O uso de linguagem de indexação por bibliotecas universitárias brasileiras

Maria Carolina Andrade Cruz, Mariângela Spotti Lopes Fujita

Resumo


Introdução: As linguagens de indexação têm propósito em alcançar o controle de vocabulário nos catálogos das bibliotecas em função da organização e recuperação da informação. Com isso, este trabalho configura-se em estudo analítico sobre o uso das linguagens de indexação em bibliotecas universitárias brasileiras. Objetivo: Uma perspectiva ampla do emprego das ferramentas de controle de vocabulário ao investigar como as bibliotecas universitárias brasileiras utilizam as linguagens de indexação. Metodologia: Método de pesquisa de cunho exploratório com o uso de questionário como instrumento de coleta de dados. Elaboração de categorias de análise a partir das respostas obtidas e dos objetivos traçados. Resultados: Totalizaram-se 46 respostas obtidas por meio da aplicação do questionário. Recuperou-se respostas de todos os estados brasileiros. Conclusões: As bibliotecas estão cientes da importância do controle de vocabulário, pois em sua maioria utilizam linguagem de indexação no tratamento da informação. Contudo, requer o estabelecimento de procedimentos consistentes quando não encontrado o termo na linguagem utilizada.

Palavras-chave


Organização da Informação. Linguagem de indexação. Controle de vocabulário. Bibliotecas universitárias.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRECHTSEN, H. Subject analysis and indexing: from automated indexing to domain analysis. The Indexer, London, v. 18, n. 4, p. 219-224, 1993. Disponível em: http://www.theindexer.org/files/18-4/18-4_219.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

Baritè, M. G. Sistemas de Organización del Conocimiento: uma tipologia actualizada. Informação & Informação, Londrina, v. 16, n. 3, p. 122-139, 2011. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/9952. Acesso em: 23 jul. 2019.

BOCCATO, V. R. C.; TORQUETTI, M. C. Interoperabilidade entre linguagens de indexação como recurso de construção de instrumento de representação temática de clippings de coordenadorias de comunicação social em ambientes universitários: uma proposta metodológica. Informação & Informação, Londrina, v. 17, n. 3, p. 76-101, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10800. Acesso em: 15 ago. 2018.

BRÄSCHER, M.; CAFÉ, L. Organização da informação ou organização do conhecimento? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 9., 2008, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANCIB, 2008. Disponível em: http://www.enancib2008.com.br. Acesso em: 20 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007. Institui o e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações relativas aos processos de regulação da educação superior no sistema federal de educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/superior/legisla_superior_port40.pdf. Acesso em: 16 ago. 2017.

CAMPOS, M. L. A. et al. Estudo comparativo de softwares de construção de tesauros. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 11 n. 1, p. 68-81, jan./abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-99362006000100006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18 jan. 2018.

CARDOSO FILHO, J. C.; SANTOS, M. M. Processos e temas selecionados. In: ALVARES, L. (Org.). Organização da informação e do conhecimento: conceitos, subsídios interdisciplinares e aplicações. São Paulo: B4 Editores, 2012. p. 185-223.

CARNEIRO, M. V. Diretrizes para uma política de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 221-241, set. 1985.

CATOIRA, T.; AZEVEDO NETO, C. X. The importance of a differentiated representation of information for Contemporary Art: use of fruition as a classification attribute. Transinformação, v. 28, n. 3, p. 263-274, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-37862016000300263. Acesso em: 01 mar. 2019.

CHOWHURY, G. G. Knowledge organization or information organization? A key component of knowledge management activities. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON DIGITAL LIBRARIES, 2004. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/6bf8/7feb19c6dd73da8a309c199e95920410f557.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

CLEVELAND, D. B.; CLEVELAND, A. D. Introduction to indexing and abstracting. 4. ed. Santa Barbara, California: Libraries Unlimited, 2013.

AUTORA 1, 2017.

AUTORA 1, 2019.

DIAS, E. W.; NAVES, M. M. L. Análise de assunto: teoria e prática. Brasília: Thesaurus, 2007.

AUTORA 2 et al. 2019.

AUTORA 2, 2013.

AUTORA 2, 2016.

AUTORA 2; GIL LEIVA, I. As linguagens de indexação em bibliotecas nacionais, arquivos e sistemas de informação na América-latina. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 16., SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BIBLIOTECAS DIGITAIS, 2., 2010, São Conrado. 2010. Anais [...]. São Conrado: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

AUTORA 2; SANTOS, L. B. P.; ALVES, R. V., 2018.

GIL LEIVA, I. Manual de indización: teoría y práctica. Gijón: Trea, 2008.

GUIMARÃES, J. A.C. Abordagens teóricas de tratamento temático da informação: catalogação de assunto, indexação e análise documental. Ibersid, Zaragoza, v. 3, p. 105117, 2009. Disponível em: https://www.ibersid.eu/ojs/index.php/ibersid/article/view/3730. Acesso em: 5 fev. 2014

GUIMARÃES, J. A. C.; SALES, R.; GRÁCIO, M. C. C. A dimensão interdisciplinar da análise documental nos contextos brasileiro e espanhol no âmbito da organização do conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 13, n. 6, 2012. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/download/45874. Acesso em: 16 ago. 2018.

ISO 25964-1. Information and documentation: part 1: thesauri and interoperability with other vocabularies. Geneva: International Organization for Standardization, 2011.

LARA, M. L. G. Linguagem documentária e terminologia. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 3, p. 231-240, set./dez., 2004.

LIMA, J. L. O.; ALVARES, L. Organização e representação da informação e do conhecimento. In: ALVARES, L. (org.) Organização da informação e do conhecimento: conceitos, subsídios interdisciplinares e aplicações. São Paulo: B4 Ed., 2012.

MACULAN, B. C. M. S.; LIMA, G. A. B. O. modelo para análise conceitual de teses e dissertações com vistas à criação de taxonomia facetada. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 21, n. 3, p. 41-54, set./dez. 2011. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/9582. Acesso em: 23 jan. 2019.

MAI, J. E. Semiotics and indexing: an analysis of the subject indexing process. Journal of Documentation, London, v. 57, n. 5, set. 2001. Disponível em: http://jenserikmai.info/Papers/2001_Semiotics.pdf. Acesso em: 18 set. 2018.

MOURA, M. A. Informação, ferramentas ontológicas e redes sociais ad hoc: a interoperabilidade na construção de tesauros e ontologias. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.19, n.1, p. 59-73, jan./abr., 2009. Disponível em: http://mamoura.eci.ufmg.br/wp-content/uploads/2014/10/informacao-ferramentas-sociais-add-hoc.pdf. Acesso em: 13 out. 2018.

PINTO, M. C. M. F. Análise e representação de assunto em sistemas de recuperação da informação: linguagens de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 169-186, set. 1985.

REDIGOLO, F. M. O processo de análise de assunto na catalogação de documentos: a perspectiva sociocognitiva do catalogador em contexto de biblioteca universitária. 2010. 176 f. Dissertação (Mestrado em Informação, Tecnologia e Conhecimento) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/93668. Acesso em: 1 abr. 2019.

REDIGOLO, F. M. O processo de análise de assunto na catalogação de livros em bibliotecas universitárias: aplicação do protocolo verbal. 2014. 262 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/110386. Acesso em: 1 abr. 2019.

RUBI, M. P. Política de indexação na perspectiva do conhecimento organizacional. 2004. 135 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2004.

RUBI, M. P.; AUTORA 2, 2006.

SANTA ANNA, J.; CALMON, M. A. M.; CAMPOS, S. O. Representação documentária em diferentes bibliotecas: o tratamento informacional como um processo plural. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 61-75, dez./mar., 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1151/pdf. Acesso em: 30 maio 2017.

SOUSA, B. P.; AUTORA 2, 2014.

SOUZA, F. P.; HILLESHEIM, A. I. A. Tratamento da informação e o uso das tecnologias da informação e comunicação. Biblionline, v. 10, p. 2, 2014. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/biblio/article/view/16748. Acesso em: 1 abr. 2019.

SVENONIUS, E. The intellectual foundation of information organization. Cambridge: MIT, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n1p574

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional