Definindo o conhecimento arquivístico: estruturas conceituais

Natália Bolfarini Tognoli, Ana Célia Rodrigues, José Augusto Chaves Guimarães

Resumo


Introdução: Apesar de ter o princípio da proveniência como seu elemento norteador, a organização do conhecimento arquivístico ainda prescinde de uma maior clareza conceitual de seu objeto – o conhecimento arquivístico – aspecto fundamental para a sedimentação dos estudos arquivísticos e de sua comunidade discursiva no âmbito da organização do conhecimento (OC). Objetivo: O presente artigo tem como objetivo a definição de uma estrutura conceitual para o conhecimento arquivístico a partir da teoria do conceito de Dalhberg. Metodologia: Revisão de literatura sobre organização do conhecimento na Arquivologia e sobre a Teoria Do Conceito. Resultados: A pesquisa estabeleceu um conceito nominal ou definiendum – conhecimento arquivístico – analisando sua definição real, composta por três definiens: o conceito de fundo, o conhecimento da forma documental e o conhecimento do contexto de produção do documento. Conclusão: Ao final, reconhece-se que o conhecimento arquivístico pode ser definido como uma reunião três facetas indissociáveis na qual o vínculo arquivístico estará contemplado.


Palavras-chave


Organização do Conhecimento; Teoria do Conceito; Conhecimento Arquivístico; Diplomática

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, M. F; CERVANTES, B. M. N. A semântica na organização do conhecimento arquivístico: o caso dos tesauros funcionais. In: BARROS, T. H. B; TOGNOLI, N. B. (orgs). Organização do Conhecimento responsável: promovendo sociedades democráticas e inclusivas. Estudos avançados em Organização do Conhecimento, v. 5. Belém: Ed. UFPA, 2019. p. 287-297.

BARROS, T. H. B.; MORAES, J. B. E. Archival classification and knowledge organization: theoretical possibilities for the archival field. In: NEELAMEGHAN, A.; RAGHAVAN, K.S (org.). Categories, contexts and relations in knowledge organization. Wurzburg: Ergon-verlag Gmbh, 2012. p. 272-276.

BAUTIER, R. H. Leçon d’ouverture du cours de diplomatique à L’Ecole des chartes. Paris: Bibliothèque de l’Ecole des Chartes, 1961.

BRENNEKE, A. Archivistica: contributo alla teoria ed ella storia archivistica europea. Milão: [s. n.], 1968.

BUCKLAND, M. Document theory. Knowledge Organization, v. 45, p. 425-36, 2018.

CARUCCI, P. Il documento contemporaneo: diplomatica e criteri di edizione. Roma: La Nuova Italia Scientifica, 1987.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Ci. Inf., Rio de Janeiro, vol. 7, n. 2, p. 101-107, 1978.

DUCHEIN, M. Theoretical principles and practical problems of respect des fonds in Archival Science. Archivaria, v. 16, p. 64-82, 1983.

DUMAS, A. La Diplomatique et la forme des actes. Le Moyen Age, n. 3, p. 5-31, 1932.

DURANTI, L. From classical diplomatics to digital diplomatics. Apresentação. Oslo, 2013.

ESTEBAN NAVARRO, M. A. La representación y la organización del conocimiento en los archivos. Zaragoza: Universidad de Zaragoza, ISKOEspaña, 1995. p. 65-90.

EVANS, F. B. Records and administrative processes: retrospects and prospects. Janus, n. 1, p. 29-37, 1991.

FONSECA, M. O. K. Informação, arquivos e instituições arquivísticas. Arquivo & Administração, v. 1, n. 1, 1998. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/21021. Acesso em: 29 abr. 2019.

GARCIA MARCO, F. J. Fundamentos de organizacón y representacion documental: aportaciones de la archivística. Revista General de Información y Documentación, Madrid, v. 5, n. 2., 1995.

GUIMARÃES, J. A. C. Organização do Conhecimento: passado, presente e futuro sob a perspectiva da ISKO. Informação & Informação, Londrina, v. 22, n. 2, p. 84-98, maio/ago., 2017. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/31443/21993. Acesso em: 03 mar. 2019.

GUIMARÃES, J. A. C.; TOGNOLI, N. B. Provenance as a domain analysis approach in archival knowledge organization. Knowledge Organization, v. 42, n. 8, p. 562-569, 2015.

HJØRLAND, B. Concept theory. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 60, p. 1519-1536, 2009.

HJØRLAND, B. Domain Analysis in information science: eleven approaches—traditional as well as innovative. Journal of Documentation, v. 58, p. 422-62, 2002.

HJØRLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowledge Organization, v. 35, n.2/3, p. 86-101, 2008.

LEHMKUHL, C. S.; LINDEN, L. L.; BARROS, C. M.; SILVA, E. C. L.; VITAL, L. P. Sistemas de organização do conhecimento e Arquivologia: diálogos possíveis. In: BARROS, T. H. B; TOGNOLI, N. B. (org). Organização do Conhecimento responsável: promovendo sociedades democráticas e inclusivas: estudos avançados em organização do conhecimento. Belém: Ed. UFPA, 2019. p. 58-66.

MARTÍN-POZUELO, M. P. C. La construcción teórica en archivística: el principio de procedencia. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 1996.

RABELLO, R. História dos conceitos e ciência da informação: apontamentos teórico-metodológicos para uma perspectiva epistemológica. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 13, n. 26, p. 17-46, 2008. DOI: 10.5007/1518-2924.2008v13n26p17. Acesso em: 03 mar. 2019.

RODRIGUES, A. C. Diplomática contemporânea como fundamento metodológico da identificação de tipologia documental em arquivos. 2008. Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. DOI:10.11606/T.8.2008.tde-27112008-151058. Acesso em: 03 mar. 2019.

RODRIGUES, A. C. Diplomática e Arquivística: diálogos para a construção do método de identificação da tipologia documental. In: XVII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Descobrimentos da Ciência da Informação. 2016, Salvador. Anais [...]. PPGCI/UFBA. p. 869-881. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B7rxeg_cwHajMW9ZV0xFZHBhTnc/view. Acesso em 04 jun. 2018.

RODRIGUES, A. C. Identificação como requisito metodológico para a gestão de documentos e acesso à informações na administração pública brasileira. Ciência da Informação, [S. l.], v. 42, n. 1, jan. 2015. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/1395/1573. Acesso em: 03 mar. 2019.

RODRIGUES, A. C. Identificação como requisito metodológico para a gestão de documentos e acesso às informações na administração pública brasileira. Ciência da Informação, v. 42, n. 1, 2013. DOI: 10.18225/ci.inf..v42i1.1395 Acesso em: 29 out. 2019.

ROGERS, C. Diplomatics of born digital documents: considering the documentary form in a digital environment. Records management Journal, v. 25, n. 1, p. 6-20, 2015. DOI: 10.1108/RMJ-03-2014-0021. Acesso em: jun. 2016.

SCHELLENBERG, T.R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

SICKEL, T. V. Beiträge zür Diplomatik. Viena: Gerold in Komm, 1867.

TOGNOLI, N. B. A construção teórica da Diplomática: em busca de uma sistematização de seus marcos teóricos como subsídio aos estudos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

TOGNOLI, N. B.; GUIMARÃES, J. A. C.; TENNIS, J. T. Diplomatics as a methodological perspective for archival knowledge organization. NASKO, Washington, v. 4, p. 204-212, out. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7152/nasko.v4i1.14661. Acesso em 11 Ago. 2015.

TOGNOLI, N. B.; RODRIGUES, A. C.; GUIMARÃES, J. A. C. Archival Knowledge: conceptual frameworks for a recent terminology in the KO domain. Knowledge Organization, v. 46, n. esp. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n2p58

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional