A biblioterapia como auxiliar no desenvolvimento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Natasha Coutinho Revoredo Ribeiro, Esther Hermes Lück

Resumo


Objetivo: Verificar a percepção de pais e profissionais sobre os benefícios do uso da biblioterapia como recurso auxiliar no desenvolvimento de crianças com TEA. Metodologia: Fundamentada na pesquisa bibliográfica, a parte teórica inicia com visão de vários autores sobre o TEA para depois apresentar a biblioterapia, e em especial o seu uso como recurso auxiliar no tratamento de crianças com o transtorno. Na parte empírica, realizou-se um estudo de campo de abordagem qualitativa, cujos dados foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas. Foram entrevistadas 26 pessoas, entre pais, pedagogos, professores, psicólogos, fonoaudiólogos, entre outros. Resultados: A partir da análise das entrevistas foi possível observar os benefícios que a biblioterapia pode fornecer no tratamento dos principais déficits do transtorno e do efeito positivo no processo de desenvolvimento de crianças com TEA. Além disso, pôde-se perceber que é possível trabalhar a leitura com as crianças que possuam o TEA em graus leve e moderado, embora não tenha sido conclusiva a questão do uso da leitura com crianças de grau severo. Conclusões: O presente estudo apresentou evidências sobre os benefícios da biblioterapia em crianças com TEA. Apesar de resultados animadores, sente-se a necessidade de estudos mais amplos do impacto que essa terapia alternativa pode ter na vida dessas crianças.


Palavras-chave


Biblioterapia; Leitura Terapêutica; Mediação da Leitura; Transtorno do Espectro Autista

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. H. H. A aplicação da biblioterapia no processo de reintegração social. Revista brasileira de biblioteconomia e documentação, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 54- 61, 1982. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/repositorio/ 2011/08/pdf_09 e78c51e2_0018372.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Transtornos do Neurodesenvolvimento. In: AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 31-86.

AMORIM, L. Tratamento, c2019. Disponível em: https://www.ama.org.br/site/autismo/tratamento/. Acesso em: 26 maio 2019.

BRASIL. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis /l8069.htm. Acesso em: 13 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.035 de 5 de outubro de 2018. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 194, p. 43, 8 out. 2018. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/ index.jsp?data=08/10/2018&jornal=515 &pagina=43. Acesso em: 13 set. 2019.

BRILHA, D. Comportamentos de interação em alunos com Perturbações do Espectro do Autismo: o contributo de histórias sociais™ na hora do conto. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação, especialidade Educação Especial: Problemas Graves de Cognição e Multideficiência) - Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Educação de Lisboa, Lisboa, 2012.

BRITO, A.; VASCONCELOS, M. M. Conversando sobre autismo: reconhecimento precoce e possibilidades terapêuticas. In: CAMINHA, V. L. P. S. et al. (org.). Autismo: vivências e caminhos. São Paulo: Blucher, 2016.

CALDIN, C. F. A leitura como função terapêutica: biblioterapia. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 6, n. 12, p. 32-44, 2001a. Disponível em: https://www.brapci. inf.br/index.php/article/view/0000006962/eec972adfaa4c3e905d598 1757bfc108. Acesso em: 16 set. 2018.

CALDIN, C. F. A poética da voz e da letra na literatura infantil: (leitura de alguns projetos de contar e ler para crianças). 2001. 261 f. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001b.

CAVALCANTE, L. E. Mediação da leitura e formação do leitor. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 2019. (Curso formação de mediadores de leitura, 1).

FERREIRA, D. T. Biblioterapia: uma prática para o desenvolvimento pessoal. ETD: Educação Temática Digital, Campinas, v.4, n.2, p 35-47, 2003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view /620. Acesso em: 09 abr. 2019.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999

GRAY, C. Social Stories and comic strip conversations with students with Asperger syndrome and high- functioning autism. In: SCHOPLER, E.; MESIBOY, G. B.; KUNCE, L. J. (ed.). Asperger syndrome or high-functioning autism? New York: Plenum, 1998. p. 167–198.

HANLEY-HOCHDORFER, K. et al. Social stories to increase verbal initiation in children with Autism and Asperger's Disorder. School Psychology Review, [s. l.], v. 39, n. 3, p. 484-492, 2010. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=EJ900924. Acesso em: 02 jun. 2019.

KANNER, L. Autistic disturbances of affective contact. Nervous Child, New York, v. 2, p. 217-250, 1943. Disponível em: http://mail.neurodiversity.com/ library_kanner_1943.pdf. Acesso em: 02 jun. 2019.

LUCAS, E. R. O.; CALDIN, C. F.; SILVA, P. V. P. Biblioterapia para crianças em idade pré-escolar: estudo de caso. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.11 n.3, p. 398-415, 2006. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg. br/index.php/pci/article/view/276/69. Acesso em: 22 abr. 2019.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

NUNES, D. R. P; WALTER, E. C. Processos de leitura em educandos com Autismo: um estudo de revisão. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 22, n. 4, p. 619-632, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S14136538 2016000400619&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 02 jun. 2019.

OLIVEIRA, A. C. F. et. al. O biblioterapêuta: a nova atuação do profissional bibliotecário. In: ENCONTRO REGIONAL DE ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO, CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO, 14., 2011, São Luís. Anais [...] São Luís: Universidade Federal do Maranhão, 2011. p. [1-12]. Disponível em: http://rabci.org/rabci/sites/default/files/O%20BIBLIOTERAP%C3%8 AUTA%20a%20nova%20atua%C3%A7%C3%A3o%20do%20profissional%20bibliotec%C3%A1rio.pdf. Acesso em: 24 set. 2018.

ONZI, F. Z.; GOMES, R. F. Transtorno do Espectro Autista: a importância do diagnóstico e reabilitação. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 12, n. 3, p. 188-199, 2015. Disponível em: http://univates.br/revistas/index.php/cadped/article/view/979/967. Acesso em: 29 out. 2019.

PEREIRA, M. M. G. Biblioterapia: proposta de um programa de leitura para portadores de deficiência visual em bibliotecas públicas. João Pessoa: Ed. Universitária, 1996.

RATTON, N. M. L. Biblioterapia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 198-214, 1975. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000002656/0b3da86eac29ee0efde1c066b4026a84/. Acesso em: 9 abr. 2019.

SANCHES, I. R.; SIQUEIRA, L. P. C. A inclusão escolar e o Transtorno do Espectro do Autismo. Comunicações, Piracicaba, v. 3, n. 3, n. especial, p. 167-183, 2016. Disponível em: http://www.bibliotekevirtual.org/ index.php/2013-02-07-03-02-35/2013-02-07-03-03-11/2068comunicacoes /v23nesp/21202-a-inclusao-escolar-e-o-transtorno-do-espectro-do-autismo.html. Acesso em: 15 set. 2019.

SEITZ, E. M. Biblioterapia: uma experiência com pacientes internados em clínica médica. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, [Florianópolis], 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/78289/175141.pdf?sequenc e=1&isAllowed=y. Acesso em: 09 abr. 2019.

SEITZ, E. M. Biblioterapia: uma experiência com pacientes internados em clínica médica. ETD: Educação Temática Digital, [s. l.], v. 7, n. 1, p. 96-111, 2005. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/ article/view/598/613. Acesso em: 21 abr. 2019.

SEIXAS, C. Vivências em Biblioterapia: práticas do cuidado através da literatura. Niterói: C. Seixas, 2014.

SILVA, C. S. Inclusão de crianças autistas no processo de leitura. 2018. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

SOUSA, A. C. G. A Biblioterapia como alternativa terapêutica no tratamento de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). 2016. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

VALENCIA, M. C. P.; MAGALHÃES, M. C. Biblioterapia: síntese das modalidades terapêuticas utilizadas pelo profissional. BIBLOS - Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, [Rio Grande], v. 29, n. 1, p. 5-27, 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/4585. Acesso em: 9 abr. 2019.

VIEIRA, S. Como elaborar questionários. São Paulo: Atlas, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2021v26n2p231

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional