Ambientes digitais confiáveis para preservação holística de documentos arquivísticos

Amanda Keiko Higashi, Fabiana Ciocheta Mazuco, Henrique Machado dos Santos, Daniel Flores

Resumo


Introdução: Este estudo aborda a problemática dos documentos arquivísticos em ambiente digital, os quais são dotados de complexidades e especificidades que impactam diretamente na preservação e no acesso. Logo, necessitam de sistemas confiáveis que garantam sua capacidade probatória, para que possam ser utilizados como evidências.
Objetivos: Sendo assim, discorre-se sobre a relação entre as cadeias de custódia e preservação, tendo em vista a construção de um ambiente confiável capaz de preservar os documentos arquivísticos e manter sua autenticidade no longo prazo com garantia de acesso.
Metodologia: Para tanto, realizou-se um levantamento bibliográfico composto essencialmente por livros, publicações técnicas, teses e artigos científicos recuperados através da ferramenta de pesquisa Google Scholar. Busca-se explicar a interdependência entre as cadeias de custódia e de preservação, tendo como pano de fundo o modelo Records Continuum. Obtém-se um artigo de revisão assistemática/narrativa.
Resultados: Observou-se que as cadeias de custódia e de preservação possuem elevado nível de interdependência quando abordadas em ambiente digital. Assim, há necessidade de manter uma linha ininterrupta entre o Sistema Informatizado de Gestão Arquivística de Documentos e o Repositório Arquivístico Digital Confiável. Igualmente, as ações de preservação devem ser pensadas na gestão e até mesmo antes da produção documental, tal pressuposto converge com os fundamentos do Records Continuum.
Conclusões: Portanto, a interdependência das cadeias de custódia e preservação aliada à necessidade de preservar os documentos de forma pró-ativa aponta para uma reformulação dos acervos. Isto requer tratamento documental holístico, capaz de prevenir e minimizar os efeitos da obsolescência tecnológica.

Palavras-chave


Preservação digital; Confiabilidade; Cadeia de custódia documental; Cadeia de preservação documental

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15472: 2007. Sistemas espaciais de dados e informações – Modelo de referência para um sistema aberto de arquivamento de informação (SAAI). Rio de Janeiro: ABNT, 2007.

BELLOTTO, H. L. Arquivística: objetos, princípios e rumos. São Paulo: Associação de Arquivistas de São Paulo, 2002.

BRASIL. ARQUIVO NACIONAL DO. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística (DBTA). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis – RDCArq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Glossário: Documentos Arquivísticos Digitais. v. 4. Rio de Janeiro: CTDE, 2008. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Glossario/2016-CTDEGlossario_V7_public.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). e-ARQ Brasil: Modelo deRequisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011a. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Orientação Técnica n.º 1 de abril de 2011 - orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos. Rio de Janeiro: CTDE, 2011b. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_1.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2012. Disponível em: http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/conarq_presuncao_autenticidade_completa.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (CTDE). Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis – RDCArq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/diretrizes_rdc_arq.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington: CCSDS, 2012. Disponível em: http://public.ccsds.org/publications/archive/650x0m2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

CORDEIRO, A. M.; OLIVEIRA, G. M.; RENTERÍA, J. M.; GUIMARÃES, C. A. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 428-431, 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912007000600012. Acesso em: 23 mar. 2020.

COSTA, E. S. A descrição arquivística e a recuperação da informação na proposta de um modelo conceitual de sistemas informatizados de gestão arquivística de documentos: um estudo em instituições de ensino superior. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Estadual Paulista, Marília, 2018. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/153808. Acesso em: 23 mar. 2020.

DURANTI, L. Diplomática: novos usos para uma antiga ciência. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n.1, p. 196-215, 2015. Disponível em:https://www.brapci.inf.br/index.php/res/download/108712. Acesso em: 23 mar. 2020.

EASTWOOD, T.; HOFMAN, H.; PRESTON, R. Modeling Digital Records Creation, Maintenance and Preservation: Modeling Cross-domain Task Force Report. In: DURANTI, L.; PRESTON, R. International Research on Permanent Authentic Records in Electronic Systems (InterPARES) 2: Experiential, Interactive and Dynamic Records. Padova, Italy: Associazione Nazionale Archivistica Italiana, 2008.

FLORES, D.; PRADEBON, D. S.; CÉ, G. Análise do conhecimento teóricometodológico da preservação digital sob a ótica da OAIS, SAAI, ISO 14721 e NBR 15472. Brazilian Journal of Information Science: research trends, v. 11, n. 4, p. 72-80 2017. Disponível em: https://doi.org/10.36311/1981-1640.2017.v11n4.11.p73. Acesso em: 23 mar. 2020.

FLORES, D.; ROCCO, B. C. B.; SANTOS, H. M. Cadeia de custódia para documentos arquivísticos digitais. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 117-132, 2016. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/download/53277. Acesso em: 23 mar. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INNARELLI, H. C. Gestão da preservação de documentos arquivísticos digitais: proposta de um modelo conceitual. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-27052015-101628/publico/HumbertoCelesteInnarelliVC.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELECTRONIC SYSTEMS (INTERPARES 2 PROJECT). Diretrizes do Produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2007. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/diretrizes_produtor_digital.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELECTRONIC SYSTEMS (INTERPARES 2 PROJECT). Diretrizes do Preservador. A preservação de documentos arquivísticos digitais: diretrizes para organizações. TEAM Brasil. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados. 2007. Disponível em: http://www.interpares.org/display_file.cfm?doc=ip2_preserver_guidelines_booklet--portuguese.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

JENKINSON, H. A manual of archive administration including the problems of war archives and archive making. Oxford: Clarendon Press, 1922.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, 1997.

LUZ, C. S. Curadoria digital, custódia arquivística e preservação digital: relações possíveis. Páginas a&b, v. 3, n. 10, p. 92-103, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.21747/21836671/pag10a7. Acesso: 23 mar. 2020.

LUZ, C.; FLORES, D. Cadeia de custódia e de preservação: autenticidade nas plataformas de gestão e preservação de documentos arquivístico. In: SEMINÁRIO SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO EM MUSEUS, 4., 2016, São Paulo. Anais [...] São Paulo: Pinateca de São Paulo, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325225229. Acesso: 23 mar. 2020.

MACNEIL, H. Correntes em transformação. In: EASTWOOD, T.; MACNEIL, H. Correntes atuais do pensamento arquivístico. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 7-16.

MÁRDERO ARELLANO, M. Á. Critérios para a preservação digital da informação científica. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Brasília, Brasília, 2008. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/1518. Acesso em: 23 mar. 2020.

RODRIGUES, A. M. L. Uma análise da teoria dos arquivos. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2004. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/LHLS-69UR3J. Acesso em: 23 mar. 2020.

ROGERS, C. A literature review of authenticity of records in digital systems: from ‘machine-readable’ to records in the cloud. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 16-44, 2016. Disponível em: http://revista.arquivonacional.gov.br/index.php/revistaacervo/article/view/715. Acesso em: 23 mar. 2020.

RONDINELLI, R. C. O conceito de documento arquivístico frente à realidade digital: uma revisitação necessária. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011. Disponível em: https://www.siarq.unicamp.br/siarq/images/siarq/publicacoes/preservacao_digital/tese_rondinelli.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

RONDINELLI, R. C. O documento arquivístico ante a realidade digital: uma revisão conceitual necessária. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. As vulnerabilidades dos documentos digitais: Obsolescência tecnológica e ausência de políticas e práticas de preservação digital. Biblios: Revista de Bibliotecología y Ciencias de la Información, Lima/Brasília, n. 59, p. 45-54, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.5195/biblios.2015.215. Acesso em: 23 mar. 2020.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Preservação do patrimônio documental arquivístico em ambiente digital. Palabra Clave, La Plata, v. 7, n. 1, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.24215/18539912e029. Acesso em: 23 mar. 2020.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Revista Atual, Florianópolis, 2005. Disponível em: http://www.portaldeconhecimentos.org.br/index.php/por/Conteudo/Metodologiada-pesquisa-e-elaboracao-de-dissertacao. Acesso em: 23 mar. 2020.

SILVA, M. O arquivo e lugar: a custódia arquivística como responsabilidade pela proteção aos arquivos. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.11606/T.8.2015.tde-22122015-093801. Acesso em: 23 mar. 2020.

SILVA, M. O arquivo e o lugar: custódia arquivística e a responsabilidade pela proteção aos arquivos. Niterói: Eduff, 2017.

SOUZA, J. F.; SOARES, M. A.; FERNANDES, J. N.; MELO, J. H. Gestão de documentos digitais na cidade viva: uma proposta de uso do archivematica como repositório para recolhimento de objetos digitais permanentes. Archeion Online, v. 5, p. 84-102, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22478/ufpb.2318-6186.2017v5n4.36248. Acesso em: 23 mar. 2020.

THOMAZ, K. P. A preservação de documentos eletrônicos de caráter arquivístico: novos desafios, velhos problemas. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/87640. Acesso em: 23 mar. 2020.

UPWARD, F. Structuring the Records Continuum – Part Two: Structuration theory and recordkeeping. Archives and Manuscripts, Sydney, v. 25, p. 10–35, 1997. Disponível em: https://publications.archivists.org.au/index.php/asa/article/view/861. Acesso em: 23 mar. 2020.

VOLPATO, G. L.; BARRETO, R. E.; UENO, H. M.; VOLPATO, E. D. S. N.; GIAQUINTO, P. C.; FREITAS, E. G. D. Dicionário crítico para redação científica. Botucatu: Best Writing, 2013.

VOUTSSÁS MÁRQUEZ, J. La cadena de preservación en archivos digitales. In: BARNARD, A. A. Archivos electrónicos: Textos y contextos. México: Red Nacional de Archivos de Educación Superior y Archivo Histórico de la Universidad Nacional Autónoma de Puebla, 2010. p. 143-167.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2020v25n4p499

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional