy: Challenges of Online Citizen Engagement. Paris: OECD, 2003.

PEDHAZUR, E. J.; SCHMELKIN, L. P. Measurement, Design and Analysis: an integrated approach. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1991.

PÉREZ LUÑO, A. E. ¿Ciberciudadaní@ o ciudadaní@.com? Barcelona: Gedisa, 2004.

PROBST, G.; RAUB, S.; ROMHARDT, K. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002.

RIBEIRO, C. P. P.; PEREIRA, A. D.; SILVA, E. A. da; FARONI, W. Difusão da informação na administração pública. TransInformação, Campinas, v. 23, n. 2, p. 159-171, maio/ago. 2011.

ROVER, A. J.; MEZZAROBA, O.; SANTOS, P. M.; BERNARDES, M. B.; GOTA, M. M. M.; MEZZAROBA, M. Métrica de Avaliação dos Sítios e Portais Corporativos dos Tribunais de Contas Brasileiros. Florianópolis: Conceito Editorial, 2012.

SABO, I. C.; KURTZ, L. P.; REGINALDO, P. A.; SANTOS, P. M.; ROVER, A. J. Entraves ao governo aberto na Justiça Federal brasileira. Revista Direito GV 35, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 1-31, 2020.

SANTOS, P. M. Framework de apoio à democracia eletrônica em portais de governo com base nas práticas de gestão do conhecimento. 2014. 430f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Florianópolis, 2014.

SANTOS, P. M.; BERNARDES, M. B.; ROVER, A. J. Teoria e Prática de Governo Aberto: lei de acesso à informação nos executivos municipais da região Sul. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2012.

SANTOS, P. M.; BERNARDES, M. B.; ROVER, A. J.; MEZZAROBA, O. Ranking dos tribunais de contas brasileiros: uma avaliação a partir dos padrões web em governo eletrônico. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 47, n. 3, p. 721-744, maio/jun. 2013.

SANTOS, P. M.; ROVER, A. J. Processos de gestão do conhecimento fomentados pelos portais de governo. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 6, n. 2, p. 48-79, jul./dez. 2016.

SEWALD JÚNIOR, E.; SILVA, P. F.; SILVA, E. R. G. Gestão do conhecimento para administração judiciária: levantamento de demandas de conhecimento e estabelecimento de ontologias. Revista Democracia Digital e Governo Eletrônico, Florianópolis, n. 5, p. 71-83, 2011.

SOUZA, I. M.; FELIPPE, S. Gestão do conhecimento na gestão pública: desafios do programa ciência sem fronteira. Práxis Educacional. Vitória da Conquista, v. 9, n. 14, p. 125-144. jan./jul. 2013.

TRANSPARENCY INTERNATIONAL. Índice de percepção da corrupção 2019. Disponível em: https://comunidade.transparenciainternacional.org.br/asset/67:indice-depercepcao-da-corrupcao-2019?stream=1. Acesso em: 01 abr. 2020.

TOFFLER, A. A terceira onda. 24. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

VELICOGNA, M.; NG, G. Y. Legitimacy and internet in the judiciary: A lesson from the Italian courts' websites experience. International Journal of Law and Information Technology, Oxford, v. 14, n. 3, p. 370-389, 2006.

VELUDO DE OLIVEIRA, T. M. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Administração On Line, São Paulo, v. 2, n. 3, jul./ago./set. 2001.

WIIG, K. M. Knowledge management in public administration. Journal of Knowledge Management, Bingley, v. 6, n. 3, p. 224-239, 2002.

WONG, W.; WELCH, E. Does e-government promote accountability? A comparative analysis of website openness and government accountability. Governance: An International Journal of Policy, Administration and Institutions, St. Maiden, v. 17, n. 2, p. 275-297, apr. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n4p599

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional