Perspectiva das pesquisas em Ciência da Informação no Brasil sobre mídias sociais e políticas

Angela Maria Grossi de Carvalho, Maira Nani França, Gabriel Henrique de Oliveira Lopes

Resumo


Introdução: A compreensão dos fenômenos políticos e as redes sociais (laços) nas mídias sociais permite refletir as formas com que os atores se conectam, influenciam e se relacionam na sociedade contemporânea. Objetivo: Identificar as contribuições das pesquisas da Ciência da Informação sobre Mídias sociais Políticas, desde a concepção de política pública, até a ação social voltada à política. Metodologia: Os documentos recuperados foram submetidos à análise bibliométrica e cronológica do conteúdo associado com fatos que marcaram história no Brasil e no mundo. Resultados: As produções científicas da Ciência da Informação no domínio analisado têm sido desenvolvidas desde 2007, com uma elite de pesquisadores e uma comunidade epistêmica em formação. O período de maior produtividade foi 2014, com discussões sobre o papel das mídias sociais na organização de mobilizações, manifestações, participação política, governo eletrônico e políticas públicas, contribuindo para o delineamento temático da área, acompanhamento de sua evolução e seu âmbito de aplicação. Conclusões: Nos últimos dez anos, observou-se um crescimento considerável da produção científica da Ciência da Informação na imbricação dos campos informacional, tecnológico e político, dada sua complexidade e relevância.

Palavras-chave


Rede Social; Mídias Sociais; Políticas de Informação; Direito à Informação; Acesso à Informação Pública

Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLI, S. Redes sociais e teoria social: revendo os fundamentos do conceito. Informação & Informação, Londrina, v. 12, n. esp., p. 1-12, 2007. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/1784/1520. Acesso em: 25 fev. 2018.

ARAÚJO, E. Internet e redes sociais como ferramentas de mobilização. [S.l.: s.n.], jan. 2016. Material de apoio à Oficina Redes Sociais e Mobilização ministrada por Gustavo Gindre. Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/wp-content/uploads/2016/01/Cartilha-RedesSociais-e-Mobilizacao.pdf. Acesso em: 25 fev. 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Estratégia de Governança Digital: EGD. Transformação digital: cidadania e governo: 2016-2019. Brasília, DF: MP, maio 2018. Disponível em: https://www.governodigital.gov.br/EGD/documentos/revisao-da-estrategia-degovernanca-digital-2016-2019.pdf. Acesso em: 26 jun. 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Manual para elaboração de Plano de dados abertos. Brasília, DF: MP, jul. 2016d. Nova versão: 2017. Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/arquivo/governoaberto/copy_of_manual_elaboracao_plano_dados_abertos.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

BRASIL. Decreto nº 8.638 de 15 de Janeiro de 2016. Institui a Politica de Governança Digital no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília: Presidência da República, 2016a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8638.htm. Acesso em: 26 dez. 2019.

BRASIL. Decreto nº 8777 de 11 de maio de 2016. Institui a política de dados abertos do Poder Executivo federal. Brasília: Presidência da República, 2016b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/D8777.htm. Acesso em: 26 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.527 de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2011. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 26 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.965 de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 26 dez. 2019.

BRASIL. Política Nacional de Informação e Informática em Saúde. Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2016c. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_infor_informatica_saude_2016.pdf. Acesso em: 26 dez. 2019.

CASTELLS, Manuel. Por que as pessoas se mobilizam? 2008. 1 vídeo (3 min. 4), son., col. Publicado no site Fronteras del Pensiamento. Disponível em: http://www.fronteiras.com/es/videos/por-que-as-pessoas-se-mobilizam. Acesso em: 25 mar. 2018.

FRANÇA, M. N.; CARVALHO, A. M. G. de; GRÁCIO, M. C. C. Presença da temática mídias sociais e bibliotecas na produção científica brasileira na Ciência da Informação: um estudo de análise de domínio. In: IRIGARY, F.; GROSSI, A.; MACHADO FILHO, F.; MORAES, O. de; VENTURA, M. (Orgs.). Audiovisual, cidades, mobilidade, cidadania, jornalismo, mídia e tecnologia. Rosário: UNR Editora: Editorial de la Universidad Nacional de Rosário, 2018. p. 344-367. Disponível em: http://docs.wixstatic.com/ugd/43846c_2e3f2973354349e798390617044d9e55.pdf. Acesso em: 6 ago. 2018.

FUCHS, C. Mídias sociais e a esfera pública. Contracampo, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, p. 5-80, dez./mar. 2015.

KAPLAN, A. M.; HAENLEIN, M. Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business Horizons, Indiana, v. 53, n. 1, p. 59-68, 2010.

MACIEL, M. L.; ALBAGLI, S. Editorial: 10 anos da Liinc em Revista. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 1, maio 2014. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3540/3037. Acesso em: 25 fev. 2018.

MARTINO, L. M. S. Teoria das mídias digitais: linguagens, ambientes e redes. Rio de Janeiro: Vozes, 2014.

OLIVEIRA, J. A. de. Redes sociais e participação política na esfera pública. Revista Eptic, São Cristávão, v. 14, n. 1, p. 1-13, jan./abr. 2012.

PINHEIRO, L. V. R.; FERREZ, H. D. Tesauro brasileiro de Ciência da Informação. Rio de Janeiro: IBICT, 2014.

SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração da dissertação. 4. ed. rev. e atual. Florianópolis: UFSC, 2005.

URBIZAGÁSTEGUI ALVARADO, R. Elitismo na literatura sobre a produtividade dos autores. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 38, n. 2, p. 69-79, maio/ago. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2019v24n3p260

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

Inf. Inf.

ISSN: 1981-8920 (versão somente online)

DOI: 10.5433/1981-8920

e-mail: infoeinfo@uel.br



Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional